Gerhard Armauer Hansen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gerhard Armauer Hansen
Nascimento 29 de julho de 1841
Bergen
Morte 12 de fevereiro de 1912 (70 anos)
Florø
Cidadania Noruega
Irmão(s) Klaus Hanssen, Johan Irgens-Hansen, Amalie Hansen
Alma mater
Ocupação médico, patologista, biólogo
Prêmios
  • Cavaleiro Primeira Classe da Ordem de Santo Olavo (1892–)
Causa da morte enfarte agudo do miocárdio

Gerhard Henrick Armauer Hansen (Bergen, 29 de julho de 1841 – Florø, 12 de fevereiro de 1912) foi um médico bacteriologista e dermatologista norueguês, conhecido pela identificação do Mycobacterium leprae como o agente causador da hanseníase em 1873.

Vida[editar | editar código-fonte]

Hansen nasceu em Bergen, Noruega, e frequentou a Escola da Catedral de Bergen. Ele trabalhou no Rikshospitalet em Christiania (agora Oslo) e como médico em Lofoten . Em 1868 Hansen retornou a Bergen para estudar lepra enquanto trabalhava no Hospital Lungegård (Lungegårdshospitalet) com Daniel Cornelius Danielssen, um notável especialista.[1]

A hanseníase era considerada em grande parte de origem hereditária ou de outra forma miasmática. Hansen concluiu com base em estudos epidemiológicos que a hanseníase era uma doença específica com uma causa específica.[2] Em 1870-1871, Hansen viajou para Bonn e Viena para obter o treinamento necessário para provar sua hipótese.[3] Em 1873, ele anunciou a descoberta do Mycobacterium leprae nos tecidos de todos os doentes, embora não os identificasse como bactérias, e recebeu pouco apoio.[3] A descoberta foi feita com um microscópio "novo e melhor".[4]

Em 1879, Hansen deu amostras de tecido para Albert Neisser, e anunciou suas descobertas em 1880, alegando ter descoberto o organismo causador da doença. Houve alguma disputa entre Neisser e Hansen, Hansen como descobridor do bacilo e Neisser como identificador dele como agente etiológico. Neisser tentou minimizar a assistência de Hansen. A alegação de Hansen foi enfraquecida por seu fracasso em produzir uma cultura microbiológica pura em um meio artificial, ou em provar que eram infecciosos. Além disso, Hansen tentou infectar pelo menos uma paciente do sexo feminino sem consentimento e, embora nenhum dano tenha sido causado, o caso terminou no tribunal e Hansen perdeu seu cargo no hospital.[5]

Hansen permaneceu como médico para hanseníase na Noruega e foi através de seus esforços que os atos de lepra de 1877 e 1885 foram aprovados, levando a um declínio constante da doença na Noruega de 1 800 casos conhecidos em 1875 para apenas 575 casos em 1901.

Hansen sofria de sífilis desde a década de 1860, mas morreu de doença cardíaca. Ele era ateu.[6][7]

Direitos das mulheres[editar | editar código-fonte]

Ele foi cofundador e membro do conselho da seção de Bergen da Associação Norueguesa para os Direitos da Mulher, liderada por sua irmã, a proeminente defensora dos direitos das mulheres Amalie Hansen.[8][9]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Jay, Venita (2000). «The Legacy of Armauer Hansen». Archives of Pathology & Laboratory Medicine. 124 (4): 496–497. PMID 10747301. doi:10.5858/2000-124-0496-TLOAH 
  2. Irgens L; Rabson, S. M. (1984). «The discovery of Mycobacterium leprae. A medical achievement in the light of evolving scientific methods». Am J Dermatopathol. 6 (4): 337–43. PMID 6388392. doi:10.1097/00000372-198408000-00008 
  3. a b «Gerhard Henrik Armauer Hansen». whonamedit.com. Consultado em 22 de março de 2007 
  4. Bergenseren som løste lepra-gåten Aaftenposten . 16 September 2012
  5. Ole Didrik Lærum. «Gerhard Armauer Hansen, Lege». Norsk biografisk leksikon 
  6. «Gerhard Henrik Armauer Hansen». www.whonamedit.com. Consultado em 30 de julho de 2022 
  7. Gerhard Armauer Hansen (1814–1912) Arquivado 23 dezembro 2016 no Wayback Machine Journal of the Association of Physicians of India, vol 63, March, 2015
  8. Aasen, Elisabeth (2020). Bergens små og store døtre. Bergen: Bodoni forlag. ISBN 978-8284030722.
  9. «Arkivportalen». www.arkivportalen.no. Consultado em 30 de julho de 2022 

Links externos[editar | editar código-fonte]