Gennaro Gattuso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gennaro Gattuso
Lausanne vs Sion 27 february 2013 - Gennaro Gattuso.jpg
Informações pessoais
Nome completo Gennaro Ivan Gattuso
Data de nasc. 9 de janeiro de 1978 (43 anos)
Local de nasc. Corigliano Calabro, Itália
Altura 1,77 m
destro
Apelido Rino
Informações profissionais
Equipa atual Napoli
Posição ex-volante
Função treinador
Clubes de juventude
1990–1995 Perugia
Clubes profissionais
Anos Clubes
1995–1997
1997–1998
1998–1999
1999–2012
2012–2013
Perugia
Rangers
Salernitana
Milan
Sion
Seleção nacional
1995–1996
1998–2000
2000–2010
Itália Sub–18
Itália Sub–21
Itália
Times/Equipas que treinou
2013
2013
2014–2015
2015–2017
2017
2017–2019
2019–
Sion
Palermo
Creta
Pisa
Milan Primavera
Milan
Napoli
Última atualização: 20 de setembro de 2020

Gennaro Ivan Gattuso (Corigliano Calabro, 9 de janeiro de 1978) é um treinador e ex-futebolista italiano que atuava como volante. Atualmente comanda a equipe do Napoli.

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Como jogador, foi um grande volante caracterizado pela sua raça e força de vontade dentro de campo. Começou sua carreira no Perugia, se transferiu em abril de 1997 para o Rangers, da Escócia, e retornou à Itália em outubro de 1998 para jogar pelo Salernitana.

Milan[editar | editar código-fonte]

No verão de 1999 transferiu-se para o Milan, onde teve uma carreira bastante vitoriosa e virou ídolo da torcida. Conquistou duas Ligas dos Campeões, dois Campeonatos Italianos, duas Supercopas da Itália, duas Supercopas da UEFA e um Mundial de Clubes.

Sion[editar | editar código-fonte]

Após não renovar com os Rossoneri em 2012[1][2], transferiu-se para o Sion, da Suíça.[3]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

No auge de sua carreira, desempenhou uma brilhante parceria com o craque Andrea Pirlo, tanto pelo Milan quanto pela Seleção Italiana. Foram fundamentais na conquista da Copa do Mundo FIFA de 2006, bem como nos títulos nacionais e internacionais do Milan nos anos 2000. Apesar de não ter muita técnica e habilidade na saída de jogo, seu estilo de jogo raçudo e incansável dentro de campo caiu como uma luva junto ao estilo habilidoso e criativo de Pirlo. Além de ser valente e raramente perder uma dividida, Gattuso também foi reconhecido por sua natureza competitiva e pelas qualidades de liderança ao longo de sua carreira, muitas vezes usando a braçadeira de capitão do Milan após a aposentadoria de Paolo Maldini.[4]

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

Sion e Palermo[editar | editar código-fonte]

Em sua passagem pelo Sion, assumiu, ainda como jogador-treinador, o comando técnico da equipe com a saída de Víctor Muñoz.[5][6] Ao final da temporada de 2013, assumiu o comando do Palermo.[7] Após maus resultados e apenas três meses de trabalho, foi demitido.[8]

Creta e Pisa[editar | editar código-fonte]

Depois de mais uma rápida passagem, dessa vez pelo Creta, da Grécia, acertou com o Pisa, da Itália. Em junho de 2016 conseguiu o acesso e levou a equipe para a Serie B.

Napoli[editar | editar código-fonte]

Após a demissão de Carlo Ancelotti, foi anunciado como novo técnico do Napoli no dia 11 de dezembro de 2019.[9] Conquistou seu primeiro título em junho de 2020, a Copa da Itália, ao vencer a Juventus nos pênaltis.[10]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Ele é casado com Monica Romano (escocesa de ascendência italiana), que ele conheceu quando jogava pelo Rangers em um jogo de exibição em Toronto, no Canadá. O casal namorou por um longo tempo antes de casar. Eles têm uma filha, Gabriella (nascida em 20 de junho de 2004), e um filho, Francesco (nascido em 8 de novembro de 2007).

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Segundo o jornal italiano Gazzetta dello Sport, Gattuso teve sua casa invadida pela polícia na manhã do dia 17 de dezembro 2013, em investigação sobre manipulação de resultados.[11][12] A operação realizada durante a madrugada contou com outras invasões e prendeu quatro pessoas, que segundo a procuradoria da província de Cremona seriam intermediários entre jogadores e apostadores.[13]

O volante Cristian Brocchi, ex-jogador da Lazio, também foi investigado e teve sua casa invadida. O procurador de Cremona, Roberto Di Martino, confirmou à agência Associated Press que os ex-jogadores foram investigados por participação em uma rede responsável por fraudar resultados durante a temporada 2010–11, quando Gattuso e Brocchi ainda atuavam por Milan e Lazio, respectivamente. O procurador afirmou que os italianos poderiam ser acusados de conspiração criminosa e fraude desportiva porque foram associados ao processo ao serem ouvidos em escutas.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Perugia
Milan
Seleção Italiana

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Napoli

Estatísticas como treinador[editar | editar código-fonte]

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas %
Sion 12 3 4 5 25,00%
Palermo 8 3 1 4 37,50%
Creta 17 5 3 9 29,41%
Pisa 88 29 36 23 32,95%
Milan 83 40 23 20 48,19%
Napoli 31 17 5 9 54,84%

Referências

  1. «Renovação no Milan: depois de Nesta, Gattuso e Inzaghi também saem». GloboEsporte.com. 11 de maio de 2012. Consultado em 19 de junho de 2020 
  2. «Gattuso também anuncia saída do Milan no fim da temporada». Trivela. 11 de maio de 2012. Consultado em 4 de maio de 2021 
  3. «Após 13 anos no Milan, Gattuso acerta com o Sion». VEJA. 15 de junho de 2012. Consultado em 19 de junho de 2020 
  4. Caio Dellagiustina. «Gennaro Gattuso, a personificação da mentalidade vencedora». Calciopédia. Consultado em 4 de maio de 2021 
  5. «Após demissão de 4o técnico no Sion, Gattuso vira 'jogador-treinador'». Reuters. 25 de fevereiro de 2013. Consultado em 19 de junho de 2020 
  6. Cipriano Lucas. «Gattuso assume comando técnico do FC Sion». Diário de Notícias. Consultado em 9 de junho de 2013 
  7. «Ex-volante Gennaro Gattuso é anunciado como técnico do Palermo». Terra. 4 de junho de 2013. Consultado em 19 de junho de 2020 
  8. «Comunicato del presidente» (em italiano). Sítio oficial Palermocalcio. 25 de setembro de 2013. Consultado em 25 de setembro de 2013 
  9. Bruno Bonsanti (11 de dezembro de 2019). «Napoli faz uma aposta com Gattuso no comando da sua provável reformulação». Trivela. Consultado em 19 de junho de 2020 
  10. «Danilo erra pênalti, Napoli vence Juventus e é campeão da Copa da Itália». UOL Esporte. 17 de junho de 2020 
  11. «Investigado por fraude em resultados, Gattuso tem casa invadida por polícia». GloboEsporte.com. 17 de dezembro de 2013. Consultado em 4 de outubro de 2019 
  12. «Investigado por manipulação de resultados, Gattuso tem casa invadida». Terra. 17 de dezembro de 2013. Consultado em 4 de outubro de 2019 
  13. «Gattuso: "Se provarem que manipulei jogos, me mato em praça pública"». Trivela. 17 de dezembro de 2013. Consultado em 4 de maio de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]