Germaine Acremant

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Germaine Acremant
Nascimento 13 de junho de 1889
Saint-Omer, Pas-de-Calais, França
Morte 1986
Neuilly-sur-Seine, Hauts-de-Seine, França
Nacionalidade Francesa
Cônjuge Albert Acremant
Ocupação escritora
Magnum opus “Ces Dames aux Chapeaux Verts" (As Solteironas de Chapéu Verde)

Germaine Acremant (nascida Poulain[1], em Saint-Omer,Pas-de-Calais, 13 de junho de 1889Neuilly-sur-Seine, Hauts-de-Seine, 1986) foi uma escritora francesa, autora de Ces dames aux chapeaux verts (1922, Prémio Nelly Lieutier) e Gai! Marions-nous! (1927, Prémio Nacional de Literatura).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Edouard Poulain, médico em Saint-Omer, onde ela nasceu e iniciou seus estudos, que foram terminados em Écosse, cidade onde se casou com Albert Acremant. Seu romance "Ces Dames aux Chapeaux Verts" (As Solteironas de Chapéu Verde), de 1921, sátira da vida provinciana, obteve grande sucesso, recebendo o Prêmio Nelly Lieutier e sendo reeditado, com mais de 1,5 milhões de exemplares, traduzido em 25 línguas;[2] foi também filmado, por Maurice Cloche, em 1937. Vieram outros romances, com histórias que se passavam no Norte da França, de Saint-Omer à Etaples, nas colinas de l'Artois, em Boulogne-sur-Mer e outras. O romance "Gai! Marions-nous!" obteve o Prêmio Nacional de Literatura em 1927, e "La Route Mouvante" o Prêmio Mortyon, em 1940. Em 1970, Germaine publicou “Chapeaux Griss… Chapeaux Verts”, uma complementação de seu livro anterior.

Germaine casou com Albert Acremant em 25 de outubro de 1911, e juntos produziram várias comédias para o teatro. Albert fazia as ilustrações dos livros, e também publicou uma coletânea de poesias, "Vers de Couleur", Editions Grasset, em 1910. Tiveram um filho, Jacques Acremant, que se tornou pintor e ilustrador.

Obras principais[editar | editar código-fonte]

  • Ces dames aux chapeaux verts (Prêmio Nelly Lieutier, 1921)
  • La hutte d'acajou
  • La Sarrasine
  • Gai! Marions-nous! (Prêmio Nacional de Literatura, 1927)[3].
  • Le carnaval d'été
  • Gertrude et mon cœur
  • Une petite qui voit grand
  • A l'ombre des célibataires
  • Les ailes d'argent
  • L'enfant aux cheveux gris
  • Le corsage vert pomme
  • Fortune rapide
  • La route mouvante (Prêmio Montyon, 1940.)
  • Arrière-saison
  • Le triomphe du printemps
  • Pastorales
  • Echec au roi
  • Coeur en éclats
  • Chapeaux gris, chapeaux verts (1970)
  • Hier, que j'aimais.
  • La grande affaire
  • Le monsieur de St. Josse
  • Les enchanteresses (1970) (Prêmio Alice-Louis Barthou, Academia Francesa)

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • "Ces dames aux chapeaux verts" – Comédia em 4 atos.
  • "Gai ! Marions-nous !" - Comédia em quarto atos.
  • "Le carnaval d'été" - Comédia em quatro atos.
  • "Une petite qui voit grand" – Comédia em quatro atos.
  • "Gertrude et mon cœur" Comédia em três atos.
  • Quatro comédias em um ou dois atos: "Chut ! Voilà la bonne", "Deux réveillons", "Mon repos", "Une femme dépensière".

Documentário[editar | editar código-fonte]

"Germaine Acremant ou 70 ans d'écriture", filme de Raoul Rossi, em 1986 produzido por "La Manufacture d'Image" na série "Femmes – Régions – Littérature" com a participação do Ministère des Droits de la Femme, Prêmio de Qualidade 1989, com 27 minutes, K Films.

Germaine Acremant em língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Referências

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • Nova Enciclopédia Portuguesa, Ed. Publicações Ediclube, 1996.
  • Bibliothèque Forney' (arts décoratifs, métiers d’art et techniques des métiers, Beaux-Arts, arts graphiques)
  • Bibliothèque Marguerite Durand (Femmes et féminisme)