Gaudissart II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gaudissart II
Autor(es) Honoré de Balzac
Idioma Francês
País  França
Série Scènes de la vie Parisienne
Editora La Presse
Lançamento 1844
Cronologia
Un prince de la bohème
Les Employés ou la Femme supérieure

Gaudissart II é um romance de Honoré de Balzac publicado em 1844 em La Presse sob o título de Un Gaudissart de la rue Richelieu, depois editado em volume no mesmo ano por Hetzel. Em 1846, figura nas Cenas da vida parisiense da edição Furne da Comédia Humana[1].

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gaudissart (filho do genial caixeiro viajante Félix Gaudissart que, em História da Grandeza e da Decadência de César Birotteau, contribui com o fortalecimento da casa Birotteau) é um "artista da venda cujos talentos de vendedor não são recompesados em O Ilustre Gaudissart. Tanto que, em Um parisiense na província, ele havia encontrado um mais malicioso que ele, mas terminou multimilionário, apesar de tudo, depois de fundar um banco.

O tipo de vendedor cheio de lábia que ele representa em um grande número de obras da Comédia Humama deu lugar a um nome genérico que designa todos os Gaudissarts existentes (e que Balzac chama de comedientes sem o saberem[2]. Daí o título Gaudissart II, tornado nome genérico. Diz-se um gaudissart, em verdade, um vendedor, que é o caso desta cena na qual, sob o olho admirado do caricaturista Bixiou (Gaudissart é, em efeito, uma caricatura, Balzac escolheu bem seus personagens), encontra-se perfeitamente o tipo em uma venda de chale que lembra uma comédia ou uma farsa.

De uma feita comerciante e fabricador de chales, instalado na esquina da rua de Richelieu e da rua de la Bourse, inventor do "chale Selim", ele consegue vender esse produto a uma inglesa muito pitoresca com uma carruagem extra.

Esse romance faz parte dos "divertimentos" a que Balzac se permitia às vezes a título de recreação. Mas ele abre, mesmo assim, horizontes sobre o fenômeno do comércio, dos empregados, das lojas, que Zola desenvolverá expondo as premissas do consumo de massa.

Referências

  1. Honoré de Balzac. A comédia humana. Org. Paulo Rónai. Porto Alegre: Editora Globo, 1954. Volume XI
  2. Ver Les comédiens sans le savoir

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (en) Jared Wenger, « Speed as a Technique in the Novels of Balzac », PMLA, mar. 1940, vol. 55, n° 1, p. 241-52.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]