Gliese 710

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gliese 710
Dados observacionais (J2000)
Constelação Serpens (Serpens Cauda)
Asc. reta 18h 19m 50,84s[1]
Declinação -01° 56′ 19,00″[1]
Magnitude aparente 9,656[1]
Características
Tipo espectral K7Vk[1]
Cor (U-B) 1,258[1]
Cor (B-V) 1,365[1]
Variabilidade variável suspeita[2]
Astrometria
Velocidade radial -13,8 ± 0,3 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -0,47 ± 0,13 mas/a[3]
Mov. próprio (DEC) -0,18 ± 0,09 mas/a[3]
Paralaxe 52,35 ± 0,27 mas[3]
Distância 62,30 ± 0,33 anos-luz
19,10 ± 0,10 pc
Magnitude absoluta 8,20 ± 0,07[4]
Detalhes
Massa 0,6[5] M
Raio 0,67[6] R
Gravidade superficial log g = 4,91 cgs[7]
Luminosidade 0,10[8] L
Temperatura 4109[7] K
Metalicidade [M/H] = 0,02 ± 0,02[7]
Rotação v sin i = 6,42 ± 0,78 km/s[9]
Outras denominações
BD-01 3474, GJ 710, HD 168442, HIP 89825, SAO 142227.[1]
Gliese 710
Serpens constellation map.png

Gliese 710 é uma estrela na constelação de Serpens Cauda. Tem uma magnitude aparente de 9,66,[1] sendo invisível a olho nu. Com base em dados de paralaxe, do primeiro lançamento do catálogo Gaia, está localizada a uma distância de 62,3 anos-luz (19,1 parsecs) da Terra.[3]

Gliese 710 é classificada com um tipo espectral de K7Vk,[1] indicando que é uma estrela de classe K da sequência principal (anã laranja), que gera energia pela fusão de hidrogênio em seu núcleo. Tem uma massa estimada em 60% da massa solar,[5] raio de 67% do raio solar[6] e está brilhando com apenas 10% da luminosidade solar.[8] Sua fotosfera irradia essa energia a uma temperatura efetiva de cerca de 4100 K,[7] dando à estrela a coloração alaranjada típica de estrelas de classe K.[10] Seu conteúdo metálico é similar em proporção ao do Sol.[7] Já foi catalogada como uma possível estrela variável que varia entre magnitude 9,65 e 9,69.[2]

Gliese 710 está se aproximando do Sistema Solar com uma velocidade radial de 13,8 km/s e um movimento próprio quase nulo, sendo estimado que passe a uma distância de 13366 ± 6250 UA do Sol em 1,3541 ± 0,0500 milhões de anos, a maior aproximação futura de uma estrela conhecida. Na aproximação máxima, será a estrela mais brilhante e mais rápida no céu, com uma magnitude aparente de −2,74 (3 vezes o brilho atual de Sirius) e um movimento próprio de 52,284 segundos de arco por ano (5 vezes o valor atual da Estrela de Barnard).[3]

Num intervalo de ±10 milhões de anos ao presente, Gliese 710 é a estrela cuja combinação de massa e menor distância causará a maior perturbação gravitacional no Sistema Solar. Ela não deve influenciar a órbita dos planetas, mas vai perturbar significativamente os cometas da Nuvem de Oort. Simulações estimam que a estrela removerá até 0,1% dos cometas da nuvem, com 0,01% caindo em órbitas observáveis no Sistema Solar interno, causando uma chuva de cometas de aproximadamente 10 cometas por ano, que terá intensidade máxima 1 milhão de anos após a passagem da estrela e duração de 3 a 4 milhões de anos.[3]

Referências

  1. a b c d e f g h i j «HD 168442 -- Variable Star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 1 de setembro de 2017 
  2. a b Samus, N. N.; Durlevich, O. V.; et al. (janeiro de 2009). «VizieR Online Data Catalog: General Catalogue of Variable Stars (Samus+ 2007-2013)». VizieR On-line Data Catalog: B/gcvs. Bibcode:2009yCat....102025S 
  3. a b c d e f Berski, Filip; Dybczyński, Piotr A. (novembro de 2016). «Gliese 710 will pass the Sun even closer. Close approach parameters recalculated based on the first Gaia data release». Astronomy & Astrophysics. 595: L10, 4 pp. Bibcode:2016A&A...595L..10B. doi:10.1051/0004-6361/201629835 
  4. Koen, C.; Kilkenny, D.; van Wyk, F.; Marang, F. (abril de 2010). «UBV(RI)C JHK observations of Hipparcos-selected nearby stars». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 403 (4): pp. 1949-1968. Bibcode:2010MNRAS.403.1949K. doi:10.1111/j.1365-2966.2009.16182.x 
  5. a b García-Sánchez, Joan; et al. (fevereiro de 1999). «Stellar Encounters with the Oort Cloud Based on HIPPARCOS Data». The Astronomical Journal. 117 (2): pp. 1042-1055. Bibcode:1999AJ....117.1042G. doi:10.1086/300723 
  6. a b Pasinetti Fracassini, L. E.; Pastori, L.; Covino, S.; Pozzi, A (fevereiro de 2001). «Catalogue of Apparent Diameters and Absolute Radii of Stars (CADARS) - Third edition - Comments and statistics». Astronomy and Astrophysics. 367: p.521-524. Bibcode:2001A&A...367..521P. doi:10.1051/0004-6361:20000451 
  7. a b c d e Franchini, M.; Morossi, C.; Marcantonio, P. Di; Malagnini, M. L.; Chavez, M. (julho de 2014). «The FEROS-Lick/SDSS observational data base of spectral indices of FGK stars for stellar population studies». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 442 (1): p.220-228. Bibcode:2014MNRAS.442..220F. doi:10.1093/mnras/stu873 
  8. a b McDonald, I.; Zijlstra, A. A.; Boyer, M. L. (novembro de 2012). «Fundamental parameters and infrared excesses of Hipparcos stars». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 427 (1): pp. 343-357. Bibcode:2012MNRAS.427..343M. doi:10.1111/j.1365-2966.2012.21873.x 
  9. López-Santiago, J.; et al. (maio de 2010). «A high-resolution spectroscopic survey of late-type stars: chromospheric activity, rotation, kinematics, and age». Astronomy and Astrophysics. 514: A97, 58 pp. Bibcode:2010A&A...514A..97L. doi:10.1051/0004-6361/200913437 
  10. «The Colour of Stars». Australia Telescope, Outreach and Education. Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation. 21 de dezembro de 2004. Consultado em 1 de setembro de 2017