Geocaching

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Geocaching

Geocaching.svg
Logo Internacional do Geocaching[1]

Outros nomes Caching, Caça ao Tesouro
Ano de criação 3 de Março de 2000
Participantes Opcional
Equipamento Receptor GPS ou dispositivo com GPS.

Geocaching é um passatempo e desporto de ar livre no qual se utiliza um receptor de navegação por satélite, como o GPS, para encontrar uma "geocache" (ou simplesmente "cache") colocada em qualquer local do mundo. Uma cache típica é uma pequena caixa (ou tupperware), fechada e à prova de água, que contém um livro de registro e alguns objectos, como canetas, afia-lápis, moedas ou bonecos para troca.

A actividade de geocaching tornou-se possível devido ao fim da imposição da degradação do sinal do sistema GPS denominado Selective Availability em 1 de Maio de 2000. A primeira colocação de uma cache com auxílio de GPS ocorreu em 3 de Maio de 2000 por Dave Ulmer[2]. A localização foi anunciada no newsgroup sci.geo.satellite-nav. Três dias depois tinha sido encontrada duas vezes e registada uma vez.

O Geocaching tornou-se então popular, com um significativo crescimento em todo o mundo. Em 29 de Novembro de 2009 contavam-se 948 950 caches activas em 221 países. Em 31 de Dezembro de 2010 contavam-se 1 265 747 caches activas em 221 países. O que regista um aumento de 316 797 caches em pouco mais de um ano. Todos estes números são anunciados no maior site dedicado ao jogo, o geocaching.com,[3] embora existam outras páginas dedicadas ao jogo, mas com muito menor número de registos.

Geocacher é o termo usado para quem participa nesta actividade lúdica.

Geocaches[editar | editar código-fonte]

Um exemplo de geocache
GPS usado no "jogo" com bússola e altímetro.

Numa cache tradicional, um geocacher coloca um livro de registos, caneta ou lápis e os pequenos tesouros, num saco à prova de água, e depois anota as coordenadas WGS84 (latitude e longitude) da cache. Estas, em conjunto com outra informação sobre o local do esconderijo, são publicadas na Internet. Os outros geocachers, os descobridores, lêem essa página e, com receptores GPS, procuram-na. Quando o conseguem, registam o achado na mesma página. Os Geocachers são livres de colocar ou retirar objectos da cache, normalmente por troca de coisas de pequeno valor, de modo a haver sempre qualquer recordação para trazer.

Algumas caches contêm o que se chama de "travel bugs" ou "geocoins" - objectos que se deverão mover de cache em cache, e cujos percursos são registados online.

Algumas variações:

  • Micro-cache: pequena caixa onde quase só cabe o livro de registo - as mais comuns são caixas de rolo fotográfico 35mm.
  • Multi-cache: necessita de uma visita a um ou mais pontos intermédios para determinar as coordenadas da cache final.
  • Cache-mistério: necessita que o geocacher resolva um puzzle para encontrá-la.
  • Cache-evento: um encontro de geocachers.
  • Virtual: local a visitar sem caixas escondidas mas que supostamente deve ter algo bonito ou interessante. A visita terá que ser provada através da revelação de algo que garanta que o geocacher esteve presente.
  • EarthCache - Uma EarthCache é um lugar especial que as pessoas podem visitar para aprenderem mais sobre a ciência e os fenómenos naturais do nosso planeta. As páginas das EarthCache incluem um conjunto de explicações, juntamente com coordenadas do local a visitar. Ao visitarmos as EarthCaches podemos observar como o planeta foi formado por processos geológicos ao longo dos anos, como lidamos com os seus recursos naturais e é um local onde os cientistas conseguem reunir informações sobre a formação da Terra. Para mais informações sobre as EarthCaches, visitem earthcache.org

Geocaching como um desporto[editar | editar código-fonte]

Muita gente[quem?], incluindo os geocachers, tem dúvidas em classificar o geocaching. Existem várias interpretações: desporto, caça, jogo, atividade ou apenas uma razão para dar uns passeios. O certo é que o geocaching pode obrigar a um esforço físico significativo dependendo da localização da geocache escondida, podendo exigir equipamento especial (material técnico de escalada, ou de mergulho, por exemplo). Mesmo assim, não deixa de ser acessível a todos. As geocaches são classificadas de 1 a 5 consoante o seu nível de dificuldade (esforço total necessário para a encontrar) e igualmente de 1 a 5 consoante a complexidade do terreno e do acesso ao local específico. O grau de dificuldade varia grandemente, havendo desde caches escondidas em parques públicos, monumentos, cidades até altas montanhas, desertos e mesmo na Antárctida. Deste modo cabe a cada um, decidir o tipo de cache que mais se adequada à sua condição física e ao tempo que pretende despender, pois existem cache que podem demoram 3 minutos a encontrar e outras que chegam a demorar horas.

Geocaching e o ambiente[editar | editar código-fonte]

Uma das características que diferencia o geocaching de outras actividades é o esforço feito no sentido de preservar a natureza e criar consciência ambientalista. Para tal, é normalmente pedido aos utilizadores que removam algum lixo das áreas onde praticam geocaching ("Cache In, Trash Out" - CITO) e que deixem as áreas visitadas iguais ou em melhor estado que as encontraram ("Leave No Trace", "Take Nothing But Photos, Leave Nothing But Footsteps"). É usual também a realização de eventos CITO que envolvem milhares de geocachers em todo o mundo limpando uma área em particular.[carece de fontes?]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Estes visam quase sempre uma comemoração, uma actividade física ou apenas encontros "meetup"[nota 1] para trocar experiências e histórias passadas .

Geocaching nos países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Número de caches presentes em países lusófonos num período de um ano[4]:

País 31 de Dezembro de 2010 31 de Dezembro de 2011 Diferença
Angola 17 caches 18 caches +1
Brasil 689 caches 861 caches +172
Cabo Verde 16 caches 20 caches +4
Guiné-Bissau 0 caches 0 caches 0
Macau 10 caches 8 caches -2
Moçambique 27 caches 26 caches -1
Portugal 8 612 caches 13 833 caches +5 221
São Tomé e Príncipe 2 caches 3 caches +1
Timor-Leste 17 caches 27 caches +10

Referências

  1. «Public Domain Geocaching Logo». Consultado em 13 de Agosto de 2016 
  2. «"Avô" do Pokémon Go, Geocaching promove caça ao tesouro pela cidade». Empresa Brasil de Comunicação. 19 de julho de 2016. Consultado em 13 de Agosto de 2016 
  3. Groundspeak.com. «Geocaching.com». Consultado em 22 de maio de 2006 
  4. Groundspeak.com. «Geocaching.com». Consultado em 31 de dezembro de 2011 

Notas

  1. Muitas vezes os meetup's não são identificados. Tal acontece, pois há pessoas que criaram laços de amizade dentro do geocaching, desta forma começam a nascer os grupos habitualmente apelidados de "Geogang xxxx". Assim sendo começam a definir um dia do mês em que se reúnem, pelas mais diversas razões, mas muitas das vezes para planearem "GeoCachadas" (planeamento de rotas ou dias para praticarem a actividade em questão).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Geocaching

Ligações externas[editar | editar código-fonte]