Garth Ennis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Garth Ennis
250px

Nascimento 16 de janeiro de 1970 (46 anos)
Local Holywood, Irlanda do Norte
Nacionalidade escritor
Trabalhos de destaque Preacher
Juiz Dredd
Hellblazer
Justiceiro
Dan Dare
Just A Pilgrim
Hitman
Crossed
Wormwood
Motoqueiro Fantasma
Prêmios 1998: Prêmio Eisner de Melhor Escritor Eisner Award

Garth Ennis é um roteirista de história em quadrinhos (banda desenhada) norte-irlandês premiado. Nasceu em 16 de janeiro de 1970 na cidade de Belfast, Irlanda do Norte. Começou a escrever profissionalmente para a revista britânica Crisis (título irmão da revista 2000 AD), mas só alcançou a fama após começar a trabalhar para o selo Vertigo da editora americana DC Comics. Após vários anos trabalhando neste selo, Garth Ennis deixou a DC e assinou contrato com sua principal rival, a Marvel Comics. Lá, começou escrevendo para a revista Justiceiro: um anti-herói violento, estilo de personagem com que ele já trabalhou antes.

Começo da carreira[editar | editar código-fonte]

Garth Ennis começou sua carreira profissional em 1989, com a série Troubled Souls, publicada na revista Crisis. Essa revista, apesar de ter sido publicada durante um período muito curto, foi aclamada pela crítica. Troubled Souls conta a história de um jovem norte-irlandês protestante que, apesar de apolítico, acaba dragado pelos conflitos de seu país.

Quando a publicação de Crisis foi interrompida, Ennis passou a trabalhar na revista 2000ad, onde escreveu para seu carro-chefe: Juiz Dredd. Seu primeiro trabalho em uma revista em quadrinhos americana foi um arco de história para a revista Hellblazer.

Obras[editar | editar código-fonte]

Além de ter escrito arcos de histórias de personagens famosos como Hellblazer, Darkness e Justiceiro, Ennis também criou várias séries próprias de destaque, como True Faith, Goddess, Troubled Souls, Crossed, Wormwood, Hitman (em parceria com o também norte-irlandês John McCrea) e seu trabalho mais famoso e polêmico: Preacher.

1989 - Troubled Souls (Crisis), Time Files (2000 AD)

1990 - Suburban Hell, True Faith (Crisis)

1991 - Judge Dredd (JDM), Strontium Dogs (2000 AD), Hellblazer (DC)

1992 - Judge Dredd (JDM), Strontium Dogs (2000 AD), Hellblazer (DC),"And They Never Get Drunk but Stay Sober" (A1)

1993 - Judge Dredd (JDM), Srontium Dogs (2000 AD), The Demon, Hitman, Hellblazer (DC)

1994 - The Demon, Hitman, Hellblazer (DC)

1995 - The Demon, Hitman, Loaded, Preacher, Goddess (DC), Punisher (Marvel)

1996 - Hitman, Blood Mary, Preacher (DC), MedievalSpawn/Witchblade , The Darkness(Top Cow)

1997 - Hitman, Blood Mary, Batman: Legends of The Dark Knight, Hellblazer, Preacher, Unknow Soldiers, Pride and Joy (DC), The Darkness (Top Cow), Shadowman (Acclaim), Dicks (Caliber), Painkiller Jane vs. the Darkness: Stripper (Event)

1998 - Hitman, Hellblazer, Preacher (DC), The Darkness (Top Cow), Tales of Midnight (Blue Silver)

1999 - Hitman, Preacher, Flinch (DC), The Worm: The Longest Comic Strip in the World ( Slab O-concret)

2000 - Hitman, Preacher, Weid War Tales Special, Adventures in the Rifle Brigade (DC), Punisher (Marvel)

2001 - Hitman, War Histories (DC), Punisher, Hulk: Smash!, Spider Man: Tangled Web, Fury (Marvel), Just a Pigrim (Dynamite), Bart Simpson's Treehouse of Horror (Bongo Comics), Star Wars Tales (Dark Horse)

2002 - War Histories (DC), Authority (Wildstorm), Punisher (Marvel), Bigger Dick's (Avatar), Just a Pigrim (Dynamite), Star Wars Tales (Dark Horse), The Pro (Image)

2003 - War Histories (DC) Authority (Wildstorm), Punisher, Thor: Vikings (Marvel), X-mas Special (Avatar)

2004 - Authority (Wildstorm), 303 (Avatar)

2005 - Ghost Rider (Marvel), Winter Special, 303 (Avatar)

2006 - The Boys (Wildstorm), Ghost Rider (Marvel), Chronicles of Wormwood (Avatar), 7 Brothers (Virgin)

2007 - The Boys, Midnigther (Wildstorm),Chronicles of Wormwood, Streets of Glory (Avatar), 7 Brothers (Virgin)

2008 - War is Hell (Marvel), Crossed (Avatar), The Boys, Battlefields (Dynamite), Back to Brooklyn (Image), 7 Brothers (Virgin)

2009 - Crossed (Avatar), The Boys, Battlefields (Dynamite)

2010 - Crossed (Avatar), The Boys, Battlefields (Dynamite), CBLDF Presents: Liberty Comics (Image)

2011 - The Boys, Jeniffer Blood (Dynamite)

2012 - The Boys, The Shadow (Dynamite), Crossed (Avatar)

2013 - Crossed (Avatar), Red Team (Dynamite)

2014 - Crossed (Avatar)

Justiceiro (The Punisher)[editar | editar código-fonte]

O Justiceiro é o personagem da Marvel com o qual Ennis mais trabalha. Tudo começou com a versão 3 da revista Punisher, na qual o Justiceiro lutava contra a organização criminosa dos Gnucci, chefiada pela maligna matriarca Ma Gnucci. O que mais chamou atenção nessa revista foi a mistura de humor negro com ação e drama. Momentos sombriamente hilários infestavam as histórias, contrabalançando cenas de violência cruel e drama pesado. Nessa revista, Ennis criou personagens marcantes como o gigantesco O Russo (The Russian) e os vizinhos do Justiceiro: Joan, Mr. Bumpo e Spacker Dave. As histórias foram ilustradas pelo parceiro habitual de Ennis: Steve Dillon.

Na versão 4 da revista The Punisher, o humor negro atingiu níveis inacreditáveis. O Russo voltou com seios dignos de Pamela Anderson (efeito colateral de uma injeção de hormônios que ele tomou) e super-heróis começaram a fazer participações especiais. Ennis se divertiu muito com isso. O Homem-Aranha é usado como escudo pelo Justiceiro, o Wolverine é atropelado por um rolo compressor dirigido pelo... adivinhe, Justiceiro e outros super-heróis são usados como alívio cômico. Ennis nunca gostou de super-heróis, preferindo trabalhar com personagens mais sérios e violentos. Apesar do humor negro, a revista The Punisher versão 4 teve histórias sérias e dramáticas, como Irmandande, Não Caia em Nova York, entre outras que mostraram que Ennis poderia ser um sucesso escrevendo as revistas do personagem, se conseguisse uma abordagem séria para ele. A versão 4 da revista The Punisher teve vários artistas: Steve Dillon, Darick Robertson, Cam Kennedy e Tom Mandrake foram os principais. Ennis escreveu a maior parte da revista, apenas uma ou duas edições não foram de sua autoria.

Então, surgiu a primeira revista mensal do Justiceiro para adultos: Punisher Max. Sem limites, podendo escrever quantos palavrões quisesse, Ennis logo partiu para um trabalho mais sério com o personagem. O humor negro tornou-se sutil, os super-heróis desapareceram e o Justiceiro se tornou um personagem dramático. A primeira história da revista Punisher Max foi Punisher: Born (Justiceiro: Nascido para Matar), que não é considerada parte da revista mensal e, sim, uma minissérie. Nela, Ennis mostra os horrores da guerra do Vietnã e como Frank Castle adquiriu o gosto para matar que o transformou no Justiceiro. A minissérie foi aclamadíssima, assim como seu ilustrador, Darick Robertson.

Depois, começaram as histórias da revista mensal. A primeira edição contou com uma das cenas mais fortes da história dos quadrinhos: o massacre dos mafiosos de Don Cesare, desenhada por Lewis Larosa. A cena continha uma quantidade de sangue nunca antes vista numa revista.

Uma curiosidade: todas as capas das revistas Justiceiro, da versão 3 à MAX, foram desenhadas por Tim Bradstreet.

Preacher[editar | editar código-fonte]

Esta série de Ennis, ilustrada pelo seu habitual parceiro Steve Dillon, narra as viagens de Jesse Custer (um ex-pastor ironicamente possuído por uma entidade chamada Genesis) pelo interior da América em busca de Deus, que ele julga ter abandonado a humanidade. É acompanhado por Tulip, sua ex-namorada e membro mais racional do grupo, e Cassidy um vampiro irlandês alcoólatra que desperta seu lado mais passional. A busca de Jesse é pontilhada por tudo o que há de mais estranho nesse e no outro mundo: anjos burocratas tentando manter as instituições, assassinos seriais ansiosos por fama e, talvez principalmente, como a busca por um valor superior de bondade pode se desviar para o fanatismo e a corrupção.

A série foi aclamadíssima e ganhadora do prêmio Eisner de Melhor Série Contínua. Também foi a série que deu a Ennis o Eisner de Melhor Roteirista. Durou 66 edições normais e 6 edições especias (uma clara alusão ao diabólico número 666).

Curiosidade: todas as capas foram pintadas por Glenn Fabry, que graças a elas ganhou o Eisner de Melhor Capista.

The Boys[editar | editar código-fonte]

Seu trabalho mais recente, ilustrado por arick Robertson. Narra a história de Hughie, que tem sua vida destruída quando um super-herói atropela sua namorada, matando-a instantaneamente. Logo, Hughie é convocado para fazer parte de um grupo de agentes da CIA que vigia os super-heróis para que não cometam atos catastróficos.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado Ref
1993
Eisner Award
Melhor Escritor
Hellblazer
Indicado [1]
1994 Indicado [2]
1996
Preacher e Goddess
Indicado [3]
1998
Hitman, Preacher, Unknown Soldier e Blood Mary: Lady Liberty
Venceu [4]
2001
Preacher
Indicado [5][6]

Referências

  1. «1993 Will Eisner Comic Industry Award Nominees». Comic Book Almanac (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2011. 
  2. «1994 Will Eisner Comic Industry Award Nominees». Comic Book Almanac (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2011. 
  3. «1996 Will Eisner Comic Industry Award Nominees». Comic Book Almanac (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2011. 
  4. «1998 Will Eisner Comic Industry Award Nominees». Comic Book Almanac (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2011. 
  5. «2001 Will Eisner Comic Industry Award Nominees». Comic Book Almanac (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2011. 
  6. «Indicados ao Eisner Award 2001». Universo HQ. 12 de abril de 2001. Consultado em 9 de outubro de 2011.