Gerenciamento integrado de recursos hídricos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A gestão integrada de recursos hídricos (GIRH) foi definida pela Global Water Partnership (GWP) como "um processo que promove a coordenação de desenvolvimento e gestão de água, terra e recursos relacionados, a fim de maximizar a resultante econômico e o bem-estar social de forma equitativa, sem comprometer a sustentabilidade de vital dos ecossistemas".

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento de GIRH foi particularmente recomendada a declaração final de ministros na Conferência Internacional sobre Água e meio Ambiente em 1992 (assim chamados os princípios de Dublin). Este conceito visa promover mudanças nas práticas que são consideradas fundamentais para a melhoria da gestão de recursos hídricos.

Na definição atual, a GIRH repousa sobre três princípios que, juntos, atuam como uma estrutura geral:

  1. Equidade Social: garantir a igualdade de acesso para todos os usuários (especialmente os marginalizados e os pobres grupos de usuários) para uma adequada quantidade e qualidade de água necessária para sustentar humanos bem-estar.
  2. Eficiência econômica: trazer o maior benefício para o maior número de usuários possível com a disposição financeira e de recursos hídricos.
  3. Sustentabilidade ecológica: a exigência de que os ecossistemas aquáticos são reconhecidos como usuários e adequada alocação é feita para sustentar o seu funcionamento natural.

GIRH práticas dependem de contexto; no nível operacional, o desafio é traduzir os princípios acordados em ação concreta.

Implementação[editar | editar código-fonte]

Operacionalmente, a GIRH abordagens envolvem a aplicação de conhecimentos de diversas disciplinas, bem como as percepções dos diversos stakeholders para conceber e implementar eficiente, equitativo e sustentável soluções para água e problemas de desenvolvimento. Como tal, a GIRH é um abrangente, participativa, planejamento e implementação de ferramenta para a gestão e desenvolvimento dos recursos aquáticos em um equilíbrio entre necessidades sociais e econômicas, e que garante a protecção de ecossistemas para as gerações futuras. Água de muitos usos diferentes para a agricultura, para os ecossistemas saudáveis, para que as pessoas e os meios de subsistência, exige uma ação coordenada. Uma abordagem de GIRH é, por conseguinte, trans-sectorial, com o objetivo de ser um processo flexível, e trazendo todas as partes interessadas para a tabela para definir a política e fazer som equilibrado de decisões em situações específicas de água os desafios enfrentados.

Um GIRH abordagem centra-se em três princípios básicos e visa evitar uma abordagem fragmentada da gestão dos recursos hídricos, considerando os seguintes aspectos:

  1. Ambiente propício: Um bom ambiente propício é essencial para garantir os direitos e ativos de todos os atores (indivíduos, bem como o sector público e privado, organizações e empresas), e também para proteger o patrimônio público, tais como intrínseca valores ambientais.
  2. Funções das Instituições: o desenvolvimento Institucional é fundamental para a formulação e implementação de GIRH de políticas e programas. Não correspondência responsabilidades, autoridade e capacidades para a acção, todos são importantes fontes de dificuldade com a implementação de GIRH.
  3. Instrumentos de gestão: Os instrumentos de gestão para a GIRH são as ferramentas e os métodos que permitem e ajudar os tomadores de decisão para fazer racional e informada de optar entre ações alternativas.

Algumas das transversais condições que também são importantes a considerar quando da implementação de GIRH são:

  • Vontade política e o compromisso
  • O desenvolvimento da capacidade de[necessário esclarecer]
  • O investimento adequado, estabilidade financeira e sustentável recuperação de custos;
  • Monitoramento e avaliação.

GIRH deve ser visto como um processo em vez de um one-shot[necessário esclarecer] abordagem - que é a longo prazo e iterativo, em vez de linear na natureza. Como um processo que visa transferir a água de desenvolvimento e gestão de sistemas a partir de suas actualmente insustentável formas, a GIRH tem nenhuma fixo inícios ou finais.

Além disso, não há um modelo administrativo. A arte de GIRH reside em selecionar, ajustar e aplicar a mistura certa de que estas ferramentas para uma determinada situação.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Rahaman, M. M. & Varis, O. 2005. Gestão integrada dos recursos hídricos: evolução, perspectivas e desafios para o futuro. Sustentabilidade: A Ciência, A Prática E Política 1(1):15-21.
  • Biswas,A. K.,Varis,O. & Tortajada, C. (Eds.) 2005. Gestão integrada de Recursos Hídricos no Sul e Sudeste da Ásia. Nova Deli : Imprensa Da Universidade De Oxford.
  • Rahaman, M. M., Varis, O. & Kajander, T. 2004. UE Directiva-Quadro da Água Vs. Gestão Integrada Dos Recursos Hídricos: Os Sete Inadequações. Revista internacional de Desenvolvimento dos Recursos Hídricos, 20(4): 565-575.
  • KUENZER, C., CAMPBELL, I., ROQUE, M., LEINENKUGEL, L., VO QUOC, T. e S. DECH: 2012: Compreender os Impactos das Hidrelétricas Desenvolvimentos no contexto de Montante e a Jusante Relações com a Bacia do Rio Mekong. A sustentabilidade da Ciência, Springer, DOI 10.1007/s11625-012-0195
  • PAG/INBO (2009), guia para a GIRH em Bacias [1]
  • PAG (2009), Provocando mudanças nas políticas de água [2]
  • PAG (2004): Catalisar a Mudança: Manual para o desenvolvimento de GIRH e a eficiência da água de estratégias, [3]
  • PAG (2004): a GIRH e a Eficiência no uso da Água Planos de 2005: Porquê, o Quê e Como?, [4]
  • PAG (2000): Gestão Integrada dos Recursos Hídricos, a TAC Papel de Fundo não. 4 [5]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]