Galleria mellonella

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaGalleria mellonella
Galleria mellonella 1.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Lepidoptera
Família: Pyralidae
Subfamília: Galleriinae
Tribo: Galleriini
Gênero: Galleria
Fabricius, 1798
Espécie: G. mellonella
Nome binomial
Galleria mellonella
Sinónimos
  • Galleria austrina Felder & Rogenhofer, 1875
  • Galleria cerea Haworth, 1811 (unjustified emendation)
  • Galleria cerealis Hübner, 1825 (unjustified emendation)
  • Galleria crombrugheela Dufrane, 1930
  • Galleria crombrugheella (lapsus)
  • Galleria mellomella (lapsus)
  • Phalaena mellonella Linnaeus, 1758
  • Phalaena cereana Blom, 1764
  • Tinea cerella Fabricius, 1775 (unjustified emendation)
  • Vindana obliquella Walker, 1866

A Galleria mellonella é uma espécie de insetos lepidópteros também conhecida como a traça grande da cera ou a traça do favo de mel é uma traça da família Pyralidae. É o único membro do género Galleria. Pode ser encontrada na maior parte do mundo, incluindo Europa e a adjacente Eurásia, onde se presume ser sua origem nativa, e como um espécies introduzidas em outros continentes, incluindo na América do Norte e Austrália.

Seu parente próximo, a traça pequena da cera (Achroia grisella), é também um membro da tribo (biológica) Galleriini, família Pyralidae e subfamília Galleriinae. A traça grande da cera é uma espécie desta mesma tribo e da subfamília.

Descrição, ecologia e uso por seres humanos[editar | editar código-fonte]

Montado, vista dorsal
Montado, vista ventral

As traças adultas tem uma envergadura de 30-41 mm. Esta traça voa de maio a outubro nas regiões temperadas, sua região de origem, como na Bélgica e Holanda.

As lagartas ou larvas da cera, alimentam-se de favo das abelhas melíferas dentro dos ninhos nas colmeias e pode se tornar-se praga da apicultura. Menos frequentemente, elas são encontrados em ninhos de mamangaba e vespa , ou alimentando-se de figos secos.[1] Estas larvas são comercializadas, já que são usadas como alimento para a criação de animais em cativeiro, tais como lagartixas ou insetos predadores

Traça adulta
Traça na forma de larva

A Vairimorpha ephestiae é um parasita fúngico de a traça da cera. O Pseudomonas aeruginosa também é um patogênico para G. mellonella. As associações de fatores de virulência são as mesmas para as infecções de plantas e animais.

Na pesquisa[editar | editar código-fonte]

A traça grande da cera tem sido demonstrada como sendo uma excelente [[organismo modelo para experiências in vivo de toxicologia e patogenicidade, substituindo o uso de pequenos mamíferos em tais experimentos.[2]

As larvas são também modelos bem adequados para os estudos do sistema imune inato. Em genética, eles podem ser usados para estudar esterilidade herdada em insetos. NOTA: imunidade celular e humoral são parte da imunidade adquirida, que é só para vertebrados. Os insetos só tem imunidade inata.

Experiências com larvas da cera infectados suportam a hipótese que o estilbenoide bacteriana 3,5-di-hidroxi-4-isopropil-trans-estilbeno tem propriedades antibióticas que ajudam a minimizar a competição de outros microrganismos e impede a putrefacção do cadáver insetos infectados pelo nematóide entomophagic do gênero Heterorhabditis, este próprio é o hospedeiro para a bactéria do gênero Photorhabdus.[3]

A G. mellonella é relatada como ser capaz de ouvir frequências ultra-sônicas que se aproximam de 300 kHz, possivelmente a maior sensibilidade á frequência que qualquer outro animal.[4]

Em 2017 descobriu-se que a larva de G. mellonella transforma Polietileno PE em Etilenoglicol (Álcool),[5] podendo vir a ser utilizadas para combater a poluição.[6]

Sinônimos[editar | editar código-fonte]

Como uma espécie difundida e pouco notórias, a traça grande da cera foi descrita em uma série de agora inválidos sinônimos: [7]

  • Galleria austrina Felder & Rogenhofer, 1875
  • Galleria cerea Haworth, 1811 (unjustified emendation)
  • Galleria cerealis Hübner, 1825 (unjustified emendation)
  • Galleria crombrugheela Dufrane, 1930
  • Galleria crombrugheella (lapsus)
  • Galleria mellomella (lapsus)
  • Phalaena mellonella Linnaeus, 1758
  • Phalaena cereana Blom, 1764
  • Tinea cerella Fabricius, 1775 (unjustified emendation)
  • Vindana obliquella Walker, 1866

Sinonímia (e nomes de outro modo inválidos) do gênero Galleria' são:[7]

  • "Adeona" Rafinesque, 1815 (nomen nudum)
  • Cerioclepta Sodoffsky, 1837
  • Vindana Walker, 1866

Referências

  1. Grabe (1942)
  2. Harding, C. R.; Schroeder, G. N.; Collins, J. W.; Frankel, G. (2013). «Use of Galleria mellonella as a Model Organism to Study Legionella pneumophila Infection». Journal of Visualized Experiments (81): e50964. PMC 3923569Acessível livremente. PMID 24299965. doi:10.3791/50964 
  3. Hu, K; Webster, JM (2000). «Antibiotic production in relation to bacterial growth and nematode development in Photorhabdus--Heterorhabditis infected Galleria mellonella larvae». FEMS microbiology letters. 189 (2): 219–23. PMID 10930742. doi:10.1111/j.1574-6968.2000.tb09234.x 
  4. Moir, H. M.; Jackson, J. C.; Windmill, J. F. C. (2013). «Extremely high frequency sensitivity in a 'simple' ear». Biology Letters. 9 (4). 20130241 páginas. PMC 3730633Acessível livremente. PMID 23658005. doi:10.1098/rsbl.2013.0241 
  5. Bombelli, Paolo; Howe, Christopher J.; Bertocchini, Federica (24 de abril de 2017). «Polyethylene bio-degradation by caterpillars of the wax moth Galleria mellonella». Current Biology (em inglês). 27 (8): R292-R293. ISSN 0960-9822. doi:10.1016/j.cub.2017.02.060. Consultado em 25 de abril de 2017 
  6. «Cientistas descobrem lagarta que come sacos de plástico». Sapo24. 24 de abril de 2017. Consultado em 25 de abril de 2017 
  7. a b See references in Savela (2009)
  • Grabe, Albert (1942). Eigenartige Geschmacksrichtungen bei Kleinschmetterlingsraupen ["Strange tastes among micromoth caterpillars"]. Zeitschrift des Wiener Entomologen-Vereins 27: 105-109 [in German]. PDF fulltext
  • Savela, Markku (2009). Markku Savela's Lepidoptera and some other life forms – Galleria mellonella. Version of 2009-APR-07. Retrieved 2010-APR-11.
  • Galleria mellonella - de Jong, Y.S.D.M. (ed.) (2013) Fauna Europaea version 2.6. Web Service available online at http://www.faunaeur.org (consultado em 2 de janeiro de 2014).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre lepidópteros, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.