Globeleza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelas mulatas Globeleza, veja Mulata Globeleza.
Globeleza
Logotipo utilizado desde a cobertura de 2015
Informação geral
Formato Programa de variedades
Gênero Musical, Jornalismo
Duração Varia de acordo com a transmissão
País de origem  Brasil
Idioma original (Português)
Produção
Diretor(es) Boninho
Apresentador(es) ver lista
Tema de abertura "Lá Vou Eu, Lá Vou Eu", Jorge Aragão
Empresa(s) de produção Central Globo de Jornalismo
Central Globo de Produção
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
1080i (HDTV)
Transmissão original 8 de fevereiro de 1991 (27 anos) - presente
Cronologia
Programas relacionados Band Folia
SBT Folia

Globeleza é o nome dado à cobertura do carnaval no Brasil feita pela Rede Globo. É também o nome dado à mulata que samba nas vinhetas da emissora, pelo qual consagrou a carreira da dançarina Valéria Valenssa, que durante 14 anos foi a Mulata Globeleza, dançando apenas com o corpo completamente pintado nas vinhetas da emissora designadas para o carnaval. Erika Moura, assumiu o posto no ano de 2015. Em 2012, o programa chegou a perder o primeiro lugar de audiência para a RecordTV.[1]

Cobertura[editar | editar código-fonte]

A cobertura do carnaval é feita de três formas: com flashes durante a programação, com entradas ao vivo nos telejornais da emissora e com transmissões ao vivo nos fins de noite, nas madrugadas e no começo da manhã, (geralmente depois do Big Brother Brasil ou do Fantástico) dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro e São Paulo, além das apurações destes dois desfiles. Durante as transmissões nos períodos citados, há ainda entradas ao vivo ou gravadas de outras cidades, como Salvador (BA), Recife e Olinda (PE).

As transmissões dos desfiles do Rio de Janeiro e de São Paulo, são apresentados desde a década de 1970. Além disso, havia a transmissão dos desfiles de Porto Alegre, a partir de 2008, só para o Rio Grande do Sul. O mesmo que ocorreu em 2013, onde o desfile das escolas de samba da Série A (fusão dos grupos A e B) do Carnaval Carioca passou a ser transmitido só para o estado do Rio de Janeiro[2] e o Especial, cujo nesse ano, não mostrou o início da primeira escola, mostrando a parte final desta e o desfile inteiro.

Em 2014, o canal VIVA foi o responsável por mostrar os desfiles das escolas de samba do Grupo de acesso do Carnaval Paulista e também da Série A do Carnaval Carioca, além do desfile das campeãs e compactos do desfiles dos Grupos especial, que até 2012, eram exibidos em outras TVs abertas.[3][4][5]

Desde 2015, não existe mais a transmissão dos desfiles de Porto Alegre, pela RBS[6] passando os Desfiles das escolas de samba de São Paulo a serem exibidos em todos os estados, exceção do Rio de Janeiro que permanece com a Série A do Carnaval Carioca, embora fosse especulado a divisão, por escolha de cada afiliada da Globo. Em 2015, permaneceram os mesmos "comandantes" do ano anterior, os âncoras de telejornais: Chico Pinheiro e Monalisa Perrone, nos desfiles de São Paulo e no Rio de Janeiro, o locutor esportivo Luís Roberto e a apresentadora Fátima Bernardes.

A Rede Bahia exibe o Bahia Folia: a transmissão do carnaval de Salvador para o estado da Bahia, enquanto que a Rede Globo Nordeste (junto com as afiliadas da Rede Globo em Caruaru e Petrolina) exibe o Galo da Madrugada (no Sábado) e os festejos de Recife e Olinda nos horários que a rede está transmitindo os desfiles das escolas de samba de São Paulo e no lugar dos compactos e apurações dos desfiles do Rio de Janeiro e São Paulo na Segunda e na Terça Feira.

Ainda em 2015, devido a sua programação, a Globo também não exibiu para o Rio de Janeiro, o início da primeira escola de domingo e segunda[7] e o desfile das campeãs do Rio e São Paulo foram apresentados apenas pelo G1, respectivamente por Carlos Gil e a dupla Veruska Donato e Sabina Simonato.[8] No ano de 2016 quase não é mostrado as duas escolas de cada dia do Grupo Especial do Rio, o que refez a emissora mudar de ideia e manter como no ano anterior[9]. Nesse mesmo ano, voltou a ser transmitido os desfiles de Porto Alegre, pela RBS que mostrou apenas o desfile de sábado de carnaval, o que não aconteceu em 2017.[10]

Em 2017 Luís Roberto deixou a transmissão dos desfile do Rio de Janeiro , fazendo com que Alex Escobar até então narrador do desfile da Série A o substituísse. Já em relação a transmissão do segundo grupo, Escobar foi substituído por Carlos Gil. Para 2018, a TV Gazeta, afiliada da Globo no Espírito Santo exibiu para todo o estado o Carnaval de Vitória e para todo o Brasil, através do portal G1[11].

Equipe e Transmissões[editar | editar código-fonte]

Logotipo da cobertura adotado de 2009 á 2012.

Rede Globo[editar | editar código-fonte]

Grupo Especial Apresentadores Comentaristas
Rio de Janeiro Alex Escobar e Fátima Bernardes Milton Cunha e Pretinho da Serrinha
São Paulo Chico Pinheiro e Monalisa Perrone Ailton Graça, Alemão do Cavaco e Celso Viáfora
Repórteres
Rio de Janeiro Ana Luiza Guimarães, André Luiz Azevedo, Ari Peixoto, Fábio Júdice, Flávia Jannuzzi, Lília Teles, Mariana Gross, Mônica Sanches, Mônica Teixeira, Paulo Renato Soares, Pedro Bassan e Tatiana Nascimento
São Paulo Alan Severiano, Ana Paula Campos, André Azeredo, Bruna Vieira, César Menezes, Graziela Azevedo, Jacqueline Brazil, José Roberto Burnier, Michelle Barros, Márcio Canuto, Patrícia Falcoski, Phelipe Siani, Sabina Simonato e Veruska Donato

Apuração[editar | editar código-fonte]

Grupo Especial Apresentadores Comentaristas
Rio de Janeiro Mariana Gross Milton Cunha
São Paulo Carlos Tramontina
Repórteres
Rio de Janeiro Ari Peixoto, Lília Teles e Pedro Bassan
São Paulo Cézar Galvão, Márcio Canuto, Michelle Barros e Patrícia Falcoski

Local Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Série A
Apresentadores Carlos Gil e Mariana Gross
Comentaristas Leandro Vieira e Lucinha Nobre
Repórteres Danilo Vieira, Diego Haidar, Paulo Mário Martins, Pedro Figueiredo, Pricila Chagas, Raphael de Angeli, Raquel Honorato, Régis Rösing, Silvana Ramiro e Susana Naspolini

Local Cidades[editar | editar código-fonte]

Galo da Madrugada Equipe da Globo Nordeste
Carnaval de Vitória
Apresentadores Mário Bonella e Daniela Abreu
Comentaristas Jackson Teodoro e Tatiana Paysan

Ex-apresentadores[editar | editar código-fonte]

Mulatas Globeleza[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Mulata Globeleza
Mulatas Globeleza

A mulata Globeleza é uma personagem promovida pelo canal brasileiro de televisão Rede Globo durante o período de carnaval, no qual a referida emissora promove sua cobertura das festividades sob o nome de Globeleza. Tal personagem surgiu no início da década de 1990 e consiste numa mulata sambando ao som do tema global para o carnaval daquele ano, exibida em vinhetas ao longo da programação diária. As mesmas vinhetas, sempre criadas pelo designer Hans Donner, também consagraram a música-tema da Globeleza, composta pelo sambista Jorge Aragão e conhecida pelo refrão "Na tela da TV, no meio desse povo, a gente vai se ver na Globo". Inicialmente, durante mais de uma década a mulata Globeleza foi interpretada por Valéria Valenssa, mulher do próprio diretor de arte Hans Donner. Em 2004 a Rede Globo coloca no ar uma vinheta com uma Globeleza virtual, apostando em tecnologia, sendo mudado novamente para uma Globeleza de carne e osso quando Giane Carvalho assume o posto em 2005. A partir de 2006, a belíssima Aline Prado assume a função com muito samba no pé e simpatia, ficando como Globeleza por 7 anos (2006-2013), quando deixa o posto para se dedicar a carreira de atriz. Em 2014, no programa Fantástico, Nayara Justino vence o concurso e se torna a Globeleza 2014, e no ano de 2015, quem assumiu o papel de Globeleza foi a dançarina e coreógrafa Erika Moura, a musa conquistou o público que já lhe apelidou como a Cinderela do Samba, e é aclamada como a melhor sucessora de Valéria Valenssa, reinando pela segunda vez em 2016.

Diferente das vinhetas anteriores, a Mulata Globeleza de 2017 não aparece seminua com pinturas ou paetês coloridas. Erika Moura, que reina pela terceira vez em 2017, desta vez aparece em várias caracterizações representando vários tipos de culturas carnavalescas: fantasia tradicional, frevo, axé, maracatu, boi bumbá, e porta-bandeira(samba). Aparece acompanhada com 5 dançarinos(David Caldas, Karoline Morais, Lucas Hive, Mariana Amaral e Douglas Oliveira), exibindo em um fundo branco.

Referências

  1. «Religiosos dão mais audiência do que Carnaval». Folha. 22 de fevereiro de 2012. Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. Alberto João – Carnavalesco (29 de setembro de 2012). «Transmissão da TV Globo dos desfiles da Série A será para todo o Rio e com padrão do Grupo Especial». 15:51. Consultado em 29 de setembro de 2012 
  3. TV Magazine (24 de outubro de 2013). «Viva vai transmitir o Carnaval 2014 junto com a Globo». 10:22. Consultado em 25 de outubro de 2013 
  4. Carnavalesco (21 de outubro de 2013). «Canal Viva pode transmitir desfile das campeãs». 13:36. Consultado em 23 de outubro de 2013 
  5. VIVA (28 de outubro de 2013). «VIVA se une à TV Globo para transmitir o carnaval 2014». 15:29. Consultado em 29 de outubro de 2013 
  6. setor 1 (28 de agosto de 2014). «CONFIRMADO: Carnaval de Porto Alegre não será transmitido pela RBS TV». Consultado em 27 de novembro de 2014 
  7. Carnavalesco (29 de janeiro de 2015). «Grupo Especial: TV Globo não vai transmitir primeira escola de domingo e segunda ao vivo». 12:31. Consultado em 9 de fevereiro de 2015 
  8. G1. «G1 transmite ao vivo desfiles das campeãs de SP e do Rio». Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  9. RD1. «Após pressão das escolas de samba, Globo volta atrás e mantém transmissão do Carnaval do RJ». Consultado em 23 de dezembro de 2015 
  10. Coletiva.net (28 de agosto de 2015). «RBS TV voltará a transmitir desfiles do Carnaval de Porto Alegre». Consultado em 31/14/2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. G1 (1 de fevereiro de 2018). «Carnaval 2018: G1 faz guia do desfile das escolas de samba do ES». Consultado em 3 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.