Geliotofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Geliotofobia é o medo de ser ridicularizado, um tipo de fobia social. Embora a maioria das pessoas não gostem de ser ridicularizadas,[1] existe um subgrupo de pessoas que a temem muito e, sem razões óbvias, elas relacionam o riso que ouvem para serem direcionadas a si mesmas. Desde 2008, esse fenômeno tem atraído a atenção de estudiosos da psicologia, sociologia e psiquiatria e tem sido estudado intensivamente.

Em suas observações clínicas, o médico Michael Titze [2] descobriu que alguns de seus pacientes pareciam estar principalmente preocupados em ser ridicularizados. Eles tendiam a escanear seu ambiente em busca de sinais de riso e ridicularização. Além disso, eles relataram que tiveram a impressão de serem ridículos. Além disso, Titze observou um padrão de movimento específico entre eles quando pensaram que estavam sendo ridicularizados — movimentos desajeitados e de madeira que se assemelhavam a bonecos de madeira. Ele descreveu esse estado como "Síndrome de Pinóquio".

Dois outros comportamentos relacionados ao riso são: a gelotofilia, que é a alegria de ser ridicularizada, e o catagelasticismo, a alegria de rir dos outros.

Causas e Consequências[editar | editar código-fonte]

A partir das observações clínicas, elaborou-se um modelo das causas e consequências da geliotofobia [3] para que a condição pudesse ser estudada cientificamente. O modelo afirma que a geliotofobia pode ser causada por qualquer uma das três coisas em diferentes estágios de desenvolvimento:

As possíveis causas da geliotofobia são:

  • Na infância: desenvolvimento da falha primária da vergonha em desenvolver uma ponte interpessoal (por exemplo, interações infanto-juvenis entre cuidadores).
  • Na infância e juventude: repetidas experiências traumáticas de não ser levado a sério ou de ser ridicularizado (por exemplo, bullying).
  • Na idade adulta: intensa experiência traumática de ser ridicularizado (por exemplo, zombaria).

As consequências da geliotofobia são:

  • Isolamento para evitar ser ridicularizada.
  • Aparentando "frieza" no comportamento / sem humor.
  • Distúrbios psicossomáticos, por exemplo, rubor, cefaleia tensional, tremores, tontura, distúrbios do sono.
  • Demonstrando 'Síndrome de Pinóquio': desajeitado, feição "agelótica" (não é capaz de apreciar o riso) e aparência de 'marionete de madeira'.
  • Falta de vivacidade, espontaneidade, alegria.
  • Incapacidade de experimentar o humor / riso como experiências sociais relaxantes e alegres.
  • Raiva ao ser ridicularizado por outras pessoas (em alguns casos, isso resulta em ataques violentos contra as pessoas que estavam rindo). [4]

Mais tarde, esse modelo foi revisado e expandido. [5]

Crenças e perspectivas[editar | editar código-fonte]

Encontra-se abaixo uma lista de verificação rápida de comportamentos que sugerem casos de geliotofobia:

  • Evitam situações sociais que haja a possibilidade de serem ridicularizados.
  • Eles se preocupam com que as pessoas pensem que não se envolvem com eles de uma forma calorosa e amigável, ou pensam que não têm humor.
  • Eles se esforçam para parecerem o mais "natural" possível.
  • Eles têm baixa autoestima por se sentirem incompetentes em situações sociais.
  • Quando as pessoas estão conversando e rindo, elas sentem o corpo ficando tenso, o que faz com que seus movimentos pareçam rígidos e rígidos, em vez de relaxados e naturais.
  • Eles pensam que não são uma pessoa viva, não são espontâneos e não experimentam muitos momentos alegres em sua vida diária.
  • Eles se preocupam com o fato de parecerem ridículos para os outros.

Qualquer um que exiba ou experimente pelo menos metade dessas características pode ser geliotofóbico. Como o riso é usado como parte integrante da comunicação e como as pessoas formam e mantêm relacionamentos, é natural ver como aqueles que tendem a ser geliotofóbicos perceberão que suas interações sociais são seriamente afetadas.

Normalmente, o riso é contagioso e leva a emoções positivas, como alegria e alegria, mas ninguém gosta de ser ridicularizado ou ridicularizado. A maioria das pessoas não gosta de ser ridicularizada e a geliotofobia pode variar de não ter medo, síndrome da personalidade limítrofe, à pronunciada ou extrema geliotofobia.

Avaliação[editar | editar código-fonte]

Há um questionário de quinze itens para a avaliação subjetiva da geliotofobia, por exemplo, o GELOPH<15>. Este questionário foi usado para mostrar que a geliotofobia existe, em diferentes graus, em uma população normal. [6] Foi encontrado em todos os continentes e, até agora, teve amostras retiradas de 72 países e o GELOPH<15> foi traduzido para mais de 42 idiomas diferentes.

Diferentes países variam em número de pessoas dentro da população, que são geliotofóbicos. [7] A socióloga Christie Davies prevê uma prevalência maior de geliotofobia em sociedades hierarquicamente organizadas, onde o principal meio de controle social é a vergonha. [8]

A pesquisa sobre a geliotofobia usando as escalas GELOPH mostra que, empiricamente, a condição existe fora das pessoas que procuram tratamento devido a um medo problemático de ser ridicularizado. Nos primeiros estudos, os geliotofóbicos foram distinguidos de outras pessoas com problemas baseados na vergonha, neuróticos não baseados na vergonha e amostras de uma população normal. [6] Basicamente, isso significa que, embora a geliotofobia compartilhe problemas semelhantes, altos escores também foram encontrados para esses critérios em indivíduos com síndrome de Asperger e transtornos de personalidade do Cluster/Grupo A. [9][10]

O medo de ser ridicularizado também tem sido estudado entre crianças e adolescentes usando modificações desses instrumentos diagnósticos [11]

Emoções[editar | editar código-fonte]

Apesar do valor aparente das emoções relacionadas à geliotofobia serem predominantemente medo, há uma interação distinta com três emoções dominantes: baixos níveis de alegria, altos níveis de medo e altos níveis de vergonha. Mais importante, onde a vergonha em uma semana típica excede a alegria, é mais provável que a geliotofobia se desenvolva. [12] Geliotófobos dizem que eles são ruins em regular suas emoções, e eles mais facilmente pegam os humores negativos de outras pessoas. Eles também suprimem a expressão de suas emoções e não compartilham seus sentimentos prontamente com os outros. [13]

Percepção e personalidade[editar | editar código-fonte]

Os geliotófobos não têm a capacidade de compreender a diferença entre formas lúdicas de interações humorísticas, como provocações, e formas mais cruéis, como o ridículo. [14] Isso significa que, mesmo que alguém esteja tentando ser amigável e brincalhão, um geliotófobo se sentirá apreensivo e confundirá a interação com o ridículo. Também pode significar que as pessoas podem sentir que estão sendo intimidadas quando na verdade não estão. [15]

Os geliotófobos estão frequentemente localizados nos modelos PEN de Eysenck e Big Five da personalidade. A geliotofobia está altamente correlacionada com introversão e neuroticismo e, nas escalas P mais antigas, os geliotofóbicos têm maior pontuação no psicoticismo. [16] A avaliação dimensional da patologia da personalidade, um instrumento de desordem de personalidade DSM, mostrou que aqueles com medo de serem ridicularizados tendem a ser socialmente evitativos e submissos, além de terem problemas de identidade. A abstinência social e a suspeita previram mais frequentemente a geliotofobia.

Paul Lewis (Boston College, EUA) especulou se a geliotofobia política poderia afetar as eleições nos Estados Unidos ("O medo duplo de ser efetivamente ridicularizado ou ineficiente em zombar dos outros [muito duro, contundente, sem sabor] levou os candidatos a elaborarem estratégias agressivas e pró-ativas [indo na TV para mostrar que eles podem fazer piada, ser engraçado—qualquer coisa para evitar ser ridicularizado de maneira inadequada] ") [p. 42, resumo da conferência de 2009 da Sociedade Internacional para Estudos de Humor ISHS em Long Beach, Califórnia]; [17] A socióloga Christie Davies, que também é presidente da ISHS, comenta satiricamente os resultados das recentes eleições no Reino Unido. Ele percebeu que os perdedores nessas eleições eram frequentemente carecas - "Ser careca é sofrer de geliotofobia, temer ser motivo de riso; temer ser motivo de riso é temer a desordem; temer a desordem é abraçar o absolutismo". [18]

Pontos fortes, inteligência e habilidade de humor[editar | editar código-fonte]

Diversos testes mostram que os geliotofóbicos frequentemente subestimam seu próprio potencial e realizações. Os geliotófobos tendem a ver-se menos virtuosos do que as pessoas que os conhecem. [7] Da mesma forma, em um estudo de inteligência, os geliotofóbicos consistentemente subestimaram seu desempenho intelectual em até 6 pontos de QI. [7] Os geliotófobos têm uma experiência diferente de riso: não eleva o humor nem os deixa mais alegres. Eles pessoalmente caracterizam seu próprio humor como sendo inapto, mas mais uma vez, os testes mostram que eles não são diferentes de outras pessoas em fazer comentários espirituosos e humor. [19]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Heyd, David (Abril, 1982). «The Place of Laughter in Hobbes's Theory of Emotions». Journal of the History of Ideas. 43 (2): 285–295. JSTOR 2709204. doi:10.2307/2709204 
  2. Titze, M. (1996). "The Pinocchio Complex: Overcoming the fear of laughter". Humor & Health Journal 5, 1-11.
  3. Ruch, W. (2004). "Gelotophobia: A useful new concept?" Paper presented at the 2004 Colloquium Series, Department of Psychology, University of California at Berkeley, Berkeley US.
  4. "Gelotophobia: living a life in fear of laughter", BBC News, 26 de junho de 2014
  5. Ruch, Willibald; Hofmann, Jennifer; Platt, Tracey; Proyer, René (2014). «The state-of-the art in gelotophobia research: A review and some theoretical extensions». Humor. 27 (1). doi:10.1515/humor-2013-0046 
  6. a b Ruch, W., & Proyer, R. T. (2008). "The fear of being laughed at: Individual and group differences in gelotophobia". Humor, 21(1), 47-67.
  7. a b c Proyer, R.T., Ruch, W., Ali, N.S., Al-Olimat, H.S., Andualem Adal, T., Aziz Ansari S et al. (2009). "Breaking ground in cross-cultural research on the fear of being laughed at (gelotophobia): multi-national study involving 73 countries". Humor, 22, 253-279.
  8. Davies, Christie (1 de janeiro de 2009). «Humor theory and the fear of being laughed at». Humor. 22 (1–2). doi:10.1515/humr.2009.003 
  9. Weiss, Elisabeth M.; Schulter, Günter; Freudenthaler, H. Harald; Hofer, Ellen; Pichler, Natascha; Papousek, Ilona (31 de maio de 2012). «Potential Markers of Aggressive Behavior: The Fear of Other Persons' Laughter and Its Overlaps with Mental Disorders». PLOS ONE. 7 (5): e38088. PMC 3364988Acessível livremente. PMID 22675438. doi:10.1371/journal.pone.0038088 
  10. Samson, Andrea C.; Huber, Oswald; Ruch, Willibald (27 de julho de 2010). «Teasing, Ridiculing and the Relation to the Fear of Being Laughed at in Individuals with Asperger's Syndrome» (PDF). Journal of Autism and Developmental Disorders. 41 (4): 475–483. PMID 20661767. doi:10.1007/s10803-010-1071-2 
  11. Proyer, René T.; Meier, Lukas E.; Platt, Tracey; Ruch, Willibald (3 de maio de 2013). «Dealing with laughter and ridicule in adolescence: relations with bullying and emotional responses» (PDF). Social Psychology of Education. 16 (3): 399–420. doi:10.1007/s11218-013-9221-y 
  12. Platt, T. & Ruch, W. (2009). "The emotions of gelotophobes: Shameful, fearful and joyless?" Humor, 22, 91-110.
  13. Papousek, I., Ruch, W., Freudenthaler, H. H., Kogler, E., Lang, B., & Schulter, G. (2009). "Gelotophobia, emotion-related skills and responses to the affective states of others". Personality and Individual Differences, 47, 58-63.
  14. Platt, Tracey. (Maio, 2008). «Emotional responses to ridicule and teasing: Should gelotophobes react differently?». Humor. 21 (2): 105–128. doi:10.1515/HUMOR.2008.005 
  15. Platt, T., Proyer, R.T. & Ruch, W. (2009). "Gelotophobia and bullying: The assessment of the fear of being laughed at and its application among bullying victims". Psychology Science Quarterly, 5,135-147.
  16. Ruch, W., & Proyer, R. T. (2009). "Who Fears Being Laughed at? The Location of Gelotophobes in the Eysenckian PEN-model of Personality". Personality and Individual Differences, 46(5-6), 627-630.
  17. Lewis, P. «"Partisan gelotophobia and preemptive humor strategies". Paper presented at the 21st Annual Conference of the International Society for Humor Studies, Long Beach, CA.» 
  18. Socialaffairsunit.org.uk
  19. Ruch, W., Beermann, U., & Proyer, R. T. (2009). "Investigating the humor of gelotophobes: Does feeling ridiculous equal being humorless?" Humor, 22, 111-143.