Garça-da-mata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, consulte Agami heron (inglês) e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGarça-da-mata
Agami Heron (Agamia agami).jpg
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Pelecaniformes
Família: Ardeidae
Género: Agamia
Reichenbach, 1853
Nome binomial
Agamia agami
(Gmelin, 1789)

A garça-da-mata (Agamia agami), é uma espécie de ave pernalta da região neotropical da família dos Ardeideos. A garça-da-mata é a única espécie do gênero Agamia. Ela pertence a subfamília dos Tigrisomatinae. No Brasil, ela é também chamada por Socó beija-flor por causa de suas cores brilhantes. Ela faz parte das espécies do mundo menos conhecidas de garças.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Filhotes

A aparência desta garça é incomum. Suas pernas amareladas são bastante curtas, o pescoço é alongado tal como o bico, particularmente fino. Este último é preto e possui um pouco de amarelo na base da mandíbula inferior. Ela tem a cabeça cinza com uma parte nua, a garganta branca, e uma faixa cinza-prata entre a testa e a nuca. O pescoço é vermelho escuro com penas finas esbranquiçadas que se destacam. As costas, asas e cauda são verde garrafa iridescente, marcado com tons vermelhos. A barriga é vermelha-alaranjada. A íris é avermelhada na idade adulta. Sem dimorfismo sexual. O juvenil é mais baço, com uma barriga branca e as costas marrom. Este pássaro mede 66-76 cm de comprimento.

Habitat e Distribuição[editar | editar código-fonte]

área de distribuição

Sua área de distribuição cobre uma parte da América tropical: Península de Yucatán (México), Belize, Nordeste do Guatemala, Norte do Honduras, Leste e Sul da Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Colômbia (excluindo as áreas andinas), Venezuela, Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Noroeste do Brasil, Norte do Equador, Extremo Sudeste e Nordeste do Peru e Norte da Bolívia[1].

A garça-da-mata é especializada no seu habitat, incluindo florestas pantanosas, manguezais, igarapés e áreas alagadas. Ela pode se aventurar nas margens da floresta onde há vegetação densa para escondê-la e mais raramente em zonas abertas. Encontra-se desde o nível do mar até 300 m, se bem que alguns indivíduos tenham sido observados em 2600 m nos Andes. Recentes presquisas mostraram que esta espécie é capaz de percorrer longas distâncias no seu territorio de distribuição [2]. Ela nidifica em colônias mono o multiespecificas, algumas das quais podem atingir tamanhos excepcionais, com mais de 100 e as vezes 1000 ninhos[3]. Várias colônias são conhecidas na área de distribuição da espécie: na Reserva Natural Pacuare (Costa Rica), na Reserva Tapiche (Peru), na Reserva Natural National Kaw-Roura e no Parque Amazônico (Guiana Francesa), e outras colônias fora das áreas protegidas na Colômbia, no México e Belize[4]. Dada a dimensão da área de distribuição da espécie, relativamente poucas colônias são conhecidas hoje.

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Espécie discreta, a garça-da-mata é dificil de observar porque ela permanece a maior parte do tempo no seu hábitat, escondida na penumbra. Bastante solitária. No entanto, durante a época de reprodução, torna-se gregária, em pequenos grupos às vezes misturadas com outras espécies nidificantes. Às vezes, estas garças se reúnem em grupos bastante grandes. Na Guiana francesa foi observado uma colônia com cerca de 900 pares na Reserva Natural Nacional dos Pântanos de Kaw-Roura, considerada como a maior colônia conhecida do mundo[3]. O ninho, constituído por um conjunto áspero de galhos forrados com penas, é construído em uma árvore acima da linha d’água. A fêmea coloca dois ovos azuis em média.

  • Alimentação: A Garça-da-mata se alimenta preferencialmente de peixes, anfíbios, lagartos e caracóis. Ela caça principalmente em lagoas rasas e riachos florestais de fraca correnteza. Ela geralmente permanece na mesma posição sem se mover até uma presa vir ao seu alcance, move-se lentamente e, por vezes, a caça de um poleiro[5].
  • Canto: Pássaro bastante calmo, às vezes os grupos produzem uma série de sons como tinidos ou zumbidos. As vocalizações e um comportamento de afastamento nos galhos são respostas à perturbação[5].
  • Cortejo: Vários comportamentos de cortejo tem sido descritos e são usados por ambos os sexos[5].

Conservação[editar | editar código-fonte]

O carácter discreto da garça da mata e o pouco conhecimento científico da espécie dificulta a implementação da conservação. Seu hábitat isolado e seu comportamento secreto podem explicar sua raridade aparente. É classificada como vulnerável na Lista Vermelha da IUCN, baseado no pressuposto de uma futura perda de hábitat na Bacia Amazônica[6]. Os esforços de conservação devem centrar-se sobre a proteção dos sítios mais importantes para as colônias, uma melhor compreensão da sua área de distribuição, as suas necessidades em termos de hábitat e territorio, e um melhor conhecimento da sua biologia[2].

Referências

  1. "The Herons", James.
  2. a b The 2015 Agami Heron Conservation Plan: Arquivado em 18 de janeiro de 2017, no Wayback Machine. Stier, A. and Kushlan, J., 2015 (compilers). Agami Heron Conservation Plan (Agamia agami), Managing editor: Benoit Hurpeau, President, GEPOG Association, 15 Avenue Pasteur, 97300 Cayenne, French Guiana.
  3. a b Reynaud, P. A., and J. A. Kushlan. 2004. Nesting of the Agami Heron. Waterbirds 27:308–311.
  4. «Agami Heron Working Group sightings». Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  5. a b c Kushlan, J. A., and K. Hines. 2016. Behavior of the Agami Heron (Agamia agami). Waterbirds 39:187–192.
  6. http://www.iucnredlist.org/details/22697200/0