Germain Bazin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Germain Bazin
Nascimento 24 de setembro de 1901
Suresnes, França
Morte 2 de maio de 1990 (88 anos)
Paris, França
Nacionalidade França Francês
Ocupação Historiador de arte, curador e restaurador
Prémios Prémio José de Figueiredo 1963

Germain René Michel Bazin (Suresnes, Altos do Sena, 24 de setembro de 1901 - Paris, 2 de maio de 1990) foi um historiador de arte, curador e restaurador francês. Foi conservador de pinturas do Museu do Louvre. Viajou pelo Brasil, onde estudou a arquitetura religiosa barroca e as obras de Aleijadinho, sobre quem publicou importantes trabalhos.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do engenheiro Charles Bazin e de Jeanne Laurence Mounier, Germain graduou-se história da arte pela Sorbonne, onde estudou com Henri Focillon e Émile Mâle. Em seguida, cursou museologia na École du Louvre. Em 1928, ingressa no departamento de desenhos da École nationale supérieure des beaux-arts de Paris. Em 1937, é indicado para o cargo de curador do departamento de desenhos e pinturas do Museu do Louvre. Exerceu ainda a função de professor na Universidade Livre de Bruxelas.[2]

Entre 1939 e 1940, serviu na infantaria francesa durante a Segunda Guerra Mundial, chegando ao ser apontado para o posto de capitão. Após deixar o exército, auxilia na proteção do patrimônio artístico francês durante a ocupação nazista. Em 1941, retornou à École de Louvre, onde assumiu o cargo de professor de estudos museológicos. Casou-se com Suzanne Heller Bielotzerkowka em 1947.[2]

Em 1951, Bazin é nomeado curador-chefe do Museu do Louvre.[3] Na função, reorganizou as salas de exposição, de forma a refletir a variedade da vasta coleção de arte ocidental do museu. Coordenou o projeto de restauração das pinturas impressionistas no acervo do Jeu de Paume Em 1953, publicou História da arte da pre-historia aos nossos dias, um de seus maiores trabalhos.[2]

Interessou-se por diversos campos da arte, da museologia e da museografia, publicando um grande número de ensaios e catálogos. Visitou o Brasil para estudar a arte de Aleijadinho e arquitetura das igrejas coloniais.[1] Recebeu inúmeros prêmios e honrarias por seu trabalho, incluindo a Legião de Honra, a comenda da Ordem de Leopoldo. Foi eleito membro da Académie des Beaux-Arts do Institut de France em 1975.[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

Germain Bazin escreveu mais de trinta livros sobre história da arte, traduzidos para 17 idiomas.[3] Embora especializado na arte francesa do século XIX, abordou diversos artistas e movimentos culturais, incluindo Hans Memling (1939), Fra Angelico (1941) e Jean-Baptiste-Camille Corot (1942).[2] Publicou ainda História da arte da pré-história aos nossos dias (1953), Barroco e Rococó (1964), História da história da arte: de Vasari aos nossos dias (1986), entre outros.

Dedicou obras à arte colonial do Brasil: Originalidade da arquitetura barroca em Pernambuco (1945-1951), Arquitetura religiosa barroca no Brasil (1955), Aleijadinho e a escultura barroca no Brasil (1963).[1] Seu catálogo raisonné da obra de Theodore Géricault, deixado inacabado por conta de sua morte em 1990, foi postumamente publicado, em 1997.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Grande Enciclopédia Larousse Cultural, 1998, pp. 694.
  2. a b c d e «Bazin, Germain». Dictionary of Art Historians. Consultado em 29 de maio de 2009 
  3. a b «Germain Bazin Dead; Ex-Louvre Curator, 88». The New York Times. Consultado em 29 de abril de 2009 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Vários (1998). Grande Enciclopédia Larousse Cultural. Santana do Parnaíba: Plural. 694 páginas. ISBN 85-13-00757-9 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]