Gerald's Game (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gerald's Game
Jogo Perigoso (PRT/BRA)
 Estados Unidos
2017 •  cor •  103 min 
Direção Mike Flanagan
Produção Trevor Macy
Roteiro Mike Flanagan
Jeff Howard
Baseado em Gerald's Game, de Stephen King
Elenco Carla Gugino
Bruce Greenwood
Gênero suspense psicológico
Música The Newton Brothers
Cinematografia Michael Fimognari
Edição Mike Flanagan
Companhia(s) produtora(s) Intrepid Pictures
Distribuição Netflix
Lançamento Reino Unido 19 de setembro de 2017 (BFI Southbank)
Estados Unidos 29 de setembro de 2017
Idioma inglês

Gerald's Game (Brasil e Portugal: Jogo Perigoso) é um filme de suspense psicológico e terror psicológico estadunidense de 2017, dirigido e editado por Mike Flanagan, e roteiro escrito por Flanagan com Jeff Howard. É baseado no romance de Stephen King de 1992 com o mesmo título, há muito considerado impossível de ser filmado.[1] O filme é estrelado por Carla Gugino e Bruce Greenwood como um casal que chega a uma casa isolada para passar férias. Quando o marido morre de um ataque cardíaco repentino, sua esposa, deixada algemada à cama sem a chave e com pouca esperança de resgate, deve encontrar uma maneira de sobreviver, enquanto luta contra seus traumas do passado.

Gerald's Game estreou mundialmente no BFI Southbank em 19 de setembro de 2017 e foi lançado em 29 de setembro de 2017 pela Netflix. Recebeu críticas muito positivas da crítica de cinema, que elogiou a atuação de Gugino; A direção de Flanagan e os temas do filme e seu tratamento também foram destacados.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Jessie e Gerald chegam a uma casa isolada no lago em Fairhope, Alabama, por algum tempo. Enquanto Gerald toma Viagra, Jessie alimenta um cachorro vadio do lado de fora, mas ao entrar novamente na casa deixa a porta aberta. Jessie muda para uma nova anágua, colocando a etiqueta em uma prateleira acima da cama, e pratica poses sensuais. Gerald toma um segundo Viagra e deixa seu copo d'água na mesma prateleira. Ele restringe Jessie com uma algema em cada pulso presa aos pés da cama; ela parece um pouco surpresa com isso, mas segue em frente. Ele começa a encenar uma estranha fantasia sexual de estupro, dizendo a ela para gritar por socorro, sabendo que ninguém vai ouvir. Ela brinca com indiferença, mas logo fica desconfortável, dizendo a ele para parar e tirar as algemas dela; ele responde: "E se eu não quiser?" Após uma acalorada discussão na qual ele a acusa de nem mesmo tentar reatar o relacionamento, Gerald morre de ataque cardíaco, caindo no chão, deixando Jessie algemada.

O cachorro entra e Jessie tenta espantá-lo, mas ele morde um pedaço do braço de Gerald e o come. Gerald se levanta e começa a falar, mas Jessie percebe que seu corpo permanece no chão. Ele provoca Jessie sobre as verdades de seu casamento tenso e sua disfunção erétil. Ele então informa que ela perdeu horas sem fazer nada e está começando a sofrer de desidratação e fadiga. Jessie miraculosamente tira a mão de um manguito e se liberta. Ela se regozija para Gerald, mas depois se vira e diz a si mesma, a que ainda está presa, que é fácil escapar. Gerald e a autoconfiante Jessie conta coisas sobre si mesma e Gerald que nunca teve coragem de reconhecer. Eles a fazem lembrar do copo d'água acima da cama, que ela consegue alcançar, mas não consegue levar até a boca. As alucinações a lembram da etiqueta que colocou na prateleira, que rola em forma de canudo para chegar até a água.

Jessie adormece, acorda no escuro e vê uma figura alta, deformada e obscura que revela um saco com vários ossos e bugigangas. Ela fecha os olhos e diz: "Você não é real." Mas Gerald parece dizer que a figura é a Morte esperando para levá-la. Gerald começa a chamar Jessie de "Mouse", o que a incomoda. Isso desencadeia uma memória de seu pai, Tom, que carinhosamente se referia a ela como "Mouse", tendo-a sentado em seu colo enquanto ele se masturbava quando ela tinha 12 anos, enquanto os dois assistiam a um eclipse solar. Enquanto Jessie perdia a sensibilidade em seu braço, A visão de Gerald e Jessie de si mesma insultam-na, dizendo que ela nunca se recuperou da agressão e que ela se casou com um homem igual a seu pai.

Gerald provoca Jessie sobre o homem desfigurado que ela viu, a quem ele chama de "o homem feito de luar", e aponta o que ele suspeita ser uma pegada de sangue no chão.

Jessie se lembra de ter cortado a mão naquela noite depois de apertar um copo com muita força quando sua mãe perguntou a ela sobre o eclipse. A Jessie adulta quebra o copo de água e corta o pulso de uma maneira que permite que ela descasque a pele, permitindo que sua mão ensanguentada deslize pela algema. Ela arrasta a cama até a chave e destrava a outra mão. Ela bebe água e faz curativos, mas desmaia no chão por causa da perda de sangue e do cansaço. Quando ela acorda, o "homem feito de luar" está no final do corredor, e ela dá a ele seu anel de casamento para sua bolsa de bugigangas. Ela chega ao carro e vai embora, mas vê o homem novamente no banco de trás. O carro bate em uma árvore, mas saem pessoas de uma casa próxima.

Seis meses depois, Jessie está escrevendo uma carta para ela mesma, aos 12 anos, lutando para escrever com a mão ferida. Vozes e cenas descrevem como ela fingiu estar com amnésia por causa de toda a provação de estar presa, evitando perguntas dolorosas. Ela usou parte do seguro de vida de Gerald para começar uma fundação para vítimas de abuso sexual. Mas a cada noite, o "homem feito de luar" ainda aparece diante dela quando ela adormece. Sua aliança de casamento nunca foi encontrada em casa, e ela soube da notícia sobre um serial killer com acromegalia que desenterra criptas, rouba ossos e joias e come os rostos de corpos masculinos; isso explica por que ele não machucou Jessie na casa e também por que o rosto de Gerald estava desfigurado.

Jessie chega ao tribunal enquanto o homem feito de luar está sendo sentenciado e pede sua atenção. Ele cita o que ela disse antes de sair de casa, indicando que ele estava de fato lá no momento. Vendo também o rosto de Gerald e Tom onde está o rosto dele, ela diz: "Você é muito menor do que eu me lembrava", e caminha triunfante para a rua com o sol brilhando sobre ela.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Carla Gugino como Jessie Burlingame, esposa de Gerald
    • Chiara Aurelia como jovem Jessie
  • Bruce Greenwood como Gerald Burlingame, marido de Jessie
  • Carel Struycken como "homem feito de luar" / Raymond Andrew Joubert
  • Henry Thomas como Tom, marido de Sally e pai de Jessie, Maddie e James
  • Kate Siegel como Sally, esposa de Tom e Jessie, mãe de Maddie e James
  • Adalyn Jones como Maddie
  • Bryce Harper como James
  • Gwendolyn Mulamba como juíza
  • James Flanagan como secretário do Tribunal
  • Dori Lumpin como adolescente
  • Charles Dube como oficial correcional
  • Chuck Borden como oficial do tribunal
  • Mike McGill como oficial do tribunal
  • Natalie Roers como Repórter
  • Nikia Reynolds como Repórter
  • Bill Riales como Repórter

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em 19 de maio de 2014, Deadline Hollywood relatou que Mike Flanagan havia sido definido para dirigir uma adaptação cinematográfica do romance de suspense Gerald's Game de Stephen King, com roteiro de Jeff Howard. Trevor Macy produziu o filme através da Intrepid Pictures.[2]

Em entrevista à Rue Morgue em setembro de 2016, Flanagan afirmou que a adaptação para o cinema seria lançada pela Netflix.[3]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Carla Gugino e Bruce Greenwood foram escalados para interpretar Jessie e Gerald Burlingame, junto com Henry Thomas, Carel Struycken, Kate Siegel e Chiara Aurelia.[4]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As filmagens principais do filme começaram em 17 de outubro de 2016, em Mobile, Alabama.[4][5]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O filme foi lançado em 29 de setembro de 2017, pela Netflix.[6]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Gerald's Game recebeu críticas amplamente positivas. Na revisão do Rotten Tomatoes, o filme mantém um índice de aprovação de 91% com base em 76 comentários, com uma classificação média de 7,58/10. Estados críticos de consenso do site, "Carla Gugino carrega o suspense em pequena escala de Gerald's Game com uma performance que define sua carreira".[7] No Metacritic, que usa uma média ponderada, o filme tem uma pontuação de 77 em 100 com base em 12 críticos, indicando "críticas geralmente favoráveis".[8] Stephen King chamou o filme de "hipnótico, horripilante e incrível".[9]

Referências

  1. «How director Mike Flanagan made Stephen King's 'unfilmable' book into a film». The Independent. 28 de setembro de 2017 
  2. Fleming, Mike Jr. (19 de maio de 2017). «Cannes: Stephen King Novel 'Gerald's Game' To Be Adapted By 'Oculus' Helmer Mike Flanagan And Intrepid Pictures». Deadline Hollywood. Penske Business Media. Consultado em 18 de outubro de 2016 
  3. «Mike Flanagan looks forward to doing justice to Stephen King». Rue Morgue. Marrs Media. Consultado em 18 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2016 
  4. a b Fleming, Mike Jr. (17 de outubro de 2016). «Carla Gugino & Bruce Greenwood Star In Stephen King's 'Gerald's Game' For Netflix». Deadline Hollywood. Penske Business Media. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  5. Boyd, Jared (18 de outubro de 2016). «Producer confirms Stephen King film production in Mobile». AL.com. Advance Local Media. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  6. Coming Soon (23 de agosto de 2017). «Netflix September 2017 Movie and TV Titles Announced». ComingSoon.net. CraveOnline Media. Consultado em 23 de agosto de 2017 
  7. «Gerald's Game (2017)». Rotten Tomatoes. Fandango Media. Consultado em 9 de março de 2020 
  8. «Gerald's Game Reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 29 de setembro de 2017 
  9. Zinski, Dan (12 de fevereiro de 2017). «Stephen King: Netflix's Gerald's Game Movie is 'Horrifying, Hypnotic'». Screen Rant. Consultado em 13 de julho de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]