Giphy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Giphy, Inc.
Tipo de sítio Subsidiária
Fundador(es) Jace Cooke
Alex Chung
Serviço Pesquisa, compartilhamento e navegação de GIFs animados
Gênero Plataforma de GIF
Cadastro Opcional
Idioma(s) 32
Lançamento 2013
Sede Nova Iorque, Los Angeles, EUA
Posição no Alexa 571 ()
Endereço eletrônico giphy.com
Estado atual Ativo

Giphy é um banco de dados e mecanismo de pesquisa online americano que permite aos usuários pesquisar e compartilhar vídeos em loop curtos sem som que se assemelham a GIF animados.

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios e história inicial[editar | editar código-fonte]

Giphy foi fundada por Alex Chung e Jace Cooke em fevereiro de 2013.[1] A ideia do negócio surgiu quando a dupla estava tomando café da manhã, refletindo sobre a tendência crescente de comunicação puramente visual.[2]

Quando Chung e Cooke lançaram a Giphy, o site funcionava apenas como um mecanismo de busca para GIFs. De acordo com Chung, a Giphy atraiu cerca de um milhão de usuários durante sua primeira semana e o número estabilizou para 300.000.[3]

A Giphy apresenta o que seus fundadores chamaram de "pesquisa conversacional", em que o conteúdo é levado às conversas dos usuários por meio de uma caixa de pesquisa encontrada em seus aplicativos de mensagens.[4]

Crescimento[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2013, a Giphy expandiu além de um mecanismo de busca para permitir que os usuários postassem, incorporem e compartilhem GIFs no Facebook. Giphy foi então reconhecido como um dos 100 melhores sites de 2013, de acordo com a PC Magazine.[5] Três meses depois, a Giphy integrou-se ao Twitter para permitir que os usuários compartilhem GIFs simplesmente compartilhando o URL de um GIF.

Em maio de 2014, a Giphy levantou US$ 2,4 milhões em uma rodada de financiamento da Série A de investidores, incluindo Quire, CAA Ventures, RRE Ventures, Lerer Hippeau Ventures e Betaworks.

Em março de 2015 adquiriu a Nutmeg, um serviço de mensagens GIF, como um dos primeiros grandes passos da empresa em direção à indústria móvel. Isso coincidiu com o lançamento da própria plataforma de desenvolvimento do Facebook Messenger, na qual se juntou a alguns aplicativos exclusivos em sua estreia.

Em agosto de 2015 lançou seu segundo aplicativo móvel, GIPHY Cam, que permite aos usuários criar e compartilhar GIFs em uma rede social.[6]

Em fevereiro de 2016, a Giphy levantou US$ 55 milhões em financiamento com uma avaliação de US$ 300 milhões.[7]

Em outubro de 2016, anunciou várias estatísticas, incluindo a declaração de que tinha 100 milhões de usuários ativos diários, que servia mais de 1 bilhão de GIFs por dia e que os visitantes assistiam a mais de 2 milhões de horas de conteúdo GIF todos os dias.[8][9]

Em julho de 2017, a Giphy anunciou que tinha 200 milhões de usuários ativos diários entre a API e o site, com cerca de 250 milhões de usuários ativos mensais no site.[10]

Chung anunciou em um evento de fevereiro de 2019 em Nova York que a Giphy estava explorando um esquema de publicidade distinto do modelo do Google, que mostra anúncios de acordo com os históricos de pesquisa dos usuários.[11] A ideia é incorporar publicidade em mensagens privadas. A Giphy está buscando aproveitar esse cenário, pois o banco de dados GIG foi integrado à maioria dos serviços de mensagens.[11]

Aquisição pelo Facebook[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2020, foi anunciado que a Giphy havia sido adquirido pelo Facebook Inc. (hoje conhecido como Meta Platforms), com um preço de compra relatado de US$ 400 milhões. Os serviços do Facebook representaram cerca de metade do tráfego geral do Giphy. A Giphy deveria ser integrado à equipe do Instagram, subsidiária do Facebook, embora o Facebook tenha declarado que não haveria mudanças imediatas no serviço.[12][13] O Facebook descontinuou o programa de publicidade gráfica do Giphy após a compra.[14]

A aquisição enfrentou escrutínio devido a recentes escândalos de privacidade em torno do Facebook.[15] A Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA) argumentou que o acordo era potencialmente anticompetitivo e iniciou uma investigação. Em junho de 2020, a CMA emitiu uma ordem de execução proibindo a Giphy de ser totalmente integrado ao Facebook, aguardando uma decisão futura.[16] Em agosto de 2021, o CMA divulgou conclusões preliminares, argumentando que havia o risco de o Facebook retirar os serviços da Giphy dos concorrentes ou exigir que eles fornecessem mais dados do usuário como condição de serviço. Também mostrou preocupações com a participação de mercado dos serviços de publicidade do Facebook.[17][18][19] Em 30 de novembro de 2021, a CMA decidiu que o Facebook, que neste momento havia mudado seu nome para Meta, seria obrigado a alienar a Giphy.[19]

Parcerias[editar | editar código-fonte]

A Giphy faz parceria com marcas para hospedar GIFs que podem ser compartilhados como promoções de marketing por meio de canais de mídia social. A empresa também criou perfis de artistas no site, que permitem que GIFs sejam atribuídos ao(s) artista(s) que os criaram.[20]

Em setembro de 2014, a Giphy fez parceria com a Line para sediar a competição inaugural de design de adesivos. LINE e GIPHY recrutaram uma equipe de parceiros digitais, incluindo Tumblr, Fox ADHD, Frederator, Cut & Paste, New Museum, Eyebeam, Rhizome, The Webby Awards, Pratt, The Huffington Post e Dribbble para apoiar o evento.[21]

Em agosto de 2015, a Universal Studios fez uma parceria com a Giphy para lançar seis GIFs promovendo o novo filme baseado em NWA, Straight Outta Compton.[22][23]

A Giphy fez parceria com mais de 200 empresas e marcas para hospedar todo o conteúdo existente em seu próprio canal de marca. Os parceiros da Giphy incluem Disney, Calvin Klein, GE e Pepsi.[24][25][26]

Referências

  1. Webbys x Grey Goose: Alex Chung of Giphy-Final.
  2. Franzen, Carl. New GIF Search Engine 'Giphy' Sees 30K Visitors In First Weekend. Talking Points Memo. 4 de fevereiro de 2013.
  3. Winn, Riley (28 de abril de 2019). «The man, the GIF, the legend: An interview with Giphy founder Alex Chung». www.digitaltrends.com. Consultado em 8 de maio de 2019 
  4. Bloom, David (17 de novembro de 2018). «GIPHY Goes Long On Shortest-Form Video». Forbes (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2019 
  5. «Undiscovered: Apps - The Top 100 Websites of 2013 - PCMag.com». PCMAG. Consultado em 20 de novembro de 2014. Arquivado do original em 29 de novembro de 2014 
  6. Crook, Jordan. Giphy cam lets you create and share homemade GIFs. Tech Crunch 20 de agosto, 2105.
  7. UTC, Seth Fiegerman2016-02-16 21:41:26 (16 de fevereiro de 2016). «While other startups struggle, Giphy lands $55 million in a week». Mashable. Consultado em 4 de abril de 2016 
  8. «State of the GIF: Giphy 2016». Giphy. 26 de outubro de 2016. Consultado em 27 de outubro de 2016 
  9. Fingas, Jon (27 de outubro de 2016). «Giphy's GIF service has over 100 million users every day». Engadget. Consultado em 27 de outubro de 2016 
  10. Crook, Jordan. «With 200M daily users, Giphy will soon test sponsored GIFs | TechCrunch». Consultado em 31 de julho de 2017 
  11. a b Sutton, Kelsey (12 de fevereiro de 2019). «Giphy Wants Brands to Advertise in Private Messages». www.adweek.com (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2019 
  12. Gartenberg, Chaim (15 de maio de 2020). «Facebook is buying Giphy and integrating it with Instagram». The Verge (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  13. «Facebook buys popular GIF platform Giphy for $400 million». Digital Trends. 15 de maio de 2020. Consultado em 15 de maio de 2020 
  14. Mark Thompson. «Meta ordered to sell Giphy by UK antitrust authorities». CNN. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  15. O'Flaherty, Kate. «What Is Facebook Going To Do With 700 Million Giphy Users' Data?». Forbes (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2020 
  16. «Facebook's Giphy deal investigated by competition authority». BBC News (em inglês). 12 de junho de 2020. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  17. Aripaka, Pushkala (12 de agosto de 2021). «Facebook may have to sell Giphy on Britain's competition concerns». Reuters. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  18. Beioley, Kate; Bradshaw, Tim (12 de agosto de 2021). «UK regulator calls for Facebook to unwind $400m Giphy deal». Financial Times. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  19. a b Porter, Jon (30 de novembro de 2021). «Meta ordered to sell Giphy by UK regulator». The Verge (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  20. «GIPHY Gif Search Engine Rolls Out Private Artist Profiles To Help Organize, Monetize The Gif Community». TechCrunch. Consultado em 20 de novembro de 2014 
  21. LINE & GIPHY fuel creativity to build a true global language.
  22. Holmes, Mannie. Universal teams with Giphy on “Straight Outta Compton”. Variety 13 de agosto, 2105.
  23. Dove, Jackie. Giphy and LINE jointly launch a new sticker pack for more animated madness. The Next Web 2 de abril.
  24. Heine, Christopher. Subway unleashes 73 GIFs for #januANY campaign. Ad Week 14 de janeiro de 2014.
  25. Johnson, Lauren. Here’s why GIF’s are back in style and bigger than ever for Brands. Ad Week 24 de junho de 2014.
  26. Angio, Joe et al. Digital Maverick 2015. Details 7 de maio de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]