Gente Pobre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo (desde setembro de 2012).
Бедные люди
Autor(es) Dostoiévski
Idioma Russo
País  Rússia
Gênero Romance
Lançamento 1846

Gente Pobre (em russo: Бедные люди, transl. Bednye Lyudi) é o primeiro[1] romance de Dostoiévski, escrito em 1846 quando tinha 25 anos e tem como personagens humildes habitantes de São Petersburgo.

O livro revela uma impressionante maturidade se considerarmos a idade do autor. Podemos vê-lo como um manifesto da sua concepção de literatura, porque encontramos aqui presentes as especificidades que o distinguiriam ao longo de toda a sua obra. Ainda antes da sua publicação, este primeiro romance foi alvo dos elogios entusiastas do crítico literário Belinski, que vaticinou o surgimento de um gigante da literatura e defendeu que Gente Pobre constituía a primeira manifestação do romance social no país dos Czares. Mas Dostoiévski é mais do que um romancista social - ele entra em suas personagens e sonda as profundezas das suas almas, pensando, sentindo e falando como elas. Gente Pobre é um romance epistolar, genialmente construído com um mínimo de descrição, o que obriga o leitor a reinventar tudo aquilo que não é dito.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A história passa-se num dos bairros miseráveis de São Petersburgo, onde um funcionário de meia-idade vai trocando correspondência com uma jovem costureira que é na realidade sua vizinha. Mas, demasiado pobres para se casarem, o seu amor passa todo e apenas por estas cartas de dimensão patética, onde contam um ao outro os pequenos acontecimentos do dia-a-dia e onde relatam as suas vidas sofridas, reflectindo individualidades tornadas insignificantes pela miséria.


Edições em Portugal[editar | editar código-fonte]

  • Dostoiévski, Fiódor. Pobre Gente. Porto : Civilização, 1935.
  • Dostoiévski, Fiódor. Pobre Gente e Outras Novelas. Lisboa : Estúdios Cor, 1963.
  • Dostoiévski, Fiódor. Pobre Gente. Porto : Progredior, 1964.
  • Dostoiévski, Fiódor. Obras Completas. Lisboa : Arcádia, 1964.
  • Dostoiévski, Fiódor. Gente Pobre. Lisboa : Presença. 2006 (1.ª) e 2010 (2.ª), ambas traduzidas diretamente do russo por Nina Guerra e Filipe Guerra.
  • Dostoiévski, Fiódor. Gente Pobre. São Paulo : Editora 34. 2009 traduzida diretamente do russo.

Referências

  1. Pevear, Richard e Volokhonsky, Larissa, ed. (1975 (trad. 1994)). Commentaries on Demons by Fyodor Dostoevsky. 12. Leningrado (Nova York): Academia Soviética de Ciências (em inglês, Alfred A. Knopf, Inc.). p. 715. ISBN 0-679-42314-1  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.