Georges Feydeau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Georges Feydeau
Nome nativo Georges Léon Jules Marie Feydeau
Nascimento 8 de dezembro de 1862
9.º arrondissement de Paris
Morte 5 de junho de 1921 (58 anos)
Rueil-Malmaison
Sepultamento Cemitério de Montmartre
Cidadania Terceira República Francesa
Ocupação dramaturgo, escritor, autor
Causa da morte sífilis
George Feydeau-La Dame.jpg

Georges Léon Jules Marie Feydeau (Paris, 8 de dezembro de 1862Rueil-Malmaison, 5 de junho de 1921) foi um dramaturgo francês. Ficou particularmente famoso como autor de vaudeville.

Feydeau nasceu em Paris, filho do romancista Ernest-Aimé Feydeau e de Léocadie Bogaslawa Zalewska. Aos 20 anos, ele escreveu seu primeiro monólogo cômico. Quatro anos depois, ele escreveu Tailleur pour dames . Naquele mesmo ano, casou-se com Marianne Carolus-Duran, filha do famoso pintor Carolus-Duran . O casamento garantiu a estabilidade econômica para Feydeau escrever suas obras. No entanto, após 15 anos, o casal se divorciou em 1916.

Feydeau ficou interessado em farsas em 1890, estudando as obras de Eugène Labiche , Henri Meilhac e Alfred Hennequin. Esses artistas o inspiraram a escrever sua obra bem sucedida Champignol malgré lui (1892). Após a estréia deste trabalho, Feydeau ganhou fama a nível nacional e internacional e até mesmo algumas de suas obras foram lançadas no exterior em outras línguas antes de serem apresentadas na França.

Feydeau escreveu mais de 60 trabalhos. Entre os mais famosos são: La Puce à l'Oreille (1907), Cuide de Amelia (1908), O sistema Ribadier (1892), La Dame de chez Maxim (1899) e Hortense a dit: "Je m'en fous! " (1916). 1 Da mesma forma, suas farsas L'Hôtel du libre échange (1894) e Le Dindon (1896) também eram populares.

Embora muitos críticos da época considerassem que suas obras eram entretenimento leve, Feydeau é reconhecido como um dos grandes dramaturgos franceses. Suas obras influenciaram os movimentos surrealistas e Dadaísta e o teatro do absurdo .

Apesar de seu sucesso como dramaturgo, seu alto estilo de vida, jogos de azar e o fracasso de seu casamento causaram grandes problemas econômicos. Durante o inverno de 1918, Feydeau contraiu sífilis . Ele morreu três anos depois, aos 58 anos e foi enterrado no Cemitério de Montmartre.

Peças de teatro[editar | editar código-fonte]

Monólogos[editar | editar código-fonte]

  • La Petite Révoltée
  • Le Mouchoir
  • Un coup de tête
  • J'ai mal aux dents
  • Trop Vieux
  • Un monsieur qui n'aime pas les monologues
  • Aux antipodes
  • Patte en l'air
  • Le Petit Ménage
  • Le Potache
  • Le Billet de mille
  • Les Célèbres
  • Le Volontaire
  • Le Colis
  • Les Réformes
  • L'Homme économe
  • L'Homme intègre
  • Les Enfants
  • Tout à Brown-Séquard !
  • Le Juré
  • Un monsieur qui est condamné à mort
  • Complainte du pauv'propriétaire

Peças inéditas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Georges Feydeau
Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Georges Feydeau