Gastão Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Gastão Cruz
Nome completo Gastão Santana Franco da Cruz
Nascimento 20 de julho de 1941 (76 anos)
Faro,  Portugal
Prémios Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores

Prémio P.E.N. Clube Português de Poesia (1985, 2007, 2014)
Prémio D. Dinis (2000)
Grande Prémio de Poesia APE/CTT (2002)
Grande Prémio de Literatura dst (2005)
Prémio Correntes d'Escritas (2009)
Prémio PEN Clube português (2014)

Género literário Poesia, crítica,teatro
Magnum opus Observação do Verão

Gastão Santana Franco da Cruz (Faro, 20 de Julho de 1941) é um poeta, crítico literário e encenador português.

Licenciou-se em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi professor do ensino secundário e leitor de Português no King's College, pertencente à Universidade de Londres.

Como poeta, o seu nome aparece inicialmente ligado à publicação colectiva Poesia 61 (que reuniu Gastão Cruz, Casimiro de Brito, Fiama Hasse Pais Brandão, Luiza Neto Jorge e Maria Teresa Horta), uma das principais contribuições para a renovação da linguagem poética portuguesa na década de 60. Como crítico literário, coordenou a revista Outubro e colaborou em vários jornais e revistas ao longo dos anos sessenta - Seara Nova, O Tempo e o Modo ou Os Cadernos do Meio-Dia (publicados sob a direcção de Casimiro de Brito e António Ramos Rosa). Essa colaboração foi reunida em volume, com o título A Poesia Portuguesa Hoje (1973), livro que permanece hoje como uma referência para o estudo da poesia portuguesa da década de sessenta.

Ligado ao teatro, Gastão Cruz foi um dos fundadores do Grupo de Teatro Hoje (1976-1977), para o qual encenou peças de Crommelynck, Strindberg, Camus, Tchekov ou uma adaptação sua de Uma Abelha na Chuva (1977), de Carlos de Oliveira. Algumas delas foram, pela primeira vez, traduzidas para português pelo poeta. Foi igualmente um dos fundadores do Grupo de Teatro de Letras, em 1965.

O percurso literário de Gastão Cruz inclui a tradução de nomes como William Blake, Jean Cocteau, Jude Stéfan e Shakespeare. As Doze Canções de Blake que traduziu fazem, aliás, parte da sua bibliografia poética.

A sua obra Rua de Portugal recebeu o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, em 2004. Em 2009, A Moeda do Tempo mereceu o Prémio Correntes d'Escritas.

Obras seleccionadas[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • A Morte Percutiva - em Poesia 61 (1961)
  • Hematoma (1961)
  • A Doença (1963)
  • As Aves (1969)
  • Teoria da Fala (1972)
  • Campânula (1978)
  • Órgão de Luzes (1990)
  • As Leis do Caos (1990)
  • Transe (1992)
  • As Pedras Negras (1995)
  • Poemas Reunidos (1999)
  • Crateras (2000)
  • Rua de Portugal (2002)
  • Repercussão (2004)
  • A Moeda do Tempo (2006)
  • Escarpas (2010)
  • Observação do Verão (2011)
  • Fogo (2013)
  • Óxido (2016)

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • A Poesia Portuguesa Hoje (1973; 1979 – 2ª ed., revista)

Colectâneas[editar | editar código-fonte]

  • Os Poemas (2009)

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Gonçalves, Ilena Luís Candeias. Escritores Portugueses do Algarve. Edições Colibri, Lisboa, 2006.