Gerhard Schröder (CDU)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gerhard Schröder
Gerhard Schröder
Gerhard Schröder
Ministro das Relações Exteriores da Alemanha Ocidental
Período 14 de novembro de 1961
até 30 de novembro de 1966
Antecessor(a) Heinrich von Brentano
Sucessor(a) Willy Brandt
Ministro da Defesa da Alemanha Ocidental
Período 1º de dezembro de 1966
até 20 de outubro de 1969
Antecessor(a) Kai-Uwe von Hassel
Sucessor(a) Helmut Schmidt
Ministro do Interior da Alemanha Ocidental
Período 20 de outubro de1953
até 13 de novembro de 1961
Antecessor(a) Robert Lehr
Sucessor(a) Hermann Höcherl
Membro do Bundestag
Período 7 de setembro de 1949
até 4 de novembro de 1980
Dados pessoais
Nascimento 11 de setembro de 1910
Saarbrücken, Reno, Prússia, Flag of the German Empire.svg Império Alemão
Morte 31 de dezembro de 1989 (79 anos)
Kampen (Sylt),  Alemanha Ocidental
Alma mater Universidade de Bonn
Partido Nazista
(1933–1941)
CDU
(1945–1989)
Religião Luteranismo
Profissão Político e Diplomata
Disambig grey.svg Nota: Se procura por ex-chanceler, veja Gerhard Schröder.

Gerhard Schröder GCC (Saarbrücken,11 de setembro de 1910 - Kampen (Sylt), 31 de dezembro de 1989), foi um político da Alemanha Ocidental e membro do partido União Democrata Cristã (CDU). Ele serviu como Ministro Federal do Interior de 1953 a 1961, como Ministro das Relações Exteriores de 1961 a 1966 e como Ministro da Defesa de 1966 a 1969. Na eleição de 1969, ele concorreu à Presidência da República Federal da Alemanha (Alemanha Ocidental), mas foi superado por Gustav Heinemann.

Vida[editar | editar código-fonte]

O então Ministro do Interior Gerhard Schröder ao lado do Chanceler Konrad Adenauer em 1957.

Filho de um oficial ferroviário, Schröder nasceu em Saarbrücken, na época parte da Província Prussiana do Reno. Após ser aprovado nos exames da Abitur, ele estudou direito na Universidade de Königsberg e dois semestres no exterior na Universidade de Edimburgo, onde, de acordo com seus próprios relatos, se familiarizou com o modo de vida britânico. Em 1932 ele terminou seus estudos em Bonn e se comprometeu com o grupo universitário do Partido Popular Alemão liberal nacional.[1]

Gerhard Schröder no Bundestag em 1971.

Schröder foi aprovado no primeiro e no segundo Staatsexamen em 1932 e 1936. Obteve seu doutorado em 1934 e trabalhou como consultor na Sociedade Kaiser Wilhelm em Berlim. Ainda como referendário em Bonn, aderiu ao Partido Nazista em 1 de abril de 1933 e também à SA. Ele continuou sua carreira como funcionário de um escritório de advocacia e em 1939 obteve um certificado de advogado e trabalhou como advogado tributário. Ele deixou o NSDAP em maio de 1941 (uma ocorrência bastante rara). No mesmo mês e talvez em conexão, ele se casou com sua esposa, Brigitte Schröder nascida Landsberg, precisando - ela era meio judia - de uma permissão extraordinária de seus superiores das Forças Armadas.[2]

Ele ocupou um cargo federal como Ministro do Interior (1953–1961) e como Ministro das Relações Exteriores (1961–1966)[3] nos gabinetes do Chanceler Konrad Adenauer e de Ludwig Erhard. De 1966 a 1969, ele atuou como Ministro da Defesa no governo do Chanceler Kurt Georg Kiesinger.

Em 1969, Gerhard Schröder concorreu ao Gabinete do Presidente Federal (apoiado pela CDU e NPD),[4] mas foi derrotado por Gustav Heinemann, o nomeado do SPD (apoiado pelo FDP), na terceira votação com 49,4% a 48,8% de os votos da Assembleia Federal.

Nos anos que se seguiram à sua atividade política ativa, Schröder manteve um círculo de discussão privado de ex-políticos, diplomatas e funcionários econômicos que filosofavam sobre os problemas globais da nova era, mas não mais intervinham politicamente nos negócios do dia-a-dia. Ele apoiou a administração Reagan e endossou o programa SDI.

Sua última aparição no Bundestag foi em 17 de junho de 1984, quando ele fez o discurso cerimonial da cerimônia de comemoração do levante sangrento de junho de 1953.

Schröder morreu em 31 de dezembro de 1989 em sua casa em Sylt. Após sua morte, o Bundestag alemão o homenageou em 12 de janeiro de 1990 com um ato estadual no plenário. Gerhard Schröder foi enterrado no cemitério da igreja da ilha de St. Severin em Keitum, Sylt.[5]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Torsten Oppelland: Gerhard Schröder (1910–1989). Politik zwischen Staat, Partei und Konfession. Droste, Düsseldorf 2002, ISBN 3-7700-1887-7.
  2. Torsten Oppelland: Schröder, Gerhard. In: Neue Deutsche Biographie (NDB). Band 23, Duncker & Humblot, Berlin 2007, ISBN 978-3-428-11204-3, S. 562 f.
  3. Franz Eibl: Politik der Bewegung. Gerhard Schröder als Außenminister 1961–1966. (= Studien zur Zeitgeschichte. Bd. 60). Oldenbourg, München 2001, ISBN 3-486-56550-8
  4. Stefan Marx, Wolfgang Tischner: Schröder, Gerhard. In: KAS.de , história da CDU
  5. «Katalog der Deutschen Nationalbibliothek». portal.dnb.de (em alemão). Consultado em 2 de janeiro de 2021 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Gerhard Schröder (CDU)