Giovanni Sartori

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Giovanni Sartori no XXI Congresso Mundial de Ciência Política, Santiago de Chile, 2009

Giovanni Sartori (Florença, 13 de maio de 19244 de abril de 2017) foi um cientista político italiano especializado no estudo da política comparada. Sua obra mais destacada é Teoria da democracia.

Em 1946 se licenciou em Ciências Sociais na Universidade de Florença. Enquanto docente de Filosofia Moderna, Lógica e Doutrina de Estado impulsionou a criação da primeira Faculdade de Ciências Políticas na Itália, a Cesare Alfieri. Em 1971 fundou a Revista Italiana di Scienza Politica.

Sartori contribuiu em distintas vertentes da teoria democrática, como na dos sistemas partidários e da engenharia constitucional. Em particular, ele tem afirmado que os sistemas partidários não deveriam ser classificados em função de um critério exclusivamente numérico, mas segundo sua estrutura interna, introduzindo o conceito de partido relevante.

É o autor da expressão "liberismo", com a intenção de designar a doutrina económica liberal, buscando distinguir entre o social-liberalismo, que como ideologia política admitia frequentemente uma ampla intervenção do governo na economia e a teoria econômica liberal, que propõe sua eliminação. Na Itália, o liberismo é identificado com as idéias políticas e econômicas de Gaetano Mosca, Luigi Einaudi e Bruno Leoni, e internacionalmente os seus expoentes são os economistas da chamada escola de Viena, tais como Ludwig von Mises e Friedrich von Hayek ou da escola de Chicago, como Milton Friedman.

É comendador da Ordem do Cruzeiro do Sul, título que lhe foi conferido pelo governo do Brasil, em 1999.[1]

Morreu em 4 de abril de 2017, aos 92 anos, de complicações respiratórias.[2]

Bibliografía[editar | editar código-fonte]

  • Democrazia e Definizioni (1957)
  • Il Parlamento Italiano 1946-1963 (1963)
  • Partiti e Sistemi di Partito (1965)
  • Stato e Politica nel Pensiero di Benedetto Croce (1966)
  • Political Development and Political Engineering (1968)
  • Antologia di Scienza Politica (1970)
  • Correnti, frazioni e fazioni nei partiti politici italiani (1973)
  • Partidos e sistemas partidários (1976)
  • La Politica: Logica e Metodo in Scienze Sociali (1979)
  • Teoria dei Partiti e Caso Italiano (1982)
  • The Influence of Electoral Systems: Faulty Laws or Faulty Method (1986)
  • The Theory of Democracy Revisited (1987)
  • Elementi di Teoria Politica (1987)
  • La Comparazione nelle Scienze Sociali (com L. Morlino, 1991)
  • Democrazia: Cosa E' (1993)
  • La Democracia después del Comunismo (1993)
  • Ingegneria costituzionale comparata (1994)
  • Studi Crociani (vol. I, Croce Filosofo Pratica e la Crisi dell'Etica; vol. II; Croce Etico-Politico e Filosofo della Libertà, 1997)
  • Homo Videns: Televisione e Post-Pensiero (1997)
  • La sociedad multiétnica. Pluralismo, multiculturalismo y extranjeros (2000)
  • La Terra Scoppia: Sovrapopolazione e Sviluppo (com G. Mazzoleni, 2003)
  • Mala Tempora (2004)

Referências

  1. «Biografia di Giovanni Sartori» (em italiano). www.giovannisartori.it 
  2. Casalini, Simona (4 de abril de 2017). «Muore il politologo Giovanni Sartori. Inventò i termini Mattarellum e Porcellum» (em italiano). La Repubblica. Consultado em 4 de abril de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cientista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.