Gigantophis garstini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Gigantophis)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaGigantophis garstini
Gigantophis JWArtwork.png

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Sauropsida
Ordem: Squamata
Família: Madtsoiidae[1]
Género: Gigantophis
Espécie: G. garstini[1]
Nome binomial
Gigantophis garstini
C. W. Andrews, 1901[2]

Gigantophis garstini ("sepente gigante de Garstin") é uma espécie de cobra pré-histórica que viveu ha cerca de 40 milhões de anos no norte do atual Saara, onde agora ficam Egito[3] e Argélia. Antes da descoberta da Titanoboa cerrejonensis em 2009, a Gigantophis era considerada a maior espécie de serpente já descoberta, com aproximadamente 10 metros de comprimento[4].

Era a única espécie do género Gigantophis, da família Madtsoiidae, de serpentes extintas. A espécie é conhecida por alguns poucos ossos, em sua maioria vértebras.

Tamanho[editar | editar código-fonte]

Jason Head, da Smithsonian Institution em Washington, DC tem comparado às vértebras de fósseis de Gigantophis com aquelas das cobras atuais, concluindo que este poderia crescer até entre 9,3 metros a 10,7 metros de comprimento. Se tiver mesmo sido assim, seria até 10% mais longa do que as maiores espécies atuais [5][6].

Apesar de seu tamanho, ainda não se sabe qual o seu habitat, se marítimo ou terrestre. No entanto, tem sido sugerido que, como a sucuri, a Gigantophis teria sido uma habitante de pântanos e predava animais grandes, do tamanho de gazelas ou até mesmo proboscídeos como o Moeritherium.

Um espécime desta cobra poderia ter sido um habitante de pântanos que caçava presas do tamanho de um gazela ou até maiores, tais como o proboscídeo primitivo Moeritherium.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Andrews, C.W. 1901. Preliminary note on some recently discovered extinct vertebrates from Egypt (Part II). Geological Magazine 8: 434-444.
  • Andrews, C.W. 1906. A descriptive catalogue of the Tertiary Vertebrata of the Fayum, Egypt. British Museum (Natural History), London.

Referências

  1. a b «Gigantophis». The Paleobiology Database. Consultado em 11 de julho de 2012 
  2. «Gigantophis garstini». The Paleobiology Database. Consultado em 10 de julho de 2012 
  3. Editorial, Reuters. «Titanic ancient snake was as long as Tyrannosaurus». Reuters UK (em inglês).  
  4. Editorial, Reuters. «Titanic ancient snake was as long as Tyrannosaurus». Reuters UK (em inglês).  
  5. Um gigante entre cobras New Scientist 11/13/04, Volume 184, Issue 2473. http://www.newscientist.com/article/mg18424732.500-a-giant-among-snakes.html
  6. Head, J. & Polly, D. 2004. They might be giants: morphometric methods for reconstructing body size in the world’s largest snakes. Journal of Vertebrate Paleontology 24 (Supp. 3), 68A-69A.. [S.l.: s.n.].


Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa taxonómica.