Gallery Fake

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gallery Fake
ギャラリーフェイク
(Galeria Falsa)
Gênero Histórico, comédia, drama
Anime
Gallery Fake
Direção Akira Nishimori, Osamu Yamazaki
Estúdio TMS
Emissoras de televisão Japão TV Tokyo
Brasil Animax
Exibição original 8 de janeiro de 200524 de agosto de 2005
Episódios 37
Wikipe-tan face.svg Portal Animangá

Gallery Fake (ギャラリーフェイク, Gyararī Feiku?, literalmente, "Galeria Falsa") é uma série mangá para o público masculino adulto (seinen) do reconhecido autor Fujihiko Hosono.

O mangá foi publicado de 1992 a 2005 na revista Big Comic Spirits. Também em 2005, estreou na TV Tokyo a série anime adaptada do mangá, totalizando 37 episódios produzidos pela TMS (Detective Conan, D. Gray-man) e Tokyo Kids (Magikano, Toward the Terra). O anime estava previsto para ser exibido pelo Animax Brasil, mas acabou não indo ao ar antes da descontinuação do canal[carece de fontes?].

Gallery Fake possui um grande prestígio entre a crítica especializada, a ponto de sua trama ser vista como superior à de Monster[carece de fontes?]. Em 1996, recebeu o Prêmio de Mangá Shogakukan.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Na Baía de Tóquio existe uma pequena galeria chamada Gallery Fake. O proprietário, Reiji Fujita, já foi o curador do Museu Metropolitano de Artes de Nova York. Ele aprendeu a ser um curador com memória singular, com senso de estética apurado, ótimo conhecimento de restauração de obras de arte e um notável poliglota. Com toda essa bagagem, Reiji Fujita começou a ser chamado de "Professor" entre seus conhecidos. Entretanto, devido a problemas em seu ambiente de trabalho, Fujita foi forçado a sair de seu emprego. Agora ele é um negociador com conexões ao mercado negro que vende obras de arte autênticas e falsificadas.

Seu lema é "uma pessoa sem sensibilidade artística acabará tendo seu dinheiro roubado e, sendo enganada, talvez um dia essa pessoa aprenda a distinguir o que é verdadeiro e o que é falso". Apesar disso, Fujita não é um vilão que quer apenas fazer fortuna vendendo falsificações. Ele realmente aprecia a arte e aqueles que investem seu tempo e sua vida criando-a. Muitas vezes Fujita usa seus métodos para trazer justiça a indivíduos desonestos; outras vezes ele se dedica a restaurar obras de arte danificadas. Fujita muitas vezes toca a vida das pessoas que encontra, e os outros são atraídos por ele apesar de sua reputação um tanto negativa.

Personagens principais[editar | editar código-fonte]

  • Reiji Fujita: Um negociante de arte e ex curador no Museu Metropolitano de Nova York (MET), forçado a deixar seu posto depois que ameaçou expor os negócios corruptos do colega Max Watson. Proprietário de uma galeria em Tóquio, a Gallery Fake. Com vasto conhecimento, Fujita é um artista, especialista em restauração de obras de arte e perito em belas artes e áreas relacionadas, muitas vezes capaz de identificar se uma obra é falsa ou genuína apenas observando-a.
  • Sara Halifa: Leal assistente de Fujita. Sara é membro da família real do país do Oriente Médio chamado Kerabia. Quando o país foi atacado durante uma guerra, seu lar foi destruído e sua família foi morta. Conheceu Fujita quando foi ao Japão recuperar sua pintura favorita que havia sido tomada dela. Sara tem uma personalidade um pouco infantil e muitas vezes tem ciúmes de Fujita.
  • Sayoko Mitamura: Diretora do Museu de Arte Takada. Mitamura primeiramente despreza Fujita, vendo-o como nada mais que um vigarista que só causa estragos no mundo da arte e promete expô-lo alguma hora. Depois percebe que sua ideia sobre ele está errada.

Lista de episódios[editar | editar código-fonte]

Título e tradução Data de exibição
1 贋作画廊の男 (Gansaku Garō no Otoko)
"O Homem da Galeria de Falsificações"
8 de janeiro de 2005
Fujita está em Nova York, em uma inspeção prévia de um leilão de obras de arte da Sotheby's, e interessa por uma peça "Palheiros" de Monet que vai ser leiloada. O condutor do leilão é o antigo colega de trabalho responsável pela sua demissão do MET, Max Watson. 15 anos atrás, a peça em questão foi reatribuída por Watson e vendida por um preço baixo para o negociante Bill Travers. Os dois estão dispostos a impedir que Fujita leve a pintura, enquanto Fujita consegue o apoio do participante de leilões Kain Aubrey, que aceita oferecer até 10 milhões de dólares por ela, o que é sabido por Travers e Watson. Fujita, porém, também planeja oferecer mais 20 milhões de dólares que conseguiu com uma "Saint-Maries" de Van Gogh, vendida a ele por dois mil dólares após fazer o negociante acreditar que era uma falsificação.
2 傷ついた『ひまわり』 (Kizutsuita "Himawari")
"'Os Girassóis' Feridos"
15 de janeiro de 2005
Um ano atrás, Sayoko Mitamura, ao se tornar diretora do Museu Takada de Tóquio, presenteou o museu com uma adição: uma peça "Os Girassóis" de Van Gogh que apresentava uma parte queimada, supostamente causada durante a Segunda Guerra Mundial. Sara, que conheceu Fujita no Museu Takada naquele dia, pede para Fujita conseguir a pintura para ela. Mitamura, não disposta a entregá-la, pede para Fujita remontar uma jarro de cerâmica Shigaraki de uma caixa de cacos como condição para aceitar o pedido, mas esse desafio era planejado para fazê-lo falhar. Fujita, porém, consegue reconstruir o jarro, mas Mitamura se recusa a entregar a pintura. Fujita finalmente revela que a pintura é na verdade uma falsificação, mas é muito valiosa para Sara, que quis resgatá-la quando perdeu sua casa e família. Mitamura acaba entregando a pintura para Sara, e, em troca, Fujita consegue uma pintura "Os Girassóis" genuína para o museu.
2 13人目のクーリエ (13 nin me no Kūrie)
"O 13º Courier"
22 de janeiro de 2005
A bordo de um avião de volta para o Japão, Fujita e Sara conhecem Moretti, que está a caminho da exposição de arte renascentista do museu Daito, acompanhado de seus doze couriers (curadores responsáveis pela conservação de obras de arte durante o transporte para exibições). Durante o voo, um grupo de ladrões tenta roubar as pinturas que estão sendo transportadas, mas acabam danificando o sistema de ar condicionado do depósito. Entre as obras presentes está "Madona" de Rafael, cuja tinta começa a se romper devido à queda de temperatura. Levando-a para uma cabine de temperatura controlada, Fujita restaura a pintura, impressionando a todos. Após resolver o problema, Fujita negocia com o líder do grupo, um conhecido chamado Carlos, mas o museu é forçado a pagar os criminosos para que os deixem levar as pinturas. Na exibição, os couriers demonstram seu respeito por Fujita.
4 美神法廷 (Myūzu Kōto)
"Corte da Musa"
29 de janeiro de 2005
Fujita é condenado, suspeito de vender uma pintura falsificada de Albrecht Dürer como verdadeira, e Mitamura é chamada como especialista para determinar a autenticidade da obra. Ela primeiramente acredita que seja falsa, mas, depois de receber um cartão de Fujita com uma figura da obra Shōrin-zu byōbu de Tōhaku Hasegawa, ela decide investigar mais e tira suas conclusões sobre a pintura, finalmente tomando-a como verdadeira.
5 消えた黄金仏 (Kieta Ōgonbutsu)
"O Buda Dourado Perdido"
5 de fevereiro de 2005
Fujita recebe a visita de Morihito Chinen, um inspetor de bens culturais que veio perguntar-lhe sobre o roubo de um bodisatva de madeira de um templo budista em Nara. Chinen também menciona um Buda dourado que existiria no local. Fujita e Sara visitam o templo, onde encontram um Acala de madeira que está bastante desgastado. Depois de aceitar a oferta de Fujita para restaurar a escultura, o dono do templo se encontra com seu filho, Akihiko, um empresário que deseja vender a área para a indústria e destruir o templo por ressentimento ao pai. Fujita pesquisa alguns arquivos no templo sobre o Buda dourado, e Chinen também chega para procurá-lo.
6 翡翠の店 (Feitsui no Mise)
"A Loja de Fei Cui"
12 de fevereiro de 2005
Fei Cui substitui o diamante Hope por um falso enquanto está sendo transportado para o Museu Takada e ameaça estragar a reputação de Mitamura a não ser que Fujita lhe dê sua lista de contatos. Para sair da chantagem, Fujita planeja oferecer-lhe um Mystery Clock da Cartier, um tipo de relógio pelo qual Fei Cui é fanática, mas tem dificuldades em encontrá-lo.
7 レンブラント委員会の挑戦 (Renburanto iinkai no chousen)
"Desafio do Comitê Rembrandt"
19 de fevereiro de 2005
Um membro do Rembrandt Research Project (RRP) da Holanda, Dr. Lastman, vem a Tóquio e, visitando o Museu Takada, alega que uma obra de Rembrandt exposta ali é uma falsificação, chocando os diretores. Enquanto Fujita e Sara visitam o pequeno museu regional Tokiwa, Lastman e Mitamura chegam para avaliar outra obra de Rembrandt no local. Da mesma forma, Lastman a julga falsa, mas Fujita dá ao holandês sua própria análise, e Lastman acaba concordando que a obra é genuína.
8 父の値段 (Chichi no Nedan)
"O Preço do Pai"
26 de fevereiro de 2005
A estudante Tomomi Aonuma tem vergonha do seu pai "sem-graça", um motorista de ônibus fanático por relógios de pulso. Ao mesmo tempo, ela admira Fujita, que ela vê diariamente no metrô, e sonha em tê-lo como pai. Um dia, ela decide segui-lo e, durante uma exposição de relógios na Gallery Fake, ela se surpreende ao saber que o pai é amigo de Fujita e que os dois compartilham o gosto por relógios.
9 黄金郷への誘い (Eru Dorādo e no Sasoi)
"Convite para El Dorado"
5 de março de 2005
Ramos, um caçador de tesouros e amigo de Fujita, pede sua ajuda para uma exploração na Amazônia a fim de encontrar El Dorado, com base uma foto encontrada nos pertences de seu falecido colega Pedro. Eles são acompanhados do Professor Yoshioka e uma equipe de gravação, e acampam em uma pequena vila. Uma noite, seguindo o ancião da vila, descobrem a entrada mostrada na foto de Pedro. A entrada leva para uma cidade maia no subterrâneo, e Fujita, Ramos, Sara e Yoshioka são levados para a cidade subterrânea e são capturados pelos moradores. Estes contam que realizam um sacrifício anual para seu deus, e, como Pedro, designado para ser sacrifício daquele ano, fugiu, levam Sara em seu lugar para ser sacrificada.
10 幸福の王子 (Kōfuku no Ōji)
"O Príncipe Feliz"
12 de março de 2005
Ao roubar uma esmeralda, Fei Cui conhece Hiroto, um jovem artista que pinta cenas da história "O Príncipe Feliz". Ao convidá-lo para morar com ela, ela lhe mostra que decorou a loja com suas ilustrações. Fei Cui também começa a perder a visão, o que a preocupa muito. Hiroto chega ao apartamento com sua última pintura e conforta Fei Cui, e os dois passam a noite juntos. No dia seguinte, Fei Cui percebe que o rapaz foi embora e levou a esmeralda. Sua visão, então, volta ao normal.
11 戦場の消えゆ (Senjō no Kieyu)
"Desaparecimento no Campo de Batalha"
19 de março de 2005
Fujita e Sara viajam ao Vietnã, onde Fujita compra uma câmera Leica M3 de 1965 que pertenceu ao fotógrafo de guerra ganhador do Prémio Pulitzer Kyōsuke Kawaguchi, que supostamente morreu na Guerra do Vietnã. Através do homem que lhe vendeu a câmera, ele consegue encontrar Kawaguchi, que na verdade está vivendo em uma pequena vila, casado com uma mulher vietnamita. Embora primeiramente tente negar sua identidade, ele logo conta que não pôde mais suportar os horrores do campo de batalha e decidiu parar de fotografar.
12 生きているオフィーリア (Ikiteiru Ofīria)
"Ofélia Viva"
26 de março de 2005
Sara vai para seu país de origem, Kerabia, para renovar seu visto. Enquanto Fujita a espera voltar no voo de Mumbai para o Japão no aeroporto, uma notícia relata que o avião explodiu e caiu no oceano. Ali, membro da Embaixada da Kerabia, confirma para Fujita que Sara estava na lista de passageiros. Uma semana se passa sem notícias de Sara, e Mitamura, sabendo do ocorrido, vai visitar Fujita, e o encontra em péssimo estado. Fujita decide substituir Sara em um evento de caridade em que Sara participaria, doando a peça "Ofélia" de Everett Millais. Mitamura primeiramente despreza o que Fujita fez, mas depois entende seus motivos para doar aquela obra. Dias depois, Sara repentinamente volta, contando que teve que sair do avião porque esqueceu algo que Fujita lhe pediu e acabou perdendo o voo.
13 監獄のミケランジェロ (Kangoku no Mikeranjero)
"O Michelangelo Encarcerado"
2 de abril de 2005
Fujita visita uma velha prisão que está para ser demolida para observar um afresco pintado no teto e relembra quando estava ajudando o prisioneiro Tappei Shimoda a produzi-lo. Naquele tempo, Shimoda, que havia estudado na Itália e era conhecido como "Tatsu, o Michelangelo", o ensinou o processo de produção de um afresco, enquanto Fujita era encarregado de remover o gesso e preparar a superfície, um trabalho esgotante durante o verão quente. Shimoda passou a adoecer, mas continuou determinado a realizar o projeto. No presente, Mitamura aparece no prédio, com a intenção de impedir a demolição e preservar a obra. Fujita, porém, é o dono da obra após a morte de Shimoda, e, seguindo a vontade do artista, permite a demolição.
14 パサージュを抜けて (Pasāju o Nukete)
"Atravessando a Passagem"
9 de abril de 2005
Enquanto Fujita está em Paris à procura de obras de arte, encontra uma loja de bonecas artesanais e conversa com a proprietária, Rouge. A Gallery Fake recebe algumas pinturas. Sara encontra uma carta atrás de uma delas e viaja para Paris, de onde a carta veio. Lá, as investigações de Sara convergem com os negócios de Fujita. Os dois descobrem que a carta foi escrita há 20 anos por um homem conhecido como "Clown", e decidem procurar a remetente, uma mulher com quem ele se encontrava em um bar, e entregar-lhe a carta.
15 二重奏 (Futaezo)
"Dueto"
16 de abril de 2005
O negociante de arte Dalem se prepara para leiloar a pintura "O Concerto" de Vermeer, danificada, roubada há 15 anos do Isabella Stewart Gardner Museum. O inspetor da Scotland Yard Roger Warner se disfarça como o coletor de arte Sr. Peters para capturar Dalem, enquanto Fujita e Mitamura (fingindo ser sua secretária) estão em Londres para recuperar a pintura. Fujita negocia com Peters para que colaborem no leilão. Dalem, porém, está ciente de que Peters é da Scotland Yard e tenta matá-lo, mas Fujita finge matar Dalem para que seu chefe, Leone, lhes entregue a pintura. Fujita consegue a obra de 100 milhões de dólares de Warners por 6 milhões, para restaurá-la e doá-la a um museu.
16 楊貴妃の香 (Yang-Guifei no Kaori)
"A Fragrância de Yang-Guifei"
23 de abril de 2005
Fujita pede para Sara ir cobrar uma dívida que a atriz Masako Akiyoshi, que estrelará como Yang-Guifei no teatro, lhe deve. Akiyoshi visita o perfumista Jean-Paul Kōmoto para conseguir pílulas e incenso de fragrância para suas roupas, pois é dito que Yang-Guifei emitia um incrível aroma de seu corpo. Sara é descoberta ouvindo a conversa, e Kōmoto lhe pede para usar sua fragrância. Tentando escapar da dívida, Akiyoshi tenta vender um valioso incensário que roubou de Kōmoto a Fujita, mas ele recusa. Kōmoto descobre o roubo e recupera o incensário. Porém, mais tarde, quando ele droga Sara para se aproveitar dela, o cheiro do wasabi posto lá por Fujita o faz passar mal, salvando Sara. Akiyoshi decide se inspirar no aroma de Sara para seu papel.
17 からくりの奇譚 (Karakuri no Kitan)
"A Misteriosa História do Boneco Mecânico"
30 de abril de 2005
Durante uma visita à sua vila natal, Fujita participa de uma amostra da "Associação de Avaliação de Tesouros" na prefeitura, onde se interessa por um karakuri (espécie de boneco mecânico) caranguejo metálico servidor de sake do Período Edo no valor de 5 milhões de ienes. Mesmo que o antigo dono tenha lhe avisado sobre o objeto ser amaldiçoado, Fujita não acredita na superstição. Porém, nos próximos dias, ele começa a ouvir sons de sinos durante a noite e sonha que um karakuri está pedindo seu coração de volta. Depois de dias sem dormir, Fujita adoece cada vez mais e é levado ao hospital e pede para Sara investigar o caranguejo. Sara e Mitamura vão à vila e voltam com outro karakuri, igual ao que Fujita viu nos sonhos. Elas contam para Fujita que sua peça central foi removida para ser usada no caranguejo.
18 地図は導く (Chizu wa Michibiku)
"O Mapa Leva"
7 de maio de 2005
Fujita reencontra Ramos nos Estados Unidos. Enquanto isso, o dono de uma loja de mapas antigos está animado com uma compra, pedaços de um mapa muito valioso, no qual gastou todo o seu dinheiro. Sua filha, Marian, não aprova que o pai se recuse a vender os mapas genuínos expostos na loja e venda apenas reproduções. Ela também demonstra lembrar de Ramos, seu antigo namorado, o que deixa o pai furioso. Ele acaba passando mal repentinamente e é levado ao hospital. Enquanto o dono está hospitalizado, Ramos retorna e passa a trabalhar na loja, tornando-a um sucesso. Porém, quando ele encontra o mapa que o dono comprou, acredita ser um mapa de tesouro e pede a ajuda de Fujita para remontá-lo. Marian se preocupa que a descoberta faça Ramos ir embora novamente. Enquanto Fujita restaura o mapa, ele e Ramos descobrem que é na verdade parte de um antigo planetário de Arquimedes, um tesouro por si só. Mesmo assim, Ramos não consegue deixar a vida de caçador de tesouros e parte. Ele e Fujita apresentam o planetário para o pai de Marian, que parece se recuperar ao vê-lo.
19 知念、危険一発! (Chinen, Kiken Ippatsu!)
"O Feito Arriscado de Chinen!"
14 de maio de 2005
Depois que Chinen acidentalmente quebra um dedo de um bodisatva no templo Tengakuji na prefeitura de Iwate, ele desesperadamente pede a ajuda de Fujita para consertá-la antes que seja descoberto. Porém, a tarefa se complica quando a escultura é posta para ser transportada de caminhão para Quioto para uma exposição.
20 山水の星 (Sansui no Hoshi)
"Estrela na Paisagem"
21 de maio de 2005
Jun Sekine, astronauta, está em um ônibus espacial prestes a ser lançado, quando lembra o tempo em que ele e Fujita estudaram arte juntos na faculdade. Mesmo que ele fosse hábil em pintura em aquarela e tivesse que cuidar da loja de arte da família, seu desejo era ser um astrônomo, então pediu para que Fujita o financiasse e, em troca, prometeu que faria uma pintura para ele. Enquanto isso, Fujita está servindo como guia para Basso, um diretor de cinema estrangeiro, em Quioto, que veio ao Japão procurar inspiração para seu próximo filme. Quando Basso demonstra não se impressionar com coisa alguma, Fujita o leva para mostrar-lhe uma grande pintura pelo artista de aquarela Shinsou, do período Muromachi. No espaço, Sekine usa café diluido em água para criar uma pintura wabi-sabi única para Fujita, representando a vista do espaço.
21 千手堂の男 (Senjudō no Otoko)
"O Homem de Senjudō"
28 de maio de 2005
Sara compra um relógio de um jovem na rua por 3 milhões de ienes. Ao ver o relógio, Fujita a faz levá-lo para a loja, chamada Senjudō ("Templo das Mil Mãos"). Lá, o jovem relojoeiro, Hakaru, conta que suas vendas estão baixas e a loja está falindo. Fujita propõe que ele produza uma cópia do relógio de bolso Marie-Antoinette, criado por Abraham Louis Breguet em 1782, usando alguns desenhos originais do projeto que Fujita possui. Os desenhos, porém, não mostram o projeto completo, e Hakaru terá de criar seu próprio design do mecanismo perdido. Caso ele consiga, Fujita lhe pagará 100 milhões de ienes. Mesmo com dificuldades, Hakaru tem sucesso, criando uma versão exclusiva do Marie-Antoinette.
22 エルミタージュの女帝 (Erumitāju no Jotei)
"A Imperatriz do Hermitage"
11 de junho de 2005
Ekaterina Kalchnikova, chamada de "Imperatriz do Hermitage", vai ao Japão para promover um projeto de colaboração entre o Hermitage e a cidade de Kamae, antigamente uma grande produtora de aço, mas que está em declínio. O prefeito de Kamae e Kalchnikova planejam fazer do museu da cidade um anexo do Hermitage, e o prefeito aponta o Professor Maruyama para ser o chefe do anexo, mas Kalchnikova insiste que Fujita—que trabalhou com ela antes de ir para o MET—deveria ser o diretor. Para tomarem uma decisão, organizam um teste no qual os dois candidatos devem restaurar uma cópia da "Virgem Benois". Fujita se sai melhor que Maruyama, mas recusa a posição de diretor e, em vez disso, negocia com Kalchnikova para que a "Virgem Benois", pintura preferida da imperatriz, seja exposta por um mês todos os anos no Japão.
23 レディー・サラ~前編~ (Redī Sara ~Zenpen~)
"Lady Sara: Primeira Parte"
18 de junho de 2005
Fujita e Sara vão passar alguns dias na mansão de Sara em Londres para escapar do calor do verão no Japão. Na cidade, encontram Charlie, velho amigo de Fujita que trabalha na Sotheby's. Charlie conta que ele vai conduzir um leilão da propriedade de uma famosa atriz, Jane Houston, e os convida para ir. Durante o leilão, Charlie pede para Sara servir de modelo para as roupas e joias da atriz. Mais tarde, os dois passam tempo juntos, e Charlie leva sara para conhecer Mary, quem ele considera uma mãe, no Jardim Botânico Real Kew, e depois pede Sara em casamento. Enquanto isso, Fujita recebe uma oferta de Harry Donaldson para comprar uma página de um herbário de Charles Darwin.
24 レディー・サラ~後編~ (Redī Sara ~Kōhen~)
"Lady Sara: Segunda Parte"
25 de junho de 2005
Sara pensa sobre o pedido de Charlie. Fujita investiga as páginas do herbário e as mostra a Charlie, que as reconhece do laboratório onde Mary trabalha. Ao ir a um cassino aquela noite, encontram Mary e Donaldson, e Mary, que sofre de jogo patológico, admite ter roubado as páginas e tê-las vendido para apostar. Charlie conta que Sara desapareceu após ele fazer o pedido e ofere ajuda a Fujita para procurá-la se ele ajudá-lo a recuperar as páginas do herbário que restam. Fujita encontra o homem que comprou as páginas, um vidente chamado Sanders, mas ele diz que venderá as páginas por 100 vezes o preço que pagou. Além disso, ele diz a Fujita que ele está para perder algo muito importante para ele e lhe dá algumas pistas. Fujita percebe que Sanders estava falando sobre Sara e vai procurá-la. Ele a encontra na Galeria Tate em frente a uma pintura de William Turner e, após dizer que Sara é importante para ele, eles voltam ao Japão juntos.
25 雨やどり (Ame Yadori)
"Abrigo da Chuva"
2 de julho de 2005
Fujita entra em um bar para escapar da chuva, enquanto dois policiais secretamente observam o bar, esperando a hora de entrar. No bar, onde estavam presentes somente o barman e uma cliente silenciosa, Fujita percebe uma réplica d'"A Cadeira de Van Gogh com Cachimbo" na parede, que, curiosamente, apresenta um cachimbo diferente daquele da obra original. Como a pintura está manchada de poeira e fumaça acumulada por anos, Fujita se oferece para limpá-la. A outra cliente lhes conta a história por trás daquela pintura, feita por seu pai.
26 ジョコンダの末裔~前編~ (Jokonda no Matsuei ~Zenpen~)
"Descendente de Giocondo: Primeira Parte"
9 de julho de 2005
Uma jovem garota, Elizabeth, aparece na Gallery Fake e alega ser filha de Fujita. Sem ter certeza, ele a leva para seu apartamento, mas a garota acaba sendo raptada por um grupo desconhecido. Usando uma chave que Elizabeth carregava, ele descobre um diário de Antonio de Beatis deixado por ela em um armário de ferroviária. Ele e Sara vão a Florença para encontrar o político d'Avalos, um colecionador de cópias da "Mona Lisa" de Leonardo da Vinci que diz ser descendente de Constanza d'Avalos, a mulher na pintura. A descendência também o beneficia como político. Fujita pede a ajuda de Carlos. O diário diz que a mulher representada na obra é na verdade Lisa Gherardini, esposa de Francesco del Giocondo. Os dois são ancestrais da mãe de Elizabeth, Flora del Giocondo. Enquanto isso, d'Avalos mantém Elizabeth em uma torre de sua propriedade.
27 ジョコンダの末裔~後編~ (Jokonda no Matsuei ~Kōhen~)
"Descendente de Giocondo: Segunda Parte"
16 de julho de 2005
Fujita convence Carlos a ajudá-lo a resgatar Elizabeth usando a possibilidade de existir uma segunda "Mona Lisa". Eles tentam resgatá-la em um balão de ar quente, mas o plano falha e Fujita leva um tiro no braço. D'Avalos anuncia uma exposição que contará, entre outras obras, com a "Mulher com Pérola" de Jean-Baptiste Camille Corot, alugada por Fujita. Fujita oferece o diário de Antonio de Beatis em troca de Elizabeth, mas d'Avalos se prepara para matar os dois durante a troca, que acontece em um barco. Porém, Fujita e Carlos já haviam preparado um plano, e os dois escapam quando Carlos aciona explosivos que escondeu na "Mulher com Pérola" falsificada.
28 顔のない自画像 (Kao no Nai Jikazō)
"Auto-Retrato sem Rosto"
23 de julho de 2005
Um grupo de especialistas avalia 17 obras de Yūzō Saeki, e quase todos concordam que são genuínas, exceto um deles, Jimi. O Conselho da Cidade de Tenryō prepara uma exposição das obras para o museu da cidade. Fujita descobre que Jimi tem sido criticado por sua avaliação a ponto de ter que renunciar seu posto. Apesar de a avaliação de todos os outros, incluindo a de Gentarō Funamura, um dos maiores nomes do mundo da arte no Japão, haverem sido aceitas, ainda há preocupações em relação à autenticidade das obras e, durante um debate sobre o assunto, Funamura sofre um colapso é hospitalizado. Durante o debate, é afirmado que um conselho que avaliou as obras anteriormente as classificou como falsificações, mas não há documentos sobre a avaliação. Fujita explica a Sara que não enviar documentos de avaliação com obras é uma tática usada na indústria para passar falsificações sem desvalorizá-las, para que possam ser vendidas como obras genuínas. Ao perderem a liderança de Funamura, os outros especialistas pedem a ajuda de Fujita para se certificarem de que as obras são falsificadas, mas Fujita se recusa a ajudá-los, sugerindo que procurem Jimi em seu lugar. Ao visitar Funamura no hospital, Fujita lhe diz que percebeu que sua visão estava prejudicada, e que os outros especialistas, exceto Jimi, só seguiram o que ele disse em vez de darem seu próprio parecer. Fujita e Funamura lembram-se da história de Saeki, que, após ir morar em Paris, foi duramente criticado por Maurice de Vlaminck por seguir o que outros artistas faziam em vez de fazer seu trabalho original. Mais tarde, Jimi é chamado por Funamura para ser seu sucessor.
29 古裂の華 (Kogire no Hana)
"O Esplendor do Kogire"
30 de julho de 2005
O pai de Haruyakko, fundador de empresa de alta-costura Kikushima, morre. Haruyakko discute com o irmão, Aiko, sobre o design das roupas terem se tornado previsíveis, e por isso a empresa está em declínio. Aiko, infeliz com a opinião do irmão, o transfere para o serviço de entregas. Enquanto Haruyakko ajuda sua avó com suas roupas para alguns dias de viagem, ele descobre sua coleção de kogire com designs de Tsutsugaki do período Edo, o que o dá inspiração. Mais tarde, a avó se muda para um asilo e Fujita compra seus kogire, mas também ajuda Haruyakko a fazer seu primeiro show de moda na Gallery Fake, com a condição de que receba algumas das peças depois.
30 サバイバル・イン・サハラ (Sabaibaru in Sahara)
"Sobrevivência no Saara"
6 de agosto de 2005
Um cliente pede a Fujita uma pintura rupestre para usá-la na decoração de seu restaurante. Acompanhado de Ramos, Fujita vai para o Deserto do Saara, mas descobre que o guia tauregue que conhecia, Iksa, foi assassinado. A víuva e o tio de Iksa, Assarama e Muhammad, concordam em ser seus guias. Porém, a caminho do Tassili n'Ajjer, Assarama e Muhammad apontam armas para Fujita e Ramos, enquanto Assarama acusa Fujita de não ter depositado metade do pagamento pela expedição anterior na conta de Iksa, o que resultou em seu assassinato por não poder pagar uma dívida depois. Fujita nega que tenha feito isso, mas ele e Ramos são deixados sozinhos para morrer no deserto. Algum tempo depois, Muhammad volta e oferece salvá-los em troca de pagamento. Assarama checa a conta em outro banco e descobre que o dinheiro foi de fato depositado, mas em uma conta falsa criada por Muhammad para roubá-lo. Ela volta para ajudar Fujita e Ramos. Os três acabam deixando Muhammad sozinho no deserto e sem gasolina para voltar.
31 孤高の青 (Kokō no Ao)
"Azul Solitário"
13 de agosto de 2005
Na Gallery Fake, um representante da empresa de joias Kanto, Tomioka, passa um tempo observando uma obra feita com o pigmento de azurita. Depois, ele conta a Fujita que sua empresa fornece azurita para o famoso artista Nanzan Sakakibara, mas essa empresa não está mais sendo capaz de encontrar o mineral no Japão, então pede a ajuda de Fujita. Fujita primeiramente se recusa, mas depois aceita com a condição de que possa enviar uma pintura para fazer parte da exibição Coleção Azul que está para acontecer. Ele e Sara visitam o estúdio de Sakakibara e presenciam seu comportamento rude para com os aprendizes. Sakakibara conhece Tōko Fujita, o falecido pai de Fujita que pintou a obra vista na Gallery Fake. Fujita e Sara vão às montanhas onde Tōko pegava azurita e, durante a coleta, Fujita conta a Sara que vários artistas, incluindo Sakakibara, faziam falsificações para sobreviver, mas somente seu pai foi exposto e excluído do círculo de artistas. Durante a exibição, a última pintura de Tōko Fujita, terminada recentemente, está exposta.
32 アンティーク・オルゴールで子守唄を (Antīku Orugōru de Komori Uta o)
"Tocar uma Canção de Ninar em uma Caixa de Música Antiga"
20 de agosto de 2005
Fujita mostra a Sara uma caixa de música rara. Mais tarde, o CEO da InterWorld, Takuto Endō, é morto quando uma caixa de música entregue a ele explode depois que ele a abre. Fujita é levado pela polícia, pois suas impressões digitais foram encontradas nos pedaços do dispositivo. Enquanto isso, Sara encontra Takuya Gotō, que comprou uma caixa de música na Gallery Fake antes. Takuya diz que a caixa quebrou, e Sara o leva à Senjudō. Depois da caixa ser consertada, Takuya leva Sara para ver sua coleção de caixas de música, mas ele a rapta e deseja matar a ela e a si mesmo explodindo a caixa que comprou. Foi ele quem mandou a caixa explosiva para Endō como vingança por ele não se importar com sua mãe. A polícia e Fujita chegam a tempo no local e Fujita joga a caixa para fora da janela antes de ela explodir.
33 残暑絵金見舞 (Zansho Ekin Mimai)
"Visita a Ekin no Calor de Fim de Verão"
27 de agosto de 2005
Fujita dá uma carona de caminhão para um homem chamado Yano enquanto está indo à cidade de Akaoka, que tem o festival Ekin em julho, quando pinturas de Hirose Kinzō são expostas. Ao parar em um restaurante, Fujita suspeita que estejam sendo vigiados por dois yakuza. Estes seguem Fujita, mas Yano escapa permanecendo no restaurante. Os yakuza visitam Kayo, ex-namorada de Yano, procurando o rapaz, quem eles dizem ter matado seu chefe. Fujita chega na cidade de Kayo, Utsukosaki, e leva uma pintura do Ekin para o templo Yafune para uma exposição. Yano reencontra Kayo, e ela insiste que ele cumpra a promessa de levá-la ao festival Ekin. Lá, porém, enquanto Kayo vai comprar cervejas, Yano é encontrado pelos yakuza, que lhe apunhalam as costas fatalmente.
34 神々の宝石 (Kamigami no Houseki)
"Joia dos Deuses"
3 de setembro de 2005
Com o prazo de pagamento de uma conta de 300 milhões de ienes quase acabando, Fujita é contratado por um brâmane para encontrar um murti de um deus hindu, um trabalho cujo pagamento é mais que o suficiente para quitar a dívida. Ele vai a um leilão da Christie's em Londres para conseguir um murti de Shiva, mas Fei Cui está lá e também deseja o murti, em um olho do qual ela planeja colocar o diamante Orloff que roubou. Fujita leva o murti à Índia, mas Fei Cui vai atrás dele e o rouba, pois há outro diamante no outro olho da escultura. Com a ajuda de um amigo, ele recupera o murti, mas, sofrendo de fadiga, Fujita acaba batendo o carro. Fei Cui o leva para uma vila Harijan (pessoas que não pertencem a alguma casta) para se recuperar, e leva o murti para o templo, já que os Harijan não podem entrar no local. Mais tarde, Fei Cui volta ao templo e rouba o diamante que ainda está no murti.
35 修復するは我に有り (Shūfuku Suru wa Ware ni Ari)
"A Restauração é por Minha Conta"
10 de setembro de 2005
Luna Tsujido está treinando para ser uma restauradora na Gallery Fake, com Fujita como seu instrutor. Enquanto procuram resolver um problema de "câncer artístico" (referindo-se à formação de cristais brancos em uma pintura), Fujita descobre que Luna é filha de Nayoki Tsujido, um famoso restaurador que faleceu há pouco tempo. Luna diz que o pai apreciava as habilidades de Fujita, mas acreditava que estavam sendo desperdiçadas. Apesar de Fujita ser um instrutor muito exigente, ela continua estudando e, após um tempo, ela começa a ter mais respeito por ele. Ela aprende a consertar "câncer artístico" e usa a técnica para restaurar uma pintura de Delacroix que pertenceu ao seu pai para pagar as dívidas da família. Então, ela deixa Fujita e começa a trabalhar em um centro de pesquisa de belas artes. Porém, quando tenta vender a obra de Delacroix, não há muitos interessados, e Fujita a compra por um preço mais baixo que o pedido, chamando o desconto de "pagamento pelas aulas".
36 ハワイの万華鏡 (Hawai no Mangekyou)
"Caleidoscópio Havaiano"
17 de setembro de 2005
Fujita e Sara vão ao Havaí, onde encontram o pintor e amigo de Fujita Stanley Capone. Mitamura também está lá. No dia seguinte, enquanto os outros vão jogar golfe, Sara sai sozinha e compra um caleidoscópio em um mercado. Fujita acredita que seja um caleidoscópio de Brewster, mas Sara, com ciúmes da proximidade de Fujita e Mitamura, não os deixa ver. Depois, durante um passeio de cruzeiro para observação de baleias, Sara acaba deixando o caleidoscópio cair no mar e fica decepcionada. Fujita, então, decide levá-la para um observatório em Mauna Kea para ver o céu noturno.
37 メトロポリタンの一夜 (Metoroporitan no Ichiya)
"Uma Noite no Metropolitano"
24 de setembro de 2005
No Museu Metropolitano de Nova York, está acontecendo uma festa para os patrocinadores da exposição de Francisco de Goya. Lá, Fujita visita seu velho colega Parker para entregar-lhe uma cola para restauração de pinturas japonesas. Em troca, Fujita pede para que possa observar a seção de pinturas europeias. Enquanto isso, o diretor encontra um convidado, empresário e potencial patrocinador, Sr. Richardson, que se sente deslocado por não compreender o mundo da arte. Richardson sai da multidão e logo decide ir embora, mas acaba se perdendo no museu. Fujita acaba encontrando Richardson observando uma obra de Rubens, sobre quem seu filho estudava. Ele pede para que Fujita lhe mostre o museu, e Fujita lhe mostra os diversos setores e lhe apresenta vários empregados, trabalhando para manter o museu funcionando. Após o tour, Richardson conta que seu filho, um estudante de arte, morreu em um acidente recentemente, e que, como ele agora está sem um herdeiro, empresas e indivíduos estão se aproveitando disso para tentar conseguir seu dinheiro. Também conta que, mesmo que não entenda a paixão de algumas pessoas pela arte, ele admira os artistas que se dedicam a criá-la e pessoas como os funcionários do museu, dedicados a mantê-las. Fujita depois descobre que Richardson doou 3 milhões de dólares para o MET, dizendo que está feliz em contribuir para apoiar pessoas que compartilham a paixão de seu filho.

Referências[editar | editar código-fonte]