Galle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Galle (desambiguação).
Galle
SL Galle Fort asv2020-01 img23.jpg
Geografia
País
Províncias
Capital de
Altitude
0 mVisualizar e editar dados no Wikidata
Coordenadas
Funcionamento
Estatudo patrimonial
Património de Influência Portuguesa (d), Património Mundial da UnescoVisualizar e editar dados no Wikidata
Geminação
História
Evento chave
Siege of Galle (1640) (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Identificadores
Código postal
80000Visualizar e editar dados no Wikidata
Prefixo telefônico
091Visualizar e editar dados no Wikidata
Website
Seri Lanca: localização de Galle no sudoeste da ilha

Galle (sinhala: ගාල්ල Galla; காலி na língua tâmil) é uma cidade situada no sudoeste do Seri Lanca, a 119 km de Colombo.[1] Galle era conhecida como Gimhathiththa (embora ibne Batuta no século XIV se lhe referisse como Qali) antes da chegada dos Portugueses no século XVI, quando era o principal porto da ilha de Ceilão.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Há muitas verões diferentes a respeito do étimo de onde radica o termo "Galle". Há autores que advogam que o mesmo resultará de uma corruptela da palavra portuguesa «Galo», há outros autores que rejeitam esta alusão ao galináceo e que sustentam que a raiz da palavra advém da palavra cingalesa «galaa», que signfica «manada ou cortelho de gado».[3]

História[editar | editar código-fonte]

Isagoge[editar | editar código-fonte]

A remissão histórica mais recuada, referente a Galle, remonta ao mapa mundo de Ptolomeu de 125-150 d.C., que o assinala como um porto movimentado, na então denominada ilha da Taprobana. Figura, por igual na cosmografia de Cosme Indicopleustes, sob o epíteto de «porto do Levante».[4]

Ainda antes da chegada dos portugueses, ibne Batuta, arribou no porto de Galle, se bem que terá sido uma estadia de pouca dura.[4]

Chegada dos portugueses[editar | editar código-fonte]

Foi a esta cidade que Lourenço de Almeida aportou, em 1505, estabelecendo aí o primeiro contacto dos portugueses com o Ceilão. [5]

Ao descobrir que a ilha era produtora de canela (especiaria que, à época, orçava alto valor comercial de revenda na Europa)[6], o navegador português tratou de travar amizade com Dharmaparakrama Bahu (1484–1514), o rei de Cota.[7] Estabeleceu com ele o acordo de que, a troco da protecção militar portuguesa, face aos assédios dos piratas indianos da costa do Malabar, Cota forneceria tributos anuais de canela a Portugal, pagos na cidade de Galle.[8] Mais tarde, em 1518, o local do pagamento foi transferido para Colombo, onde os portugueses erigiram uma fortaleza, mediante o beneplácito do rei de Cota.[7]

Galle é um exemplo epitómico de uma cidade fortificada pelos portugueses no Sudeste asiático, exibindo a harmonia entre o estilo arquitectónico português e as tradições locais.[9] A cidade foi largamente fortificada pelos holandeses de 1649 em diante, ao longo do séc. XVII.[9] O forte de Galle, também conhecido como Forte da Imaculada Conceição[10], foi erigido em 1588 pelos portugueses e é reconhecido como património mundial da Unesco, sendo a maior fortaleza asiática construída por europeus.[11]

Posterioridade e era moderna[editar | editar código-fonte]

Galle teve o seu apogeu de desenvolvimento no século XVIII, antes da chegada dos Britânicos, que potenciaram o desenvolvimento de Colombo.[carece de fontes?]

A cidade foi muito afectada pelo Terramoto do Índico de 2004.[12]

Referências

  1. «Galle» (em francês). data.bnf.fr. Consultado em 20 de dezembro de 2019 
  2. «The Portuguese in Sri Lanka (1505–1658)». Consultado em 21 de junho de 2020 
  3. «Galle and Galle Fort». Discover Sri Lanka. Consultado em 4 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 3 de Outubro de 2013 
  4. a b Twentieth Century Impressions of Ceylon: Its History, People, Commerce, Industry and Resources. [S.l.]: Asian Educational Services. 1999. ISBN 9788120613355. Consultado em 21 de Junho de 2020 
  5. Twentieth Century Impressions of Ceylon: Its History, People, Commerce, Industry and Resources. [S.l.]: Asian Educational Services. 1999. ISBN 9788120613355. Consultado em 21 de Junho de 2020 
  6. Ravindan, P.N. (2017). The Encyclopedia of Herbs and Spices. [S.l.]: CABI. ISBN 978-1-78064-315-1. Consultado em 21 de Junho de 2020 
  7. a b «The Portuguese in Sri Lanka (1505–1658)». Consultado em 21 de junho de 2020 
  8. Jayapalan, N. (2000). India and Her Neighbours. [S.l.]: Atlantic Publishers and Distributors. ISBN 81-7156-912-9. Consultado em 21 de Junho de 2020 
  9. a b World heritage : archaeological sites and urban centres. Internet Archive. [S.l.]: Paris : Unesco ; Milan : Skira ; New York : Distributed in North America and Latin America by Rizzoli International Publications through St. Martin's Press. 2002 
  10. Menezes Dias Pereira, Marízia (2015). A INFLUÊNCIA DOS PORTUGUESES NO SRI LANKA – O FORTE DE GALLE (PDF). Évora: Universidade de Évora. p. 1 
  11. Centre, UNESCO World Heritage. «Old Town of Galle and its Fortifications». UNESCO World Heritage Centre (em inglês). Consultado em 6 de abril de 2021 
  12. Lay, T.; Kanamori, H.; Ammon, C.; Nettles, M.; Ward, S.; Aster, R.; Beck, S.; Bilek, S.; Brudzinski, M.; Butler, R.; DeShon, H.; Ekström, G.; Satake, K.; Sipkin, S. (20 de Maio de 2005). «The Great Sumatra-Andaman Earthquake of 26 December 2004» (PDF). Science. 308 (5725): 1127–1133. Bibcode:2005Sci...308.1127L. PMID 15905392. doi:10.1126/science.1112250 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Galle
Imagem: Cidade Antiga de Galle e suas fortificações A cidade de Galle inclui a sítio "Cidade Antiga de Galle e suas fortificações", Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg