Gerson Camata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 04 de janeiro de 2019; editado pela última vez em 4 de janeiro de 2019) Twemoji 1f464.svg
Gerson Camata
Gerson Camata
Senador pelo Espírito Santo
Período 1 de fevereiro de 1987
até 31 de janeiro de 2011[nota 1]
40.° Governador do Espírito Santo
Período 31 de março de 1983
até 14 de maio de 1986[nota 2]
Antecessor Eurico Vieira de Resende
Sucessor José Morais
Deputado Federal pelo Espírito Santo
Período 19751983
Deputado Estadual pelo Espírito Santo
Período 19711975
Vereador por Vitória
Período 19671971
Dados pessoais
Nascimento 29 de junho de 1941[1]
Castelo, ES[1]
Morte 26 de dezembro de 2018 (77 anos)
Praia do Canto, Vitória
Progenitores Mãe: Júlia Bragato Camata
Pai: Higino Camata
Alma mater Universidade Federal do Espírito Santo
Cônjuge Rita Camata (1981-2018)
Partido PSDB
Profissão jornalista

Gerson Camata[nota 3] (Castelo, 29 de junho de 1941Vitória, 26 de dezembro de 2018) foi um jornalista e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES),[1] tornou-se conhecido como radialista de algumas emissoras em Vitória, principalmente a partir de 1964 quando apresentou o noticioso policial "Ronda da Cidade" e posteriormente na TV Vitória onde chegou a diretor de jornalismo dos Diários Associados no Espírito Santo.

Sua vida pública teve início quando ingressou na legenda da ARENA ao se eleger vereador em Vitória em 1966. Com o retorno ao pluripartidarismo em 1980, Gerson Camata optou pelo PMDB, e foi eleito governador do Espírito Santo em 1982, com o apoio de uma dissidência do PDS comandada pelo ex-governador Élcio Álvares, atitude essa resultante de uma série de deserções havidas entre as forças políticas situacionistas no estado ao longo dos anos.

Após sua vitória, sofreu uma ameaça de processo com base na Lei de Segurança Nacional por ter supostamente chamado o presidente João Figueiredo de "general mentiroso" durante a campanha eleitoral, fato rechaçado. Já investido no cargo, conheceu a jovem Rita de Cássia Paste, que após o casamento passou a assinar Rita Camata.

Morte[editar | editar código-fonte]

Gerson Camata foi assassinado no dia 26 de dezembro de 2018 com um tiro na Praia do Canto em Vitória. De acordo com o secretário estadual de Segurança Pública, Nylton Rodrigues, o suspeito Marcos Vinícius Moreira Andrade, ex-assessor de Camata, foi preso e declarou, em depoimento, que a motivação foi uma ação judicial movida contra ele por Camata, que resultou no bloqueio de 60 mil reais de sua conta bancária.[4][5]

O governador do Espírito Santo Paulo Hartung manifestou pesar e decretou luto oficial de sete dias no estado.[5]

Notas

  1. Os anos podem ser confirmados no website do Senado.[1]
  2. Foi governador do Espírito Santo pelo PMDB e renunciou para ser o candidato ao Senado.
  3. As fontes consultadas[1][2][3] evidenciam que o antropônimo está registrado sem acento agudo.

Referências

  1. a b c d e Brasil. «Gerson Camata». Senado Federal. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  2. Fachetti, Eduardo (2011). «Ex-senador Gerson Camata fecha com Paulo Hartung». Vitória (ES): Globo. CBN. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  3. Maia, Cecília (12 de janeiro de 2015). «Recesso maternal». Três. IstoÉ Gente. Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  4. «Ex-governador Gerson Camata é assassinado em Vitória». noticias.uol.com.br. 26 de dezembro de 2018. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  5. a b «Gerson Camata, ex-governador do Espírito Santo, é morto com um tiro, em Vitória». g1.globo.com/es. 26 de dezembro de 2018. Consultado em 26 de dezembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Gerson Camata. Perfil do político no Facebook. Visitado em 12 de janeiro de 2015.