Gayfobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sepultura para Daniel Zamudio, um chileno de 24 anos que foi espancado e torturado durante várias horas no centro de Santiago por uma gangue neonazista, que o atacou depois de saber que ele era gay

A discriminação contra gays, às vezes chamada de gayfobia e gaymisia, é uma forma de preconceito, ódio ou preconceito homofóbico dirigido especificamente a homens gays, homossexualidade masculina ou homens que são considerados gays.[1][2][3][4] Essa discriminação está intimamente relacionada à femmefobia, que é a aversão ou hostilidade a indivíduos que se apresentam como femininos, incluindo a afeminofobia (ou efeminofobia), direcionada a homens gays e afeminados.[5] A discriminação contra homens gays pode resultar de reações preconceituosas aos maneirismos femininos, ao estilo de roupa e até ao registro vocal.[6][7][8] Dentro da comunidade LGBT, problemas internalizados, em torno do atendimento às expectativas sociais de masculinidade, foram encontradas entre homens gays, bissexuais e transgêneros.[9]

Teoria queer[editar | editar código-fonte]

Na academia francesa, os teóricos queer examinaram as maneiras únicas em que o patriarcado tenta impor masculinidade e heterossexualidade em corpos que se apresentam ou são identificados como homenis/hombris. O francês teórico racial e queer Louis-Georges Tin examinou a discriminação contra gays e o desenvolvimento histórico das várias formas de LGBTfobias sob a égide da homofobia. Ele escreve:

Houve um movimento inverso de diferenciação léxica operando no cerne do conceito de homofobia. Pela especificidade das atitudes em relação ao lesbiandade, o termo lesbofobia foi introduzido nos discursos teóricos, termo que traz à tona mecanismos particulares que o conceito genérico de homofobia tende a ofuscar. De uma só vez, essa distinção justifica o termo gayfobia, uma vez que grande parte do discurso homofóbico, na realidade, pertence apenas à homossexualidade masculina. Da mesma forma, o conceito de bifobia também foi proposto com o objetivo de destacar a situação singular dos bissexuais, muitas vezes estigmatizados por comunidades heterossexuais e homossexuais. Além disso, é preciso levar em consideração as questões muito diversas ligadas às pessoas transexuais, travestis e transgêneras, o que nos remete à noção de transfobia.[10]

Em seu texto de 2017, O Movimento de Libertação das Mulheres: Impactos e Resultados, a historiadora de gênero alemã Kristina Schulz [de] observou que no cenário da mídia ocidental durante o Movimento pelos Direitos dos Gays dos anos 1970, o preconceito contra os gays atraiu mais atenção da mídia do que a lesbofobia, em grande parte devido à retórica de conservadores reacionários como Anita Bryant, que sugeriram que os gays eram predadores sexuais.[11]

Discriminação na sociedade[editar | editar código-fonte]

Segundo o governo francês, a discriminação contra gays "é uma forma de homofobia que afeta especificamente os homens. Embora seja voltado principalmente para homens gays e bissexuais, também pode afetar homens heterossexuais que são percebidos como homossexuais. Homens gays podem ser alvos de agressão física ou desvalorizados por estereótipos ligados à feminização e hipersexualização".[3]

O jornalista Pierre Bouvier descreveu o sentimento anti-gay como paralelo à lesbofobia. Observando como essas duas formas diferentes de homofobia operam nas culturas ocidentais, ele escreveu,[12]

Há uma diferença muito clara nos mecanismos entre a gayfobia e a lesbofobia, e isso se traduz em diferentes tipos de agressão. Onde a imaginação coletiva super-sexualiza homens gays e exerce forte violência verbal e física contra meninos e homens que não são considerados suficientemente masculinos ou heterossexuais; para as mulheres, por outro lado, a afirmação de sua identidade lésbica será ainda mais desqualificada, minimizada, reduzida a uma moda passageira ou mesmo sexualizada como um prelúdio da heterossexualidade.

Estudos acadêmicos[editar | editar código-fonte]

Em estudos revisados por pares que analisam e distinguem a homofobia separadamente entre a discriminação contra homens gays e lésbicas, os pesquisadores encontraram diferenças estatisticamente significativas entre homens e mulheres heterossexuais em relação às suas atitudes em relação aos gays.[13] Embora nenhuma diferença estatisticamente significativa tenha sido encontrada em homens e mulheres em relação às lésbicas, os homens heterossexuais demonstram níveis elevados de animosidade estatisticamente significativos em relação aos homens que consideram gays.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Clauss-Ehlers, Caroline S. (2010). Encyclopedia of Cross-Cultural School Psychology 2 ed. [S.l.]: Springer. ISBN 9780387717982. Consultado em 3 de março de 2021 
  2. «No More, No Less» (PDF). Sexual and Gender Diversity. Confédération des syndicats nationaux. Consultado em 1 de março de 2021 
  3. a b «2020-2023 National Action Plan to Promote Equal Rights and Combat Anti-LGBT+ Hatred and Discrimination» (PDF). # France LGBT+. The Government of the French Republic. Consultado em 3 de março de 2021 
  4. «gayphobia». Glosbe. Consultado em 1 de março de 2021 
  5. Paul, Annie (26 de setembro de 2008). Caribbean Culture: Soundings on Kamau Brathwaite 1 ed. [S.l.]: University of the West Indies Press. ISBN 9789766401504 
  6. Loftin, Craig M. (2007). «Unacceptable Mannerisms: Gender Anxieties, Homosexual Activism, and Swish in the United States, 1945-1965». Journal of Social History. 40: 577–596. JSTOR 4491939. doi:10.1353/jsh.2007.0053. Consultado em 4 de março de 2021 
  7. Barry, Ben; Martin, Dylan (2016). «Gender rebels: inside the wardrobes of young gay men with subversive style» (PDF). Fashion, Style & Popular Culture. 3: 225–250. doi:10.1386/fspc.3.2.225_1. Consultado em 4 de março de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 5 de novembro de 2020 
  8. Meredith, Natasha. «Gay men who 'sound gay' encounter more stigma and discrimination from heterosexual peers». EurekAlert!. University of Surrey. Consultado em 4 de março de 2021 
  9. F. J., Sánchez (2016). «Masculinity issues among gay, bisexual, and transgender men». APA Handbook of Men and Masculinities: 339–356. ISBN 978-1-4338-1855-4. doi:10.1037/14594-016. Consultado em 5 de março de 2021 
  10. Tin, Louis-Georges (1 de novembro de 2008). The Dictionary of Homophobia: A Global History of Gay & Lesbian Experience (em inglês). [S.l.]: arsenal pulp press 
  11. Schulz, Kristina (2017). The Women's Liberation Movement: Impacts and Outcomes 1 ed. Oxford: Berghahn Books. ISBN 9781785335877. Consultado em 5 de março de 2021 
  12. Bouvier, Pierre. «Pride march: 'Lesbians are not necessarily found in the speeches of many LGBT associations'». Hebergement. Consultado em 3 de março de 2021 
  13. Gabriella, Martino (2019). «Relations among gender, religiosity and personality traits in homophobia». Journal of Clinical & Developmental Psychology. 1: 1-11. doi:10.6092/2612-4033/0110-2046. Consultado em 1 de março de 2021