Girgam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Girgam (em língua árabe, Divã) é o nome da crónica real do Império de Canem, e depois Império de Bornu. O termo é também usado para se referir às tradições históricas orais ou escritas nalguns reinos a oeste de Bornu, como os de Daura ou Fica.

História[editar | editar código-fonte]

O Divã foi descoberto em 1851 pelo viajante alemão Heinrich Barth em Kukawa, a capital de Bornu no século XIX.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O seu nome local, Girgam, deriva do termo acádio-sumério girginakku ("biblioteca, caixa para tábuas escritas"). Daí a sua tradução árabe divã ("registo, colecção de escritos").

Descrição[editar | editar código-fonte]

O livro é escrito em língua árabe. Começa com a lista de todos os patriarcas bíblicos (excepto um) antes de Abraão e coloca Sef e Dugu antes e depois de Abraão. A identificação de Sef no século XIII com o herói pré-islâmico iemenita Ceife ibne Di Iazane corresponde a um esforço consciente para colocar a história de Canem e Bornu em linha com a história árabe. A forma de alguns dos nomes patriarcais parece ser autêntica e não derivada de fontes árabes. Consequentemente, é possível dizer-se que existiu uma forma local de transmissão de informação bíblica válida.

O livro fornece o nome de 69 governantes de Canem e Bornu, bem como eventos ocorridos em seus reinados.[2] Livros de escritores árabes como Ibne Saíde Almagribi, Al-Maqrizi e Al-Qalqashandi confirmam as informações do livro.[3] Com base nessas fontes, uma precisa cronologia dos governantes de Canem e Bornu pode ser traçada entre os séculos X e XIX. Após a queda da dinastia sefaua em 1846, os apoiadores da dinastia seguinte, a Canemi, tentaram apagar os registros relativos à dinastia sefauaː com isso, queimaram muitos exemplares do Girgam. Os dois únicos exemplares conhecidos que restaram do Girgam foram os dois usados por Barth.

Referências

  1. BARTH, H. Travels and Discoveries in North and Central Africa. Vol. II, New York, 1857. p. 16.
  2. PALMER, H. R. The Bornu Sahara and Sudan. London. 1936 (tradução inglesa do Divã) p. 89-95
  3. LEVTZION, N. e HOPKINS, J. Corpus of Early Arabic Sources for West African History. Cambridge. 1981. pp. 188, 347, 354-5.

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Lange, Dierk: Le Diwan des Sultans du Kanem-Bornu: Chronologie et histoire d'un royaume africain, Wiesbaden 1977.
  • Lange, Dierk: Ancient Kingdoms of West Africa, Dettelbach 2004 (notes concerning a slightly amended chronology, p. 552).
  • Palmer, Herbert R.: The Bornu Sahara and Sudan, London 1936 (a rough Engl. translation of the diwan, pp. 89–95).