Girlfag e guydyke

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Girlfag ou galfag é uma pessoa do sexo feminino que é atraída por gays ou homens bissexuais; guydyke ou boydyke é um indivíduo do sexo masculino atraído por lésbicas ou mulheres bissexuais.[1] Alguns deles se consideram genderqueer ou queer.[2][3][4] Uma girlfag não é necessariamente uma fag hag (maria purpurina), já que seus interesses por homens gays ou pela subcultura de homens gays não são apenas platônicos.

Guydykes e girlfags podem ter qualquer orientação. Podem ser bissexuais, heterossexuais ou até mesmo pomossexuais e pansexuais.[5] Algumas pessoas que sofrem de disforia de gênero autohomoerótica podem se identificar como transgênero e não como guydykes ou girlfags, embora ainda estejam conectadas ou alinhadas ao seu gênero.[6][7][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Who are girlfags & guydykes? • Girlfags & Guydykes» (em inglês). 25 de maio de 2019. Consultado em 8 de julho de 2021 
  2. author., Hardy, Janet W.,. Girlfag : a life told in sex and musicals. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-938123-01-6. OCLC 858621985 
  3. «Genderqueer and Non-Binary Identities & Terminology» (PDF). safezones.sdsu.edu. 17 de maio de 2011. Consultado em 8 de julho de 2021 
  4. «Dansky, Lee. Sex and single girls: straight and queer women on sexuality - ProQuest». www.proquest.com (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2021 
  5. Hardy •, Janet (16 de abril de 2015). «The Wonderful and Confusing World of Girlfags and Guydykes». Fair Observer (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2021 
  6. Soh, Debra (4 de agosto de 2020). The End of Gender: Debunking the Myths about Sex and Identity in Our Society. [S.l.]: Simon and Schuster. ISBN 978-1-9821-3253-8 
  7. Dutton, Edward; Madison, Guy (13 de agosto de 2020). «Gender Dysphoria and Transgender Identity Is Associated with Physiological and Psychological Masculinization: a Theoretical Integration of Findings, Supported by Systematic Reviews». ISSN 1868-9884. doi:10.1007/s13178-020-00489-z 
  8. «The pathologization of trans-sexuality: Historical roots and implications for sex counselling with transgender clients» (em inglês). 28. 1 de julho de 2019: e54–e60. ISSN 1158-1360. doi:10.1016/j.sexol.2019.06.002