Gangsta rap

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Gangsta Rap
Tupac Shakur3.jpg
Tupac Shakur, um dos maiores rappers do género
Origens estilísticas Hip Hop
Rap
Contexto cultural Estados Unidos
Instrumentos típicos Vocais, teclado electrónico
Popularidade Estilo musical originário desde os anos 1980.
Subgêneros
G-Funk

Gangsta Rap é um termo criado pela mídia para descrever um certo género do Rap, que tem por característica a descrição do dia-a-dia violento dos jovens de algumas cidades.

História[editar | editar código-fonte]

O gangsta rap desenvolveu-se no início dos anos 80 na costa oeste dos Estados Unidos, em guetos da cidade de Los Angeles, em Compton, Watts, Crenshaw e Inglewood e ainda na Bay Area, em Oakland.

A palavra gangsta é um dereivativo de gangster, soletrando-a na pronúncia do Inglês vernáculo afro-americano. Os estadunidenses chamam este tipo de grafia de Eye dialect.[1] O gênero desenvolveu-se durante os anos 80. Um dos pioneiros do Gangsta Rap foi o rapper Ice-T com seus singles "Cold Wind Madness/The Coldest Rap" e "Body Rock/Killers", de 1983 e 1985, respectivamente. O Gangsta Rap foi popularizado por grupos como os N.W.A no final dos anos 80. As suas letras são violentas e normalmente tendem a criticar a sociedade e a mostrar ao mundo a injustiça desta, e a partir dessa crítica, abrir os olhos de quem não está nem aí para a dura realidade das ruas, mesmo que isso atinja diretamente o ouvinte. Geralmente, os autores têm problemas com a lei, alguns inclusive tem ou já estiveram envolvimento com gangues. MC's como Ice-T, Eazy-E, Tupac Shakur(Que só passou a ter problemas com a lei quando lançou o seu primeiro álbum,que continha letras contra a brutalidade da polícia) Snoop Dogg, X-Raided e entre outros, já passaram pelos tribunais por atividades relacionadas com o tráfico em geral, de armas, assassinatos, etc. O Gangsta Rap também é conhecido pelas acusações, de promover crimes como assassinato, tráfico de drogas, além da promoção da promiscuidade, vandalismo, machismo e desrespeito às autoridades.

Um dos mais ferrenhos críticos do Gangsta Rap é o diretor cinematográfico Spike Lee, que acusou o estilo de incentivar a ignorância dos afro-americanos. Os gangsta rappers, por sua vez, defendem-se das acusações alegando que suas letras não falam de nada além da realidade vivida nas periferias e procuram, através das mesmas, chamar a atenção das autoridades. É a vertente mais extrema do rap.

Em 1986 o Rapper Ice-T lançou "6 'N The Mornin'", considerada a primeira canção de Gangsta Rap. Em 1987 o grupo N.W.A. (composto por Eazy-E, Ice Cube, MC Ren, Dr. Dre e DJ Yella) lançou o seu primeiro álbum, "N.W.A. And The Posse", pela editora de Eazy-E, a Ruthless Records, mas o álbum acabou por não ter muito sucesso.

Mais tarde, em 1988, o álbum "Straight Outta Compton" também dos N.W.A. foi o primeiro da categoria a fazer grande sucesso, ajudou a divulgar o novo sub-gênero do Rap e a estabelecer a costa oeste como capital do hip-hop por algum tempo. O single de Gangsta Rap com maior controvérsia foi "Fuck Tha Police", deste mesmo álbum. A letra, que fala sobre a agressividade policial nos guetos americanos, resultou numa carta do FBI enviada ao grupo, aconselhando-o a amenizar o conteúdo de suas letras

Até ao final dos anos 80 o Gangsta Rap esteve presente mas não dominante no mundo do rap, para além de "Straight Outta Compton", os álbuns "Eazy-Duz-It" de 1988, de Eazy-E, "The Iceberg/Freedom Of Speech... Just Watch What You Say!" de 1989, de Ice-T e "Life Is... Too Short" de 1989, de Too $hort foram os únicos álbuns com verdadeiro destaque. Só a partir de 1990 com Ice Cube (que se separou dos N.W.A. em 1989), Compton's Most Wanted, King Tee, Above The Law e ainda com o novo álbum de Too $hort e com o novo EP dos N.W.A. é que veio o verdadeiro sucesso do Gangsta Rap, que a partir daí dominou completamente o mercado de rap dos Estados Unidos.

Mais tarde, em 1991, os N.W.A. acabaram por se separar depois de lançarem o seu novo álbum "Effil4Zaggin". Enquanto Eazy-E, MC Ren e DJ Yella ficaram na Ruthless Records, Dr. Dre fundou junto com Suge Knight, ex-segurança do grupo, a gravadora Death Row Records, que viria a ser a maior gravadora de Gangsta Rap da década de 90.

Em 1992, Dr. Dre, lançou seu primeiro álbum solo, "The Chronic", um dos mais vendidos da história do rap. Alguns dos singles de Dr. Dre são até hoje considerados como ícones dos anos 90, como "Nuthin' But A G' Thang". O álbum também contou com a participação do então novato no rap Snoop Dogg, na supra-citada faixa e em várias outras. Snoop Dogg, com a ajuda de Dr. Dre, lançou seu primeiro disco, "Doggystyle", em 1993, o qual bateu inúmeros recordes e recebeu diversos prêmios.

Depois dos sucessos de "The Chronic" e de "Doggystyle", a Death Row lançou duas soundtracks em 1994 para mostrar vários dos seus artistas como Lady Of Rage, Sam Sneed, Nate Dogg, Young Soldierz e entre outros. Já em 1995 foi a vez dos Tha Dogg Pound lançarem o seu álbum também multi-platinado "Dogg Food"

Em 1995, Tupac Shakur, rapper já com sucesso, integrou-se à gravadora e lançou em 1996 o multi-platinado "All Eyez On Me". Mais tarde nesse mesmo ano, e já depois da morte de Tupac Shakur, Snoop Dogg lança o seu segundo álbum "Tha Doggfather", uma semana depois do primeiro álbum póstumo de Tupac Shakur, o sucesso "The Don Killuminati: The 7 Day Theory" ser lançado. Apesar de ambos os álbuns terem sucesso, foi a partir do final de 1996 que a Death Row começou rapidamente a cair, não tendo jamais a mesma força no hip-hop como tinha tido até então, o que fez não só o Gangsta Rap ficar um pouco menos importante no mundo do hip-hop, como também fez todo o rap da costa oeste cair rapidamente consigo, dando lugar a cidades como Atlanta, Nova Iorque e Nova Orleães como principal foco no mundo do hip-hop.

Entre 1993 e 1995 houve, no outro lado dos Estados Unidos, a renascença do rap da costa leste, que utilizava igualmente o Gangsta Rap. Os álbuns "Enter The Wu-Tang (36 Chambers)" de 1993, dos Wu-Tang Clan, "Illmatic" de 1994, de Nas e "Ready To Die" de 1994, de The Notorious B.I.G. foram os álbuns que mais se destacaram, mas "The Infamous" de 1995, dos Mobb Deep, "Do Or Die" de 1995, de AZ, "Lifestyle Ov Da Poor And Dangerous" de 1995, de Big L, "Enta Da Stage" de 1993, dos Black Moon e entre outros (todos eles de Gangsta Rap) não podem ser ignorados.

O Gangsta Rap dos anos 90 foi marcado ainda por MC Eith, Warren G, Junior M.A.F.I.A., Spice 1, Coolio, Scarface, DMX, Eazy-E, Ice-T, DJ Quik, Fat Joe, Ice Cube, E-40, Nate Dogg, Jay-Z, MC Ren, Too $hort, Master P, Jeru The Damaja, Bone Thugs-N-Harmony, Mac Dre, Above The Law, Cypress Hill, Big Pun, Mack 10, Gang Starr e entre outros.

Desde a saída dos principais nomes da Death Row, em meados da década de 90, o Gangsta Rap deixou de viver seus grandes dias e perdeu espaço na mídia, dando vez ao Pop Pimpin Rapi e o Rap Bling-Bling interpretado por artistas como Nelly e Mase, que preferem dar atenção a problemas pessoais, como dinheiro, mulheres, carros e drogas, do que a problemas sociais, que envolvem toda a comunidade periférica.

Especialmente no início da década de 2000 o Gangsta Rap tinha ainda algum espaço dentro do mainstream, graças a rappers como Young Jeezy, Jay-Z, T.I, Cam'ron, DMX e especialmente a 50 Cent, ao seu grupo G-Unit e ainda graças ao ex-membro desse mesmo grupo, o rapper The Game, mas na segunda metade da década o Gangsta Rap esteve na sua pior fase de sempre, com quase nenhuma popularidade no mainstream.

Atualmente[editar | editar código-fonte]

No início desta década, o rap da costa oeste e o Gangsta Rap ganharam novamente fama no mainstream, especialmente graças à ascensão da Top Dawg Entertainment, e a partir do lançamento de "Good Kid, M.A.A.D. City" em 2012 (álbum de Kendrick Lamar). Para além de Kendrick Lamar, rappers como YG, O.T. Genasis, ScHoolboy Q, Bobby Shmurda e Young Thug ganharam grande sucesso. Actualmente uma geração de novos gangsta rappers está cada vez mais a ganhar espaço no mainstream, rappers como King Lil G, YG, O.T. Genasis, Jay Rock, Slim Jesus, Rick Ross, Mr. Criminal, Bobby Shmurda, ScHoolboy Q, Freddie Gibbs, Young Thug, Vince Staples, The Game, Chief Keef, Dom Kennedy, Kendrick Lamar, Nipsey Hussle e Gucci Mane são alguns dos nomes do já grande número de rappers que utilizam este estilo actualmente e fazem sucesso.

Rappers Falecidos[editar | editar código-fonte]

Os rappers que já faleceram são:
Tupac Shakur (1971-1996)
Eazy-E (1964-1995)
Nate Dogg (1969-2011)
Mac Dre (1970-2004)
Big Pun (1971-2000)
Biggie Smalls (1972-1997)
Yaki Kadafi (1977-1996)
Big Syke (1968-2016)
Hussein Fatal (1977-2015)
J Dilla (1974-2006)
Proof (1973-2006)
Guru (1961-2010)
Sabotage (1973-2003)

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, os grupos no estilo atualmente são os Racionais MC's, Facção Central, Dexter, A286, Hórus, Cirurgia Moral, Dú Alto, Realidade Cruel, Sistema 157, X Da Questão. MV Bill, Trilha Sonora Do Gueto, RZO, DMN, Nocivo Shomon e Família Kingsta.

Referências

  1. Ligação externa: assineticamente parecido para dar a impressão de um dialeto ou um estrangeiro. Exemplo: gangsta em vez de gangster. (em inglês) Wiki