Gianni Versace

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o designer de moda. Para sua empresa, veja Versace.
Gianni Versace
Versace em 1982
Nome completo Giovanni Maria Versace
Nascimento 2 de dezembro de 1946
Reggio Calabria, Itália
Morte 15 de julho de 1997 (50 anos)
Miami Beach, Flórida, Estados Unidos
Nacionalidade Italiano
Parentesco Donatella Versace (irmã)
Santo Versace (irmão)
Allegra Versace (sobrina)
Ocupação Estilista
Página oficial
www.versace.com

Giovanni Maria "Gianni" Versace (Italiano: [ˈdʒanni verˈsaːtʃe]; 2 de dezembro de 1946 — 15 de julho de 1997) foi um designer de moda italiano e fundador da Versace, uma famosa marca italiana que produz acessórios, fragrâncias, maquiagem, artigos de decoração e roupas. Ele também projetou roupas para teatro e filmes. Como amigo de Eric Clapton, Diana, Princesa de Gales, Naomi Campbell, Duran Duran, Kate Moss, Madona, Elton John, Cher, Sting, Tupac, The Notorious B.I.G. e muitas outras celebridades, ele foi um dos primeiros estilistas a ligar a moda ao mundo da música.[1] Em 15 de julho de 1997, Versace foi baleado e morto por Andrew Cunanan fora de sua mansão em Miami Beach, Casa Casuarina, aos 50 anos.[2][3][4]

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Giovanni Maria Versace nasceu na cidade de Reggio Calabria, Itália, em 2 de dezembro de 1946, e cresceu com seu irmão mais velho, Santo Versace, e sua irmã mais nova, Donatella Versace, junto com seu pai e mãe costureira, Francesca.[5] Sua irmã mais velha, Tina, morreu aos 12 anos por causa de uma infecção por tétano tratada indevidamente.[6]

Versace foi fortemente influenciado pela antiga história grega, que domina a paisagem histórica de sua terra natal. Frequentou o Liceo Classico Tommaso Campanella, onde estudou latim e grego antigo, sem completar o curso. Ele também foi influenciado por Andy Warhol.[7]

Versace começou sua aprendizagem com poucos anos de idade, no negócio de costura de sua mãe, que empregava até uma dúzia de costureiras.[5] Em 1973, ele se tornou o designer de "Byblos", uma linha juvenil bem sucedida da Genny, e em 1977, ele projetou Complice, outra linha, mais experimental, para Genny.[8] Alguns anos depois, encorajada por seu sucesso, Versace apresentou sua primeira coleção de firma para mulheres no Museo della Permanente de Milão.[9] Seu primeiro desfile seguiu em setembro do mesmo ano. Sua primeira butique foi inaugurada na Via della Spiga, em Milão, em 1978.[10]

Império da moda[editar | editar código-fonte]

Depois de abrir sua butique em Milão em 1978, Versace rapidamente se tornou uma sensação no cenário da moda internacional. Seus designs usavam cores vivas, estampas arrojadas e cortes sensuais, que eram um contraste refrescante com o gosto predominante pelas cores suaves e simplicidade. Sua estética "combinou o classicismo luxuoso com a sexualidade aberta", atraiu muitas críticas além de elogios.[11] Ele é citado dizendo: "Eu não acredito em bom gosto", o que se refletiu em seu "descarado desafio às regras da moda".[11] Um ditado tornou-se referência atual da famosa rivalidade de Versace com Giorgio Armani: "Armani veste a esposa, Versace veste a amante".[12]

Em 1978, Versace construiu a empresa com o apoio de sua família, empregando sua irmã Donatella como vice-presidente e seu irmão Santo como presidente da empresa.[13] O alcance de Donatella se estendeu à supervisão criativa, onde ela atuou como consultora-chave da Versace.[14]

Entre as inovações mais famosas da Versace, estava a invenção, em 1982, de um tipo de cota de malha superleve chamado "Oroton", que se tornou um material de assinatura em suas roupas. Seus ternos foram inspirados mais por sua experiência em alfaiataria feminina, partindo dos modelos masculinos de Savile Row criando trajes que acentuavam a forma masculina e "insistiam em homens como objetos sexuais".[15]

Versace estava muito orgulhoso de sua herança sulista italiana e infundiu seus desenhos com motivos inspirados em movimentos históricos de moda e arte, especialmente arte greco-romana.[14] Isto é evidente no logotipo da empresa, o Medusa Head, e motivos recorrentes como a chave grega. Ele também permitiu que seu amor pela arte contemporânea inspirasse seu trabalho, criando estampas gráficas baseadas na arte de Roy Lichtenstein e Andy Warhol.[11]

Em 1982, a Versace expandiu os negócios para joalheria e utilidades domésticas, projetando móveis de luxo, porcelana e têxteis para casa. Ele era incomum em manter o controle criativo completo sobre todos os aspectos de sua empresa.[16] Em 1989, a empresa expandiu-se para a alta costura com o lançamento do Atelier Versace. Versace tornou-se conhecido por empregar celebridades em suas campanhas de marketing e colocá-las nas primeiras filas de seus desfiles. Acredita-se também que ele tenha inventado a moda da supermodelo dos anos 90, descobrindo e apresentando grandes supermodelos como Naomi Campbell, Christy Turlington e Linda Evangelista, as quais ele apresentou tanto na passarela quanto em suas campanhas publicitárias.[12]

Na época de sua morte, o império de Versace foi avaliado em US$ 807 milhões e incluiu 130 boutiques em todo o mundo.[14]

Designs nos palcos[editar | editar código-fonte]

Ao longo de sua carreira, Versace foi um prolífico designer de figurinos para produções teatrais e artistas performáticos.[17] Ele alegou, "para mim, o teatro é libertação", e seus projetos foram bem servidos por sua propensão para cores ousadas, tecidos, embelezamento e um conhecimento enciclopédico da história da moda.[11] Foi colaborador do La Scala Theatre Ballet de Milão e desenhou os figurinos do balé Josephslegende, de Strauss, em 1982, e Don Pasquale, de Donizetti.[11] Ele também desenhou os figurinos para cinco produções de Béjart Ballet: Dionysos (1984), Leda and the Swan (1987), Malraux ou la Métamorphoses des Dieux (1986), Chaka Zulu (1989) e o Ballet du XXme Siècle.[11][17] Em 1990, ele desenhou os figurinos para a produção Capriccio da Ópera de São Francisco.[18]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Versace conheceu seu parceiro Antonio D'Amico, um modelo, em 1982. Seu relacionamento durou até o assassinato de Versace. Antes de sua morte, Versace foi diagnosticado com câncer de ouvido.[19][20] Durante esse tempo, D'Amico trabalhou como designer para a empresa, tendo se tornado designer-chefe do Istante e do Versus Sport. O testamento de Versace deixou D'Amico com uma pensão vitalícia de 50 milhões de liras (25,822) por mês e o direito de morar em qualquer uma das casas de Versace na Itália e nos Estados Unidos. No entanto, devido à interferência da família Versace, ele obteve apenas uma fração dessas permissões. D'Amico agora administra sua própria empresa de moda.

Versace era conhecida por gostar de suas sobrinhas e sobrinhos: os dois filhos de Santo, Francesca e Antonio, e os dois filhos de Donatella, Allegra e Daniel.[19]

Referências

  1. Horyn, Cathy (6 de outubro de 2013), "Why Fashion Films Are Usually Cartoons", The New York Times , p. 13
  2. Dirk Cameron Gibson, Serial Murder and Media Circuses, Greenwood Publishing Group, 2006. p. 138.
  3. «This Day in History: July 15: Gianni Versace Killed». Maxim. Julho de 2009. Cópia arquivada em 18 de março de 2012 
  4. Tyler Stoddard Smith, Whore Stories: A Revealing History of the World's Oldest Profession, p. 172
  5. a b Ball, Deborah (2 de fevereiro de 2010). House of Versace: The Untold Story of Genius, Murder, and Survival. [S.l.: s.n.] pp. 27, 31–32. ISBN 978-0-307-46240-4 
  6. The New Yorker. [S.l.]: F-R Publishing Corporation. 15 de julho de 2017 – via Google Books 
  7. «How Warhol's Work Influenced Our Wardrobes». BBC News. 27 de abril de 2015 
  8. Gross, Michael (11 de março de 1991). «A portrait of Jenny». New York Magazine. pp. 18–19. Consultado em 4 de setembro de 2015 
  9. Deeny, Godfrey (18 de fevereiro de 2017). «Remembering Gianni Versace: 20 years after the designer's death, we celebrate his enduring legacy». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 27 de setembro de 2017 
  10. Roberts, Paul G. (3 de novembro de 2015). MASTERS OF FASHION Vol 35 Heels Part 1. [S.l.]: Fashion Industry Broadcast. ISBN 9781625906670 
  11. a b c d e f «Gianni Versace». V&A Museum. 17 de outubro de 2003. Consultado em 29 de janeiro de 2018 
  12. a b Bilyaeu, Nancy (15 de janeiro de 2018). «The True Story of Gianni Versace's Murder». Town & Country Magazine. Consultado em 29 de janeiro de 2018 
  13. Kautz, Justin. «Donatella Versace». Encyclopædia Britannica. Consultado em 8 de fevereiro de 2018 
  14. a b c Spindler, Amy M. (16 de julho de 1997). «Obituary: Gianni Versace, 50, the Designer Who Infused Fashion With Life and Art». The New York Times. Consultado em 29 de janeiro de 2018 
  15. «Gianni Versace». V&A Museum. 17 de outubro de 2003. Consultado em 29 de janeiro de 2018 
  16. Davis, Daniel (2011). Versace. [S.l.: s.n.] 
  17. a b «Gianni Versace». American Ballet Theatre. Consultado em 29 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 24 de outubro de 2014 
  18. Fashion Staff (19 de outubro de 1990). «Versace Has Designs on 'Capriccio'». Los Angeles Times. Consultado em 8 de fevereiro de 2018 
  19. a b Levy, Ariel (2006). «Summer for the Sun Queen». New York. Consultado em 24 de junho de 2014 
  20. Cunningham, Jennifer (19 de junho de 2004). «Is there a Versace in the house?; Allegra Beck; Aged 11, she watched TV reports flash up news that her beloved uncle, Gianni Versace, had been shot. Now she stands to inherit a 50% share of the Versace empire. But who is this girl with the power at her fingertips?». The Herald. Plymouth, Inglaterra. Consultado em 2 de novembro de 2015 – via HighBeam Research. (pede subscrição (ajuda)) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]