Girto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Girto
Girto e seus irmãos mortos na batalha de Hastings, cena 52 da Tapeçaria de Bayeux.
Conde da Ânglia Oriental
Reinado 1057 – 14 de outubro de 1066
Antecessor(a) Elfgar
Sucessor(a) Raul, o Escudeiro
 
Casa Goduíno
Nascimento 1032
Morte 14 de outubro de 1066 (34 anos)
  Hastings,  Inglaterra
Pai Goduíno de Wessex
Mãe Gytha Thorkelsdóttir

Girto (em latim: Girthus ou Gyrthus; em inglês antigo: Gyrð Godƿinson; c. 1032[1] – 14 de outubro de 1066) foi o quarto filho do conde Goduíno, e, portanto, um irmão mais novo de Haroldo II de Inglaterra. Foi com seu irmão mais velho Sueno para o exílio no Flandres em 1051, mas ao contrário de Sueno ele foi capaz de voltar com o resto do clã no ano seguinte. Junto com seus irmãos Haroldo e Tostigo, Girto esteve presente no leito de morte de seu pai.

Após a morte de seu pai, em abril de 1053, os Goduínos conseguiram manter seu domínio sobre a Inglaterra. Haroldo herdou o condado de Wessex e se tornou o segundo no poder atrás apenas do rei. Girto foi feito Conde da Ânglia Oriental, Cambridgeshire e Oxfordshire em algum momento entre 1055 e 1057.[2] Juntamente com seu irmão Leofivino os condados de Kent, Essex, Middlesex, Hertford, Surrey e provavelmente Buckinghamshire[3] os Goduínos agora controlavam a totalidade do Inglaterra Oriental.

De acordo com Orderico Vital e Guilherme de Malmesbúria, ele tentou (inutilmente) evitar Haroldo de se envolvesse na batalha de Guilherme da Normandia, dizendo que em vez poderia levar as forças inglesas e incitando seu irmão a não quebrar o juramento que havia feito com Guilherme confirmando sucessão deste último. Haroldo, no entanto, ignorou o conselho de Girto. Ele lutou e foi morto na Batalha de Hastings ao lado de seus irmãos Haroldo e Leofivino.

Girto foi retratado pelo ator Malcolm Webster na peça televisiva em duas partes Conquest (1966) da BBC, parte da série Theatre 625.

Referências

  1. Barlow, Vita Ædwardi pp. 7–8.
  2. DeVries, The Norwegian Invasion of England in 1066, pp. 114–115.
  3. DeVries, The Norwegian Invasion of England in 1066, pp. 115.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]