Gliese 221

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gliese 221
Dados observacionais (J2000)
Constelação Orion
Asc. reta 05h 53m 00,28s[1]
Declinação -05° 59′ 41,44″[1]
Magnitude aparente 9,693[2]
Características
Tipo espectral K7V[3]
Cor (U-B) 1,229[2]
Cor (B-V) 1,348[2]
Astrometria
Velocidade radial 40,1 km/s[3]
22,86 ± 0,39 km/s[4]
Mov. próprio (AR) -1,05 mas/a[4]
Mov. próprio (DEC) -346,72 mas/a[4]
Paralaxe 49,3062 ± 0,0529 mas[4]
Distância 66,149 ± 0,071 anos-luz
20,281 ± 0,022 pc
Magnitude absoluta 8,15 ± 0,07 (visual)[5]
7,37 (bolométrica)[5]
Detalhes[3]
Massa 0,637 ± 0,032 M
Raio 0,63 R
Gravidade superficial log g = 4,5 ± 0,1 cgs
Luminosidade 0,095 ± 0,003 L
Temperatura 4040 ± 50 K
Metalicidade [Fe/H] = −0,07 ± 0,10
Rotação v sin i = 1,8 ± 0,1 km/s
Idade 1–5 bilhões de anos
Outras denominações
BD-06 1339, GJ 221, HIP 27803, LTT 2396.[1]
Gliese 221
Orion constellation map.png

Gliese 221 (GJ 221, BD-06 1339) é uma estrela na constelação de Orion. Com uma magnitude aparente visual de 9,69,[2] não é visível a olho nu. De acordo com medições de paralaxe, do segundo lançamento do catálogo Gaia, está a uma distância de 66,1 anos-luz (20,3 parsecs) da Terra.[4] Sua magnitude absoluta é igual a 8,15.[5]

Características[editar | editar código-fonte]

Esta é uma estrela de classe K da sequência principal (anã laranja) com um tipo espectral de K7V (também já classificada como M0V), indicando que é uma estrela menor, mais fria e menos brilhante que o Sol. Tem uma massa estimada em 64% da massa solar e um raio de 63% do raio solar. Sua fotosfera está irradiando 9,5% da luminosidade solar a uma temperatura efetiva de 4 040 K. Gliese 221 tem uma metalicidade inferior à solar, com 85% da abundância de ferro do Sol, e uma idade estimada entre 1 e 5 bilhões de anos.[3] Seu nível de atividade é variável e diminuiu ao longo do período de observação da estrela, permitindo determinação mais precisa do sistema planetário ao redor da estrela.[5]

Sistema planetário[editar | editar código-fonte]

Em 2013 foi publicada a descoberta de dois planetas extrassolares orbitando Gliese 221, detectados por espectroscopia Doppler a partir de 103 medições de velocidade radial da estrela pelo espectrógrafo HARPS, ao longo de um período de oito anos.[5] No mesmo ano, um estudo independente detectou os mesmos planetas, a partir de 61 dados públicos do HARPS mais dados de velocidade radial do espectrógrafo PFS, montado no Telescópio Magellan Clay.[3] Em 2014, uma reanálise desses dados descobriu um terceiro planeta no sistema.[6]

O planeta mais interno do sistema é uma super-Terra com uma massa mínima de 8,5 vezes a massa da Terra. Está próximo da estrela a uma distância de 0,043 UA e leva apenas 3,783 dias para completar uma órbita.[3] Os outros dois são planetas gigantes com massas mínimas de 53 e 29 vezes a massa da Terra (0,17 e 0,07 vezes a massa de Júpiter) e estão a distâncias médias de 0,44 e 1,06 UA da estrela, tendo períodos orbitais de 126 e 500 dias.[3][6]

Observações pelo Telescópio Espacial Spitzer não revelaram sinais de trânsito de Gliese 221 b. As observações não cobriram todo o período orbital, então ainda uma probabilidade de trânsito baixa de 0,53%.[7]

O sistema Gliese 221 [5][6]
Planeta Massa Semieixo maior
(UA)
Período orbital
(dias)
Excentricidade
b >8,5 ± 1,3 M 0,0428 ± 0,0007 3,8728 ± 0,0004 0
c >53 ± 8 M 0,435 ± 0,007 125,94 ± 0,44 0,31 ± 0,11
d >29 M 1,06 500 0

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «BD-06 1339 -- High proper-motion Star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 11 de dezembro de 2017. 
  2. a b c d Koen, C.; Kilkenny, D.; van Wyk, F.; Marang, F. (abril de 2010). «UBV(RI)C JHK observations of Hipparcos-selected nearby stars». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 403 (4): pp. 1949-1968. Bibcode:2010MNRAS.403.1949K. doi:10.1111/j.1365-2966.2009.16182.x 
  3. a b c d e f g Arriagada, Pamela; et al. (julho de 2013). «Two Planetary Companions around the K7 Dwarf GJ 221: A Hot Super-Earth and a Candidate in the Sub-Saturn Desert Range». The Astrophysical Journal. 771 (1): artigo 42, 9 pp. Bibcode:2013ApJ...771...42A. doi:10.1088/0004-637X/771/1/42 
  4. a b c d e Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. arXiv:1804.09365Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  5. a b c d e f Lo Curto, G.; et al. (março de 2013). «The HARPS search for southern extra-solar planets . XXXII. New multi-planet systems in the HARPS volume limited sample: a super-Earth and a Neptune in the habitable zone». Astronomy & Astrophysics. 551: A59, 7 pp. Bibcode:2013A&A...551A..59L. doi:10.1051/0004-6361/201220415 
  6. a b c Tuomi, Mikko (maio de 2014). «A new cold sub-Saturnian candidate planet orbiting GJ 221». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society: Letters. 440 (1): p.L1-L5. Bibcode:2014MNRAS.440L...1T. doi:10.1093/mnrasl/slu014 
  7. Gillon, M. (maio de 2017). «The Spitzer search for the transits of HARPS low-mass planets. II. Null results for 19 planets». Astronomy & Astrophysics. 601: A117, 23 pp. Bibcode:2017A&A...601A.117G. doi:10.1051/0004-6361/201629270 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]