Geografia quantitativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.

O quarto paradigma da geografia é o da Geografia Teórico-Quantitativa ou Nova Geografia. O momento histórico, que se formou e se consolidou esta corrente foi muito marcada pela a situação sócio-econômica que vivia o mundo no pós-Segunda Guerra. O cenário de destruição fez com que os geógrafos buscassem novas formulações para superar a crise econômica capitalista. Esta corrente efetua uma crítica a geografia tradicional pela sua insuficiência da análise tradicional. “Os números servem para o Estado interferir na realidade”. Caracterizada pelo uso de métodos matemático-estatísticos, essa nova geografia desenvolveu-se principalmente nas décadas de 1960 e 70. Na essência buscava a substituição do trabalho de campo pelos experimentos laboratoriais, com muitas mensurações, dados estatísticos, gráficos e tabelas bastante sofisticadas. Foi uma corrente excludente, pouco democrática, já que boa parte desses dados era obtida por sensores e material sofisticado. A própria denominação Teorética, denominação dada a uma vertente dessa corrente, dava a ideia do rompimento com os trabalhos empíricos. A estatística era o principal caminho para se chegar à comprovação de hipóteses e esclarecimentos de fenômenos geográficos.

Principais Características[editar | editar código-fonte]

  • Todo o conhecimento é apoiado na experiência
  • Defende a existência de uma linguagem comum a todas as ciências
  • Recusa o dualismo científico entre as ciências naturais e as ciências sociais
  • Defende um maior rigor na aplicação da metodologia;
  • Usa técnicas de estatística e matemática
  • A investigação científica bem como os seus resultados devem ser expressos de uma forma clara e lógica através de uma linguagem matemática

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

Usada como um forte instrumento do poder estatal uma vez que podia manipular dados através de resultados estatísticos, a Geografia Quantitativa predominou na Grã-Bretanha e EUA principalmente na década de 1960 e até meados da década de 1970.

A partir da década de 1960 a Geografia Quantitativa começou a sofrer críticas bastante duras muito pelo facto de não considerar as particularidades dos fenômenos, como disse Milton Santos , " A geografia quantitativa ou teorética nos traz uma fotografia , uma descrição, e meras descrições não podem ser confundidas com explicações onde estas serão apoiadas pelos métodos científicos" . Uma vez que o método matemático explica o que acontece a dado momento mas não explica os intervalos desse dado momento, não é levado em conta a história de formação destes lugares , a ação do homem dentro do meio e o materialismo histórico, por isso Milton Santos chama esta linha de pensamento de fotografia. A acrescentar a isso apresenta os dados considerando o "todo" como sendo homogéneo desconsiderando assim as particularidades inerentes à vida humana.

Com as críticas a aumentarem de tom o paradigma da Geografia Quantitativa acaba por ser substituído pela Geografia Radical ou Geografia Critica como é conhecido no Brasil. .

Citações de principais autores[editar | editar código-fonte]

No seu primeiro livro, Explanation in Geography, publicado em 1969, David Harvey versa sobre a epistemologia da geografia, ainda no paradigma da Geografia Quantitativa:

"Por tanto, la diferencia entre una hipótesis y una ley de carácter científico sería una cuestión del alcance de comprobación o del grado de confianza.”[1]
“The spatial organisation of the future will develop from existing spatial structures, from trends that have already started, and from new developments which are difficult to forecast.”[2]
"Forma, função, estrutura e processo são quatro termos disjuntivos associados, a empregar segundo um contexto do mundo de todo dia. Tomados individualmente apresentam apenas realidades, limitadas do mundo. Considerados em conjunto, porém, e relacionados entre si, eles constroem uma base teórica e metodológica a partir da qual podemos discutir os fenômenos espaciais em totalidade."[3]
“[...] ‘há métodos científicos para a pesquisa geográfica, mas não métodos geográficos de pesquisa, assim toda pesquisa científica seguiria o mesmo conjunto de procedimentos, o que difere na pesquisa é o objeto de estudo, no caso da Geografia o das organizações espaciais, Em cada ciência, o que a diferencia das demais é o seu objeto. Cada ciência contribui para a compreensão da ordem e da estrutura existentes, e o sector da Geografia é o das organizações espaciais. A abordagem da geografia científica está baseada na observação empírica, verificação de seus enunciados e na importância de isolar aos fatos de seus valores. Ao separar os valores atribuídos aos factos dos próprios factos, a ciência procura ser objetiva e imparcial.”[4]

Referências

  1. HARVEY, David,Exlanation in Geograhy,1969
  2. ABLER,Ronald;GOULD,Peter;ADAMS,John S.Spatial Organization, 1977
  3. SANTOS,Milton,1985
  4. CHRISTOFOLETTI,António, Perspectivas da Geografia,1985

Ligações externas[editar | editar código-fonte]