Gazeta Mercantil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Gazeta Mercantil, fundado em 1920 como um boletim diário do mercado, foi o mais tradicional jornal de economia do Brasil, dirigido durante anos pela família Herbert Levy. Passou por várias crises nos últimos anos, teve uma equipe reduzida, mas ainda superava largamente em vendas e tiragem (com 140 mil exemplares) outros importantes jornais econômicos do país, como Valor Econômico e Jornal do Commercio. Atualmente, o controle do jornal é do empresário Nelson Tanure, do grupo Docas Investimentos. Além da Gazeta Mercantil, o empresário também administra o carioca Jornal do Brasil (JB) e a revista Forbes no Brasil. A crise que deflagrou na transferência do controle acionário da família Levy para Nelson Tanure ocorreu no final da década de 90 e início dos anos 2000. Após anos de liderança absoluta no mercado, as contas da empresa se deterioraram e, ao mesmo tempo, a direção do jornal decidiu ampliar as áreas de atuação, com investimentos em internet e televisão. As novas áreas contaram com parceiros que foram a Portugal Telecom, antiga controladora da Telesp Celular - atualmente Vivo, na web e a TV Bandeirantes, além da TV Gazeta, controlada pela Fundação Cásper Líbero, na televisão.

O jornal passou por uma drástica reestruturação nos seus últimos anos. Teve a sua redação unificada com os demais produtos jornalísticos da empresa, o Jornal do Brasil, a revista Forbes Brasil e a agência de notícias InvestNews.

De acordo com levantamento do IVC de julho/2007, o jornal Gazeta Mercantil tinha uma tiragem de 70 mil.

Suspensão da circulação[editar | editar código-fonte]

Em 25 de maio de 2009, Nelson Tanure anunciou que devolveria a administração do jornal aos proprietários anteriores, não se responsabilizando mais pela publicação a partir de 1 de junho.[1] Alegou que herdou dívidas de mais de 200 milhões de reais em processos trabalhistas.[2] Dessa forma, a última edição do jornal foi a de 29 de maio de 2009, mas Luiz Fernando Levy anunciou que a interrupção da circulação é momentânea.[3]

O grupo português Ongoing Strategy Investments negou interesse em comprar o jornal "porque o título tem uma dívida muito grande", mas animou-se com a possibilidade de ingressar na imprensa econômica brasileira, aproveitando o vácuo deixado pela interrupção.[4] O grupo Ongoing estreou o jornal Brasil Econômico em 8 de outubro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.