Gloria Steinem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gloria Steinem
Nascimento Gloria Marie Steinem
25 de março de 1934
Toledo
Residência Estados Unidos
Cidadania Estados Unidos
Cônjuge David Bale
Irmão(s) Susanne Steinem Patch
Alma mater
Ocupação jornalista, escritora, repórter, ativista, ensaísta, editor, conferencista, ativista pelos direitos das mulheres, atriz, ativista de direitos humanos
Prêmios
  • Medalha Presidencial da Liberdade (2013)
  • Humanista do Ano (2012)
  • National Women’s Hall of Fame (1993)
  • Lenda Viva da Biblioteca do Congresso (2000–)
  • Hall da Fama das Mulheres de Ohio
  • Women's Caucus for Art Lifetime Achievement Award (1980)
  • A Medalha do Smith College
  • Prêmio Princesa das Astúrias de Comunicações e Humanidades (2021)
  • Radcliffe Medal (2010)
Empregador Chayanne
Movimento estético feminismo
Página oficial
http://www.gloriasteinem.com
Assinatura
Gloria Steinem signature (cropped).jpg
Gloria Steinem discursa em uma conferência de mulheres na Biblioteca LBJ, Estados Unidos, em 1975.
Gloria Steinem discursa em uma conferência de mulheres na Biblioteca LBJ, Estados Unidos, em 1975.

Gloria Steinem (Toledo, 25 de março de 1934) é uma jornalista estadunidense, célebre por seu engajamento com o feminismo e sua atuação como escritora e palestrante, principalmente durante a década de 1960.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi a única jornalista que conseguiu se infiltrar nos bares da Playboy, como garçonete (também conhecidas como "coelhinhas"), sem que descobrissem sua real profissão. O artigo contando a experiência revela a situação degradante das moças, que precisavam passar uma aura de sofisticação mas raramente recebiam o salário prometido na publicidade dos clubes, eram estimuladas a sair com clientes vip, além de precisar passar por situações que violavam os direitos trabalhistas, como exame ginecológico admissional (desnecessário para a profissão de garçonete) e não receberem o uniforme completo. Além disso, as roupas eram desconfortáveis, muito apertadas, com barbatanas de aço machucando as costelas, e elas trabalhavam muitas horas seguidas em pé, usando saltos extremamente altos.

Gloria Steinem criou e editou a revista feminista Ms.[2] Dentre seus inúmeros artigos, destacam-se "A verdadeira Linda Lovelace" e "Se os homens menstruassem".

No Brasil, foi publicado o livro Memórias da Transgressão, uma coletânea de artigos publicados ao longo de vinte anos de carreira. Também foi lançado em 1992, pela Editora Objetiva, o livro A Revolução Interior - Um Livro de Autoestima, uma das suas obras mais lida nos EUA.

Em 2021 foi distinguida com o Prémio Princesa das Astúrias para a Comunicação e Humanidades.[3]

Prêmios e reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

Alguns dos reconhecimentos por seu trabalho são:[4]

  • Prêmio Penney-Missouri Journalism
  • Prêmio Primeira Página e Clarion, National Magazine, Estados Unidos
  • Prêmio Lifetime Achievement em Jornalismo da Sociedade dos Profissional de Jornalismo
  • Prêmio Sociedade de Escritores das Nações Unidas
  • 1993: National Woman´s Hall of Fame, Estados Unidos[5]
  • 2016: Medalha da Liberdade, entregue pelo presidente Barack Obama, Estados Unidos[6]
  • 2021: Prémio Princesa das Astúrias para Comunicação e Humanidades, Espanha[7]

Obra[editar | editar código-fonte]

Livros:

  • The Beach Book, 1963, Viking Adult
  • Outrageous Acts and Everyday Rebellions, 2012, Open Road [8]
  • Revolution From Within, 2012 [9]
  • Memórias da Transgressão: Momentos da História da Mulher no Século XX, Rosa dos Tempos[10]
  • Minha Vida na Estrada, 2017, Bertrand Brasil [11]
  • The Truth Will Set You Free, But First it Will Piss You Off, 2019 [12]

Referências

  1. «Gloria Steinem biography» (em inglês). biography.com. Consultado em 15 de Maio de 2012 
  2. «The 25 Most Powerful Women of the Past Century» (em inglês). Time specials. 18 de Novembro de 2010. Consultado em 15 de Maio de 2012 
  3. «Feminista Gloria Steinem vence Prémio Princesa das Astúrias para Comunicação e Humanidades». Jornal Expresso. Consultado em 19 de maio de 2021 
  4. «Gloria Steinem (USA) |Chair, Board Emeritus». Equality Now (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  5. «Steinem, Gloria». National Women’s Hall of Fame (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  6. Ohlheiser, Abby (20 de novembro de 2013). «Oprah, Bill Clinton, Gloria Steinem Awarded the Presidential Medal of Freedom». The Atlantic (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  7. Lusa. «Feminista Gloria Steinem vence Prémio Princesa das Astúrias para Comunicação e Humanidades». PÚBLICO. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  8. Steinem, Gloria (15 de maio de 2012). Outrageous Acts and Everyday Rebellions (em inglês). [S.l.]: Open Road Media 
  9. author., Steinem, Gloria,. Revolution from within : a book of self-esteem. [S.l.: s.n.] OCLC 1222798739 
  10. STEINEM, GLORIA. MEMORIAS DA TRANSGRESSAO: MOMENTOS DA HISTORIA DA MULHER NO SECULO XX. [S.l.]: ROSA DOS TEMPOS 
  11. Gloria., Steinem, (2017). Minha Vida Na Estrada. [S.l.]: Bertrand Brasil Editora SA. OCLC 1229924790 
  12. Steinem, Gloria (2019). The truth will set you free, but first it will piss you off : thoughts on life, love, and rebellion. Samantha Dion Baker First edition ed. New York: [s.n.] OCLC 1109409062 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Gloria Steinem
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.