Ginástica rítmica do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A ginástica rítmica no Brasil começou a ser praticada na década de 1960.[1] Teve várias denominações, entre elas foi chamada de ginástica moderna e ginástica rítmica moderna e, sendo praticada essencialmente por mulheres, passou a ser chamada de ginástica feminina moderna. Depois, por decisão da Federação Internacional de Ginástica, passou à denominação de ginástica rítmica desportiva e, finalmente, ginástica rítmica.[2]

O Brasil participou da estréia olímpica da ginástica rítmica em 1984, nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, com a ginasta Rosana Favilla, que não se classificou para a final.[1][2]

Em 1992, nos Jogos Olímpicos de Barcelona, Marta Schonharst conseguiu a 41ª colocação entre as 43 ginastas que disputaram o evento. [1][2]

Atualmente, as atletas da seleção brasileira de ginástica rítmica treinam na Universidade do Norte do Paraná (UNOPAR), em Londrina, considerada o berço e maior centro de treinamento de ginástica rítmica no país.[1][2] A primeira grande conquista do Brasil na ginástica rítmica foi a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1999 em Winnipeg (Canadá), sendo que a equipe brasileira que conquistou a medalha era formada apenas por ginastas da UNOPAR.[1]

Em 2000, nos Jogos Olímpicos de Sydney, o conjunto brasileiro conseguiu o seu melhor resultado em uma Olimpíada, ficando em oitavo lugar.[1] Em 2004, nos Jogos Olímpicos de Atenas, o conjunto nacional se classificou à final e também terminou em oitavo lugar.[2]

O Pan-Americano de Santo Domingo, em 2003, representou a edição mais vitoriosa da modalidade para o Brasil, quando o país conseguiu três medalhas de ouro e uma medalha de bronze.[2]

Referências

  1. a b c d e f UOL Esporte - Olimpíadas 2004 - Histórico do Brasil Acessado em 1 de fevereiro de 2017
  2. a b c d e f UOL - Pan 2007 - Londrina é o berço da ginástica rítmica brasileira Acessado em 1 de fevereiro de 2017

Nos anos 60 a Ginástica estava vinculada à CBD, através de um Conselho de Ginástica, assim como as demais atividades esportivas. Na oportunidade um dos Conselheiros, Professora Ilona Peuker, dirigia a GINASTICA FEMININA MODERNA, hoje, GRD. No Brasil, sob orientação da Professora Ilona, a Ginástica Feminina foi evoluindo e surgiram grupos de Ginástica expressivos sendo 1(um) no Rio de janeiro, GUG Grupo Unidos de Ginastas sob direção da Prof Ilona e outro em Minas Gerais, GRUGIM, Grupo de Ginástica de Minas Gerais, sob a direçao da Professora Terezinha Ribeiro Bonfim. Somente foi possível a realização do Primeiro Campeonato Brasileiro da modalidade, quando a Professora Ilona foi orientada a "ceder" parte de suas atletas para o antigo Estado da Guanabara, ( antes tínhamos o atual Estado do Rio de Janeiro dividido em dois, Estado da Guanabara e Estado do Rio de Janeiro), o que possibilitou, com 3_(três) Federações, ou seja, três Estados, a realização do PRIMEIRO CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRD. Autor: Professor Mauricio Duque Bicalho, formado pela Escola de Educaçao Física do Exercito em 1960, e ex Presidente do Conselho de Assessores de Ginástica da antiga CBD, Confederação Brasileira de Desportos. Demais assessores: Professores Siegfried Fischer(RS), Henrique Wilson Labareda Rapesta (RJ), Ilona Peucker (_RJ), Eliel Martins (MG) e o autor do Primeiro livro sobre Ginástica Artista no Brasil, Nestor Soares Publio (SP). Todos, sem exceção, foram convidados para exercer a função pelo Dr Jean Marie G. Havelange, na época, Presidente da CBD. Detalhe, éramos voluntários e trabalhávamos sem remuneração.