Giovanni Bórgia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a criança de filiação misteriosa, veja Giovanni Bórgia (Infante Romano).
Giovanni Bórgia
Duque de Sessa
Condestável de Nápoles
Duque de Gandía
Reinado 1488 - 1497
Gonfaloneiro da Igreja
Reinado 1496 - 1497
Capitão-geral da Igreja
Reinado 1492 - 1503
Cônjuge María Enríquez de Luna
Descendência
Juan de Borja y Enriquez, 3.° Duque de Gandia
Isabel de Borja y Enriquez, abadessa de Santa Clara Gandia
Casa Bórgia
Pai Papa Alexandre VI
Mãe Vannozza dei Cattanei
Nascimento 1474
Roma, Itália
Morte 14 de junho de 1497 (23 anos)
Roma, Itália
Religião Catolicismo
Brasão

Giovanni Bórgia (em espanhol: Juan de Borja y Cattanei; 1474 - 14 de junho de 1497) foi o 2.° Duque de Gandía e 1.° Duque de Sessa. Ele era filho do Papa Alexandre VI e irmão de Cesar Bórgia, Gioffre Bórgia e Lucrécia Bórgia. Giovanni, também conhecido como Juan ou Joan, era o mais velho dos quatro do filhos do Papa com Vannozza dei Cattanei.[1][2] Devido a uma série de bulas papais emitidas após seu assassinato, não fica claro se Giovanni nasceu em 1476 ou 1477, mas muitos acreditam que ele era o filho mais velho ao invés de Cesar.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Giovanni nasceu provavelmente em Roma, filho de Rodrigo Bórgia então cardeal, que mais tarde se tornou o Papa Alexandre VI, e de sua amante Vannozza dei Cattanei, que era casada com Domenico da Rignano. Giovanni se casou com Maria Enríquez de Luna, a noiva espanhola de seu falecido meio-irmão mais velho, Pedro Luis, em setembro de 1493. Foi feito II Duque de Gandía, I Duque de Sessa, Grande Condestável do Reino de Nápoles, governador de São Pedro, e Gonfaloneiro e Capitão-geral da Igreja.

Foi assassinado na noite de 14 de junho de 1497 próximo do que posteriormente se tornou a Piazza della Giudecca no Gueto Romano. Seu pai aflito lançou uma investigação intensa sobre o assassinato, apenas para acabar com ela abruptamente uma semana depois. Embora a família Orsini tivesse motivos de sobra para matar Giovanni, mais tarde houve rumores de que seu irmão Cesare Bórgia teria cometido o assassinado. [carece de fontes?] No entanto, há um outro rumor que seu irmão mais novo Gioffre Bórgia o assassinou devido a relação de Giovanni com Sancha de Aragão, a esposa de Gioffre.[carece de fontes?]. Seu corpo ricamente vestido foi retirado do Rio Tibre, com 30 ducados de ouro intactos na bolsa em seu cinto. Para a tristeza imensa do papa, este ato ocasionou o epigrama de Jacopo Sannazaro sobre o papa como "pescador de homens". Todavia, o assistente dos Bórgias também foi morto, por isso não houve testemunhas conhecidas.[3]

Giovanni e Maria tiveram dois filhos: Juan de Borja y Enríquez (conhecido como Giovanni Borgia)[4], que se tornou o III Duque de Gandía, e Francisca de Jesus de Borja, que se tornou freira num convento em Valladolid. Este segundo Juan foi o pai, entre outros, de São Francisco de Borja.

Referências

  1. Christopher Hibbert: The Borgias and their enemies. Harcourt, Inc. 2008, p. 30
  2. Sarah Bradford: Cesare Borgia. His Life and Times. London 1876, p. 17
  3. Sabatini, II.4.
  4. Salazar y Acha 2010, p. 16

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]