Gentil Cardoso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gentil Cardoso
Informações pessoais
Nome completo Gentil Alves Cardoso
Data de nasc. 5 de julho de 1906
Local de nasc. Recife (PE), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 8 de setembro de 1970 (64 anos)
Local da morte Rio de Janeiro (RJ), Brasil
Apelido Moço Preto
Informações profissionais
Times/Equipas que treinou
1931
1937
1938–1939
1939
1945–1947
1948
1949–1950
1951
1952
1953–1954
1954–1955
1957–1958
1959
1959
1960
1963–1964
1965
1967



Bonsucesso
FBC Rio-Grandense
Vasco da Gama
Rio-Grandense
Fluminense
Corinthians
Flamengo
Cruzeiro-RS
Vasco da Gama
Botafogo
Sport
Bangu
Seleção Brasileira
Santa Cruz
Náutico
Sporting CP
Bangu
Vasco da Gama
America
Ponte Preta
Portuguesa
São Paulo

Gentil Alves Cardoso (Recife, 5 de julho de 1906Rio de Janeiro, 8 de setembro de 1970), foi um treinador de futebol e uma das figuras mais folclóricas do esporte. Gentil Cardoso era torcedor e técnico do Bonsucesso.

Cardoso treinou todas as grandes equipes do Rio de Janeiro (America, Bonsucesso, Bangu, Flamengo[1], Vasco da Gama, Botafogo e Fluminense), além de Ponte Preta, Corinthians[2], Sport[3], Santa Cruz, Náutico, Desportiva e da Seleção Brasileira de Futebol no Campeonato Sul-Americano de 1959. Gentil Cardoso conseguiu campeão pernambucano nas três grandes equipes da capital.

Também ficou conhecido mundialmente pelas suas frases de efeito. A mais conhecida foi "vai dar zebra na cabeça" quando achava que o Bangu, sua equipe na época, seria o campeão carioca de 1966 em cima do poderoso Flamengo, que tinha na época uma grande equipe. Outras frases de Gentil foram:

  • "Quem se desloca recebe, quem pede tem preferência";
  • "O craque trata a bola de você, não de excelência";
  • "Só me chamam pra enterro, ninguém me convida pra comer bolo de noiva" (em alusão ao fato de raras vezes ter sido chamado para treinar equipes bem formadas, quase sempre só era lembrado para assumir o comando de times em crise).
  • "Se a bola é feita de couro, se o couro vem da vaca e se a vaca come capim, então a bola gosta de rolar na grama e não ficar lá por cima; portanto, meus filhinhos, vamos jogar com ela no chão";

A sua frase ao iniciar os trabalhos no Fluminense foi o símbolo da conquista do Campeonato Carioca de Futebol de 1946: "Deem-me Ademir, que eu lhes darei o campeonato."

Nos treinamentos, era comum utilizar-se de um megafone para falar com os atletas.

Início como técnico[editar | editar código-fonte]

Sua vida de técnico começou no Sírio Libanês de Tijuca na zona norte do Rio em 1929/1930, em 1931/1932 foi técnico do Bonsucesso e em 1933 do Olaria. Gentil Cardoso foi ainda técnico do America em 1934 e entre 1942 e 1945, antes de ingressar no Fluminense no final de 1945, onde conquistaria o seu primeiro campeonato estadual ao vencer o Campeonato Carioca de 1946.[4]

Ao sair do America em 1934, por não ter concordado com a contratação de jogadores argentinos, retornou ao Bonsucesso, onde trabalhou em 1935 e 1936, até ser transferido para o Rio Grande do Sul, onde foi técnico do Riograndense em 1937, antes de se transferir para o Cruzeiro de Porto Alegre, onde treinaria o clube em 1938 e 1939.[5]

Gentil e Garrincha[editar | editar código-fonte]

Gentil Cardoso foi o primeiro técnico profissional a treinar o jogador Mané Garrincha. A contratação do ponta botafoguense rendeu uma história curiosa.

No dia em que Mané realizou seu primeiro treino no clube, Gentil não compareceu a General Severiano. Quem comandou a prática foi o filho do treinador, Newton, que não tinha poder algum para oficializar a negociação. Mas, para sorte dos botafoguenses, o treinador apareceu no vestiário quando os jogadores já estavam trocados.

Diante da insistência de Nilton Santos, que tomou um vareio de Garrincha do treino, voltaram para o campo para que Mané fosse avaliado novamente. Depois de entortar a todos, o ponta foi contratado imediatamente com o aval de Gentil.

Títulos[editar | editar código-fonte]

America
Fluminense
Corinthians
Vasco da Gama
Botafogo
Sport
Santa Cruz
Náutico

Referências

  1. Flapédia. «Gentil Cardoso». Consultado em 20 de outubro de 2012. 
  2. AcervoSCCP. «Gentil Cardoso». Consultado em 20 de outubro de 2012. 
  3. Futuro Sport. «Gentil Cardoso». Consultado em 20 de outubro de 2012. 
  4. [Livro Vai dar Zebra, de José Rezende e Raymundo Quadros, páginas 9 a 13.
  5. [Livro Vai dar Zebra, de José Rezende e Raymundo Quadros, páginas 9 a 13.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Fausto Netto: Gentil, o desbravador, Placar, 23/04/1971, No. 58, p. 14. f.
Ícone de esboço Este artigo sobre um treinador de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.