Galinhola-eurasiática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGalinhola-eurasiática
Woodcock earthworm.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Charadriiformes
Família: Scolopacidae
Género: Scolopax
Espécie: S. rusticola
Nome binomial
Scolopax rusticola
Lineu, 1758
Distribuição geográfica
Distribuição de S. rusticola   Reprodução   Residente   Fora de reprodução
Distribuição de S. rusticola
  Reprodução
  Residente
  Fora de reprodução
Scolopax rusticola rusticola - MHNT

A galinhola-eurasiática (Scolopax rusticola), ou apenas galinhola,[2] é uma espécie de ave limícola, pertencente a família dos escolopacídeos, encontrada na Eurásia temperada e subártica. Possui uma camuflagem críptica para se adequar ao seu hábitat florestal, com partes superiores marrom-avermelhadas e partes inferiores de cor amarela. Seus olhos estão bem para trás em sua cabeça para lhe dar uma visão de 360 ​​graus e usa seu longo bico sensorial para sondar o solo em busca de comida, tornando-o vulnerável ao clima frio quando o solo permanece congelado.[3]

Nomes comuns[editar | editar código-fonte]

Dá ainda pelos seguintes nomes comuns: bicuda[4] e gamarra.[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

À guisa das narcejas, com as quais se parecem, a galinhola trata-se duma espécie limícola.[6] Tem uma envergadura semelhante à da perdiz.[7] Conta com uma plumagem castanho-arruivada, que lhe serve perfeitamente de camuflagem nos lodaçais à beira-mar.[8]

Caracteriza-se, ainda, pelo forte e longo bico com o qual revira lodo à procura dos pequenos invertebrados dos quais se alimenta, , pelas longas asas arredondadas e por ser rabicurto.[7]

A fêmea põe de três a cinco ovos que devem ser chocados de 18 a 32 dias. Os pintainhos deixam o ninho logo após a eclosão.[6]

Ecologia e habitat[editar | editar código-fonte]

Em Portugal continental, a galinhola-euroasiática afigura-se como uma espécie invernante, pelo que os primeiros espécimes chegam ao país por volta de finais de outubro.[6] Esta espécie distribui-se por todo o território continental português, embora a sua presença evidencie mais expressivamente nos territórios a Norte do rio Tejo.[8]

É uma espécie nemoral, que, portanto, prefere os habitats de floresta, particularmente os matagais húmidos com clareiras.[7]

Aves homónimas[editar | editar código-fonte]

Nalgumas regiões no Brasil, o termo "galinhola" pode ser usado para designar a galinha-d'angola (Numida meleagris), por alusão a esta espécie epónima.

Referências

  1. «IUCN red list Scolopax rusticola». Lista vermelha da IUCN. Consultado em 18 de abril de 2022 
  2. Infopédia. «galinhola | Definição ou significado de galinhola no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 27 de julho de 2021 
  3. «Scolopax rusticola». Fauna Europaea (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2022 
  4. Infopédia. «bicuda | Definição ou significado de bicuda no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 29 de julho de 2021 
  5. Infopédia. «gamarra | Definição ou significado de gamarra no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 27 de julho de 2021 
  6. a b c «Galinhola (Scolopax rusticola)». www.avesdeportugal.info. Consultado em 27 de julho de 2021 
  7. a b c «Página de Espécie • Naturdata - Biodiversidade em Portugal». Naturdata - Biodiversidade em Portugal. Consultado em 29 de julho de 2021 
  8. a b «Galinhola (Scolopax rusticola)». www.avesdeportugal.info. Consultado em 29 de julho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado ao Projeto Aves, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.