God Save the Queen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
God Save the Queen
Rainha Isabel II do Reino Unido
Hino de Estados independentes

 Reino Unido
 Nova Zelândia (hino real)
Flag of Antigua e Barbuda Antigua and Barbuda  (hino real)
 Austrália (hino real)
 Bahamas (hino real)
 Barbados (hino real)
Flag of Belize Belize  (hino real)
 Canadá (hino real)
Flag of Granada (país) Grenada (hino real)
Flag of Jamaica Jamaica (hino real)
Flag of São Cristóvão e Nevis São Cristóvão e Nevis (hino real)
Flag of Tuvalu Tuvalu (hino real)
Territórios
Flag of Jersey Jersey
Flag of Guernsey Guernsey
Flag of Ilha de Man Ilha de Man (hino real)
Flag of Tokelau Tokelau
Flag of Anguilla Anguilla
Flag of Bermudas Bermuda
Flag of Território Antártico Britânico Território Antártico Britânico
Flag of Território Britânico do Oceano Índico Território Britânico do Oceano Índico
Flag of Ilhas Virgens Britânicas Ilhas Virgens Britânicas
Flag of Ilhas Cayman Ilhas Caimão
Flag of Ilhas Malvinas Falkland Islands
Flag of Gibraltar Gibraltar
Flag of Montserrat Montserrat
Flag of Ilhas Pitcairn Ilhas Pitcairn
Flag of Santa Helena (território) Santa Helena
Flag of Ilhas Geórgia do Sul e Sandwich do Sul Ilhas Geórgia do Sul e Sandwich do Sul
Alt text
Flag of Ilhas Turks e Caicos Turks e Caicos

Letra Desconhecido
Composição John Bull

"God Save the Queen"[1] (alternativamente "God Save the King") é um hino usado em certos países dos Reinos da Comunidade de Nações, territórios e depêndencias da coroa britânica. [2] As palavras e título são adaptados para o gênero do atual monarca do Reino Unido, por exemplo, a substituição de "Rainha" (Queen) com "Rei" (King), "ela" (She) com "ele" (Him), e assim por diante, quando um rei reina. O autor da música é desconhecido, mas uma atribuição de 1619 é feita à John Bull como autor da canção.

God Save the Queen é o hino nacional de facto britânico e tem esse papel em alguns territórios britânicos ultramarinos. É um dos dois hinos nacionais da Nova Zelândia (desde 1977) e de vários territórios da Grã-Bretanha que têm o seu próprio hino local adicional. É o hino real da Austrália (desde 1984), Canadá (desde 1980[3] ), Barbados, Jamaica, e Tuvalu. Nos países não previamente parte do Império Britânico, o som de "God Save the Queen" forneceu a base para várias canções patrióticas, embora ainda geralmente ligadas com a cerimônia real[4] . Nos Estados Unidos, a música é utilizada como base da patriótica "My Country, 'Tis of Thee."

Além de seu primeiro verso, que é consistente, há muitas versões históricos existentes; desde a sua primeira publicação, versos diferentes foram adicionados e subtraídos e, ainda hoje, diversas publicações incluem várias seleções de versos em várias ordens diferentes. [5] Em geral, apenas um verso é cantado. Às vezes dois versos são cantados; e em raras ocasiões, três.[6]

O soberano e sua consorte são saudados com o hino inteiro, enquanto que os outros membros da família real que têm direito à Saudação Real (como o Príncipe de Gales) recebem apenas os primeiros seis versos. As primeiras seis linhas também fazem parte da saudação ao Vice-rei em alguns reinos da comunidade fora do Reino Unido (por exemplo, no Canadá, em que os governadores gerais e governadores tenentes em eventos oficiais são saudados com os primeiros seis versos de "God Save the Queen" seguindo os quatro primeiros e últimos quatro versos de "O Canada"), bem como a saudação dada aos governadores de territórios britânicos ultramarinos.

História[editar | editar código-fonte]

God Save the Queen é cantada pelo público na St Giles' Fair, em Oxford, 2007.

No The Oxford Companion to Music, Percy Scholes dedica cerca de quatro páginas a este assunto,[7] apontando as semelhanças com um início de uma melodia de cantochão, embora o ritmo seja muito parecido com o de uma galharda, e ele dá exemplos de várias músicas de dança que têm uma semelhança impressionante com "God Save the Queen". Scholes cita uma partitura do compositor John Bull (1619), que tem algumas semelhanças com a música moderna, dependendo da colocação de acidentes que na época não eram escritos em certos casos e deixados ao critério do tocador (ver Música ficta). Ele também aponta várias peças de Henry Purcell, uma das quais inclui as notas de abertura da música moderna, prevista para as palavras "God Save the King". George Frideric Handel usou a melodia como tema de variação em 'Sarabande' para sua Suite No.4 em Mi menor, HWV 429, composta antes de 1720.[8]

Estudiosos do século XIX e comentaristas mencionam a crença generalizada de que uma velha canção escocêsa, "Remember O Thou Man" foi a fonte da música.[9] [10]

A primeira versão publicada do que é quase a melodia atual apareceu em 1744 no Musicus Thesaurus. A versão de 1744 da música foi popularizada na Escócia e na Inglaterra no ano seguinte, com o desembarque de Carlos Eduardo Stuart e foi publicado na The Gentleman's Magazine (veja ilustração acima).

A análise de Scholes inclui menções de reivindicações "insustentáveis" e "duvidosas". Algumas delas são:

  • O francês Marquise de Créquy escreveu em seu livro "Souvenirs", que a música Grand Dieu Sauve Le Roi, foi escrita por Jean-Baptiste Lully[11] em gratidão pela sobrevivência de Luís XIV da França de uma operação de fístula anal. A faca cirúrgica que foi construída propositadamente para a ocasião esta exposta no Museu d'histoire de la médecine. [12] Lully melodiou as palavras da Duquesa de Brinon para formar a música e Créquy afirma a melodia mais tarde foi plagiada por Handel. Traduzida em latim com o nome de Domine, Salvum Fac Regém, tornou-se o hino francês até 1792. .[13] Depois da Batalha de Culloden, a dinastia de Hanôver supostamente teria adotado esta melodia como hino britânico.
  • James Oswald: Ele é um possível autor de Thesaurus Musicus, e isso pode ter desempenhado um papel na história da música, mas não é um candidato forte o suficiente para ser citado como o compositor da melodia.
  • Dr. Henry Carey: Scholes refuta essa atribuição, em primeiro lugar, com o fundamento de que Carey nunca fez tal afirmação. Em segundo lugar, quando o pedido de reconhecimento foi feito pelo filho de Carey (no final de 1795), foi acompanhada por um pedido de pensão do governo britânico a esse respeito. Em terceiro lugar, o mais jovem dos Carey afirmou que seu pai tinha escrito partes dela em 1745, apesar do Carey mais velho tenha vindo a morrer em 1743. Também foi alegado que o trabalho foi tocado pela primeira vez publicamente por Carey durante um jantar em 1740 em honra do almirante Edward "Grog" Vernon, que havia capturado um navio espanhol.

Scholes recomenda a atribuição "tradicional" ou "tradicional; mais antiga versão conhecida por John Bull (1562-1628)". O English Hymnal (editor musical Ralph Vaughan Williams) não dá nenhuma atribuição, afirmando apenas “século dezessete ou dezoito”. [14]

Uso no Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Poster of blimp above London at nighttime, with the text "It is far better to face the bullets than to be killed at home by a bomb. Join the army at once & help to stop an air raid. God save the King".
A frase "God Save the King" permanece nos cartazes de solicitação do exército nas forças da nação.

"God Save the Queen" é o hino nacional do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. Como muitos aspectos da vida constitucional britânica, o seu estatuto oficial deriva do costume e uso, não de proclamação Real ou lei do Parlamento. Em geral apenas um ou dois versos são cantados, mas em raras ocasiões, três. [6] A variação na Grã-Bretanha das letras de "God Save the Queen" é a mais antiga entre as que são atualmente utilizadas, e forma a base sobre a qual todas as outras versões utilizadas em todo o Commonwealth são formados, embora, mais uma vez, as palavras tenham variado ao longo destes anos.


Inglaterra (como distinto do Reino Unido, incluindo Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) não tem nenhum hino nacional oficial próprio, "God Save the Queen" é tratado como o hino nacional inglês quando a Inglaterra é representada em eventos esportivos (apesar de existirem algumas exceções a esta regra). Há um movimento para estabelecer um hino nacional inglês, com a canção de William Blake e Hubert Parry, "Jerusalem" e composta por Edward Elgar, "Land of Hope and Glory". Escócia e Gales têm seus hinos próprios para eventos políticos e nacionais e para uso a nível internacional para futebol, Rugby e outros esportes em que essas nações competem de forma independente. [15] Em todas as ocasiões o hino nacional do País de Gales é "Hen Wlad Fy Nhadau" (“Terra de meus pais”). A Escócia não tinha nenhum hino próprio; "Scotland the Brave" foi tradicionalmente usado até a década de 1990, quando "Flower of Scotland" foi adotado. Na Irlanda do Norte, "God Save the Queen" ainda é usado como hino oficial.

Desde 2003, "God Save the Queen", considerado um hino inclusivo para Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte, assim como outros países da Commonwealth, foi retirado dos Jogos da Commonwealth. Os atletas da Irlanda do Norte recebem suas medalhas de ouro ao som de "Londonderry Air", popularmente conhecida como "Danny Boy". Em 2006, os vencedores ingleses ouviram a composição de Elgar, Pomp and Circumstance Marches, geralmente conhecida como "Land of Hope and Glory",[16] mas depois de uma pesquisa conduzida pelo Conselho da organização dos jogos antes de 2010, "Jerusalém" foi adotado como novo hino da Inglaterra nos Jogos da Commonwealth. Nos esportes em que o Reino Unido concorre como uma nação, mais notadamente como Grã-Bretanha nos Jogos Olímpicos, "God Save the Queen" é usado para representar qualquer pessoa ou equipe que vem do Reino Unido.[15]

A própria rainha se abstém de cantar a música quando é tocada em sua presença.

Letras na Bretanha[editar | editar código-fonte]

A frase "God Save the King" é muito mais antiga do que a música, aparecendo, por exemplo, várias vezes na Bíblia do Rei Jaime. [17] Zadoque, o Sacerdote possui base nos versículos da bíblia, "...E todas as pessoas rejubilaram, e disseram: Deus salve o Rei! Vida longa ao Rei! Que o rei viva para sempre, Amém", sendo cantado em toda Coroação do monarca britânico desde o Edgar da Inglaterra em 973.[18] Scholes afirma que em 1545 "God Save the King" era uma senha da Marinha Real Britânica, com a resposta sendo "Long to reign over us".[19] [20] Ele também observa que a oração lida nas igrejas em aniversários da Conspiração da Pólvora inclui palavras que poderiam ter feito parte da base para o segundo verso "Scatter our enemies... assuage their malice and confound their devices".

Em 1902, o músico William Hayman Cummings, citando correspondências de meados do século 18 entre Charles Burney e Sir Joseph Banks, propôs que as palavras foram baseados em um verso latino composto por Jaime II da Inglaterra na Capela Real.

Cquote1.svg
O Deus Optime
Salvum nunc facito
Nostrum Regém;
Sic laeta victoria
Vem et gloria
Salvum jam facito
Tu Dominum[21]
Cquote2.svg

Versão padrão no Reino Unido[editar | editar código-fonte]

God Save The Queen

God save our gracious Queen,
Long live our noble Queen,
God save The Queen:
Send her victorious,
Happy and glorious,
Long to reign over us:
God save The Queen.
O Lord our God arise,
Scatter her enemies,
And make them fall:
Confound their politics,
Frustrate their knavish tricks,
On Thee our hopes we fix:
God save us all.
Thy choicest gifts in store,
On her be pleased to pour;
Long may she reign:
May she defend our laws,
And ever give us cause
To sing with heart and voice
God save The Queen!

Quando o monarca do momento é do sexo masculino, "The Queen" é substituído por "King" e todos os pronomes femininos (em negrito) são substituídos por pronomes masculinos. Além disso, as letras do versículo 3 (itálico) são ligeiramente modificadas para ler: "With heart and voice to sing, God save the King".

Não há versão definitiva das letras. No entanto, a versão que consiste nos três versos reproduzidos na caixa amarela no lado direito tem sido considerada como a versão "padrão" britânica, aparecendo não só na Gentleman's Magazine de 1745, mas também em publicações como The Book of English Songs: From the Sixteenth to the Nineteenth Century (1851),[22] National Hymns: How They Are Written and How They Are Not Written (1861),[23] Household Book of Poetry (1882),[24] e Hymns Ancient and Modern, Revised Version (1982).[25] Multidões inglesas (por exemplo, em jogos da seleção nacional de futebol) às vezes cantam "God save our Queen", em vez de "God save the Queen."

A mesma versão com o versículo dois omitido aparece em publicações como Scouting for boys(1908),[26] e no site da monarquia do Governo britânico, "Monarchy Today".[27] No jubileu de Ouro da rainha, na festa no concerto do palácio, Carlos, Príncipe de Gales referiu-se em seu discurso ao "politicamente incorreto segundo verso" do hino nacional. De acordo com o "Rule, Britannia," de Alan Michie que foi publicado em 1952 após a morte do rei Jorge VI do Reino Unido, mas antes da coroação da rainha Isabel II, a primeira Assembléia Geral da ONU foi realizada em Londres, em janeiro de 1946, e o Rei, em honra da ocasião, "ordenou que a beligerante e imperiosa segunda estrofe de 'God Save the King' deveria ser reescrita para trazê-la mais para o espírito da fraternidade das nações."

No Reino Unido, o primeiro verso é o único verso cantado normalmente, mesmo em ocasiões oficiais; embora o terceiro verso seja cantado em raras ocasiões, e, geralmente, no Last Night of the Proms. Na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Pequim de 2008, o quarto verso da letra alternativa de William Edward Hickson foi cantada em vez do terceiro verso.

Versões britânicas alternativas[editar | editar código-fonte]

Existiram várias tentativas para melhorar a música ao reescrever as palavras da letra. No século XIX houve um debate animado sobre o hino nacional. Notavelmente, surgiu a questão sobre a frase "scatter her enemies". Alguns pensaram que para melhor colocar a ênfase no respectivo poder do Parlamento e da Coroa seria bom mudar "her" para "our"; outros mostraram que a teologia mostrava-se duvidosa e queriam inserir a palavra "thine". Sydney G.R. Coles escreveu uma versão completamente nova, assim como Canon FK Harford. [28] Em 1836, William Edward Hickson escreveu quatro versos alternativos. O primeiro, o terceiro e o quarto destes versos são acrescentados ao hino nacional no Hinário Inglês.

Versão alternativa de William Hickson[editar | editar código-fonte]

A versão alternativa de William Hickson (1836) inclui os seguintes versos, dos quais o primeiro, o terceiro e o quarto têm alguma semelhança como eles são acrescentados ao hino nacional no Hinário Inglês. O quarto verso foi cantado após o primeiro verso tradicional para o Queen's Golden Jubilee National Service of Thanksgiving em 2002, e durante o hasteamento da bandeira da união durante a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2008.

Versão oficial da paz[editar | editar código-fonte]

Uma versão menos militarista da canção, intitulada "Official peace version, 1919", foi publicada pela primeira vez no livro de hinos Songs of Praise em 1925[29] . Esta era "oficial" no sentido de que foi aprovado pelo Mais Honorável Conselho Privado de Sua Majestade em 1919. No entanto, apesar de ter sido reproduzido em alguns outros livros de hino, é uma versão pouco conhecida atualmente. [30]

Versos adicionais históricos[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1745, o sentimento anti-jacobita foi capturado em um verso anexado à música, com uma oração para o sucesso do exército do Marechal de campo George Wade, até em então sitiado perto de Newcastle. Esta versão não aparece publicada na Gentleman's Magazine de 1745. A fonte deste verso era de um artigo posterior sobre a canção, publicada na mesma revista em 1837:

Cquote1.svg
Lord, grant that Marshal Wade,
May by thy mighty aid,
Victory bring.
May he sedition hush,
and like a torrent rush,
Rebellious Scots to crush,
God save the King.
Cquote2.svg

O artigo de 1837 e outras fontes deixam claro que este verso não foi usado logo após 1745, e certamente antes que a canção se tornasse aceita como o hino nacional britânico na década de 1780 e 1790.[31] [32] Ela foi incluída como parte integrante da canção no Oxford Book of Eighteenth Century Verse de 1926, embora erroneamente referencie o "quarto verso" ao artigo da Gentleman's Magazine de 1745.[33]

No lado oposto, as crenças jacobitas foram demonstradas em um verso alternativo utilizado durante o mesmo período:[34]

Cquote1.svg
God bless the prince, I pray,
God bless the prince, I pray,
Charlie I mean;
That Scotland we may see
Freed from vile Presbyt'ry,
Both George and his Feckie,
Ever so, Amen.
Cquote2.svg

Em maio de 1800, após uma tentativa de assassinar Jorge III no teatro Drury Lane, o dramaturgo Richard Sheridan imediatamente compôs um verso adicional, que foi cantado o palco na mesma noite:[35] [36]

Cquote1.svg
From every latent foe
From the assassins blow
God save the King
O'er him Thine arm extend
For Britain's sake defend
Our father, king, and friend
God save the King!
Cquote2.svg

Várias outras tentativas foram feitas durante os séculos XVIII e XIX para adicionar versos para comemorar determinados eventos reais ou nacionais. Por exemplo, de acordo com Fitzroy Maclean, quando as forças jacobitas passaram pelas forças do general Wade e chegaram em Derby, mas depois recuaram e quando sua guarnição no Castelo Carlisle se rendeu para um exército do governo liderado pelo filho do Rei Jorge, o Duque de Cumberland, outro verso foi adicionado.[37] Outros versos de curta popularidade eram notavelmente anti-franceses, tal como o seguinte, citado no Handel por Edward J. Dent:[38]

Cquote1.svg
From France and Pretender
Great Britain defend her,
Foes let them fall;
From foreign slavery,
Priests and their knavery,
And Popish Reverie,
God save us all.
Cquote2.svg

No entanto, nenhum destes versos adicionais sobreviveram até o século XX.[39] Versos atualizados "completos", incluindo versões de versos adicionais foram publicados mais recentemente, incluindo o padrão de três versos, o quarto verso de Hickson, o verso de Sheridan e o verso do Marechal Wade.[40] [41]

Execução no Reino Unido[editar | editar código-fonte]

A forma mais comumente ouvida em apresentações oficiais foi proposta com a "interpretação correta" pelo rei Jorge V, que se auto considerava uma espécie de especialista (em conta ao número de vezes que ele tinha ouvido a canção). Uma Ordem do Exército foi devidamente emitida em 1933, que estabeleceu regras para o tempo, dinâmica e orquestração. Estas instruções incluíam, entre outros, o rufar dos tambores para marcar o início da execução. [42]

Jorge V em 1910.

Até a última parte do século 20, os frequentadores de teatro e concertos eram esperados para permanecer enquanto o hino era tocado após a conclusão de um show. Nos cinemas este trouxe um costume da audiência sair correndo da sala enquanto os créditos finais eram rodados para evitar esta formalidade de permanecer até que o hino fosse finalizado.

O hino continua a ser tocado em alguns eventos tradicionais, como o Torneio de Wimbledon, Royal Ascot, Henley Royal Regatta e Os Proms.

O hino geralmente é tocado antes da Mensagem de Natal da rainha, (embora, em 2007, tenha aparecido no final, tirado de uma gravação de um programa de televisão de 1957), e importantes anúncios reais, como o de mortes reais, quando se é tocado em um ritmo mais lento, com um arranjo sombrio.

Outros hinos Britânicos[editar | editar código-fonte]

Freqüentemente, quando um hino é necessário para um dos paises componentes do Reino Unido em um evento esportivo internacional, uma música alternativa é utilizada:

  • Nos jogos internacionais de Test cricket, o time inglês tem utilizado “Jerusalem” desde 2004.[45]
  • Nos jogos internacionais do time de rugby usa-se tanto "God Save the Queen" como "Jerusalem".[46]
  • Nos jogos internacionais de futebol é usado "God Save the Queen".[47]
  • Nos jogos da Commonwealth Games, a Inglaterra usa "Jerusalem" como seu hino de vitória.[48]
  • A Escócia usa "Flower of Scotland" como seu hino para a maioria dos eventos esportivos.[49]
  • Gales usa Hen Wlad Fy Nhadau ("Land of My Fathers") para eventos governamentais e esportivos. Todavia, em ocasiões oficiais, em especial relacionados com a monarquia, "God Save the Queen" é usado.[50]
  • A Irlanda do Norte usa "God Save the Queen" como seu hino, embora use "Londonderry Air" como canção de vitória nos jogos da comunidade britânica. [51]
  • O time British and Irish Lions de rugby usaram "The Power of Four", mas tal hino foi utilizado apenas para turnê de 2005, não sendo usado novamente.[52]

Em abril de 2007, houve uma moção dentro do parlamento a propor que deveria haver um hino para a Inglaterra em separado. Segundo o autor, a nova canção deveria ser mais profunda que “God Save Queen”, não utilizando mais a palavra “Deus”.[53]

Uso em outros Reinos da Comunidade[editar | editar código-fonte]

"God Save the King/Queen" foi exportado para todo o mundo através da expansão do Império Britânico, servindo como hino nacional de cada país. Durante todo o desenvolvimento histórico do império na Comunidade de Nações, a canção caiu em uso na maioria dos estados que se tornaram independentes. Em alguns países permanece como um dos hinos nacionais oficiais, como na Nova Zelândia,[54] ou como um hino real oficial, como é o caso da Austrália, Canadá, Jamaica, e Tuvalu, sendo tocado em eventos e cerimônias formais envolvendo a realeza nacional, ou a vice-realeza.

Austrália[editar | editar código-fonte]

Na Austrália, a canção tem legitimidade através de uma proclamação real emitida pelo Governador-Geral Sir Ninian Stephen em 19 de abril de 1984.[55] Ele declarou que "God Save the Queen" deve ser o Hino Real e que será tocado quando o monarca australiano ou um membro da família real estiver presente, embora não exclusivamente em tais circunstâncias.

Canadá[editar | editar código-fonte]

No Canadá, "God Save the Queen" é o hino real do país. [56] [57] [58] [59] [60] Foi adotado como tal, não por estatuto ou proclamação (assim não tem "nenhum status legal no Canadá"), mas por meio de Convenção,[61] e às vezes é tocado ou cantado juntamente com o hino nacional, "O Canada", em eventos públicos e privados organizados por grupos como o Governo do Canadá, a Royal Canadian Legion, serviços policiais e grupos de lealdade.[62] [63] [64] [65] [66]

Brasão de Armas de Sua Majestade Canadense (1957)

"God Save the Queen", tem sido cantado no Canadá desde o final de 1700, e em meados do século 20 foi, juntamente com "O Canada", um dos dois hinos nacionais de facto do país, tendo sido seguida o padrão britânico de execução.[67] Estatutos e práticas que regulam o uso da música durante eventos públicos em municípios variam; em Toronto, "God Save the Queen" foi empregado, enquanto que em Montreal o usado é "O Canada". O primeiro-ministro Lester B. Pearson, em 1964, disse que uma canção teria de ser escolhida como hino nacional do país e, três anos depois, ele aconselhou o Governador Geral do Canadá, Georges Vanier, a criar uma Comissão Especial Conjunta do Senado do Canadá e da Câmara dos Comuns sobre o hino nacional e real. Dentro de dois meses, em 12 de abril de 1967, a comissão apresentou a sua conclusão de que "God Save the Queen", cuja letra e música estavam em domínio público,[68] deveria ser designada como o hino real do Canadá e que "O Canada" como o hino nacional; um verso de cada tocado nas duas línguas oficiais, a ser aprovada pelo Parlamento. O grupo foi então encarregado de estabelecer letras oficiais para cada canção, para "God Save the Queen", as palavras inglesas foram adotadas iguais as usadas no Reino Unido, e as palavras francesas foram extraídas das que haviam sido utilizadas na coroação da Rainha Isabel II.[57] Quando o projeto de lei apontou "O Canada" como o hino nacional e foi aprovado pelo parlamento, as recomendações anteriores do comitê misto para "God Save the Queen" não foram incluídos.[68]

O Departamento de Defesa Nacional do Canadá e as Forças Armadas Canadenses regulam que "God Save the Queen" deve ser tocado para saudar o monarca e outros membros da família real canadense,[69] embora também possa ser usado como um hino, ou oração. As palavras não devem ser cantadas quando a canção é tocada como uma saudação militar real e é abreviada para as três primeiras linhas enquanto a armada está sendo apresentada.[69] A rainha Isabel II estipulou que o arranjo em G maior do Tenente coronel Basil H. Brown deveria ser utilizada no Canada.[69]

Letras no Canada[editar | editar código-fonte]

O primeiro verso de "God Save the Queen" foi traduzido para língua francesa,[70] como a seguir:

Cquote1.svg
Dieu protège la reine
De sa main souveraine!
Vive la reine!
Qu'un règne glorieux,
Long et victorieux
Rende son peuple heureux.
Vive la reine!
Cquote2.svg

Existe uma versão canadense especial em inglês que foi muito popular com a adição de mais dois versos:[67]

Cquote1.svg
Our lovèd Dominion bless
With peace and happiness
From shore to shore;
And let our Empire be
United, loyal, free,
True to herself and Thee
For evermore.
Cquote2.svg

Modernamente, no entanto, nas raras ocasiões em que dois versos do hino real são cantados, é quase sempre cantado no Canadá a mesma forma com que é cantado no Reino Unido, com o terceiro verso ("Thy choicest gifts in store", etc.), cantado como segundo verso.

Nova Zelândia[editar | editar código-fonte]

“God Save the Queen" foi o hino nacional único até 1977, quando "God Defend New Zealand" foi adicionado como um segundo a ser cantado. "God Save the Queen" é agora mais frequentemente tocado apenas quando o Soberano, o Governador-Geral da Nova Zelândia[71] ou outros membros da família real estão presentes, ou em certas ocasiões, como o Anzac Day.[72] [73]

Brasão de Armas de Sua Majestade Neozelandesa

Na Nova Zelândia, o segundo verso mais militarista é às vezes substituído com o verso de Hickson de "Nor in this land alone..." (muitas vezes cantado como "'Not' in this land alone"), também conhecido como "verso Commonwealth".

Rodésia[editar | editar código-fonte]

Quando a Rodésia emitiu o sua declaração unilateral de Independência da Grã-Bretanha em 11 de novembro de 1965, fê-lo mantendo a lealdade à rainha Isabel II como chefe de Estado Rodesiano, apesar do não reconhecimento do governo novo governo pela Grã-Bretanha e pelas Nações Unidas;[74] "God Save the Queen" permaneceu, portanto, como hino nacional da Rodésia. Isso era usado para demonstrar a lealdade continuada das pessoas rodesianas ao monarca, mas a retenção na Rodésia de uma canção tão associada com a Grã-Bretanha enquanto os dois países estavam em desacordo quanto ao seu status constitucional deu ao hino em ocasiões "um tom levemente irônico", nas palavras do jornal londrino Times. No entanto, "God Save the Queen" permaneceu hino nacional da Rodésia até março de 1970, quando o país declarou-se formalmente uma república.[75] "Rise, O Voices of Rhodesia" foi adotado até que o país voltou ao controle britânico em dezembro de 1979.[76] [77] Desde o reconhecimento internacional da independência da Republica do Zimbabwe em Abril de 1980, "God Save the Queen" perdeu seu status oficial. [78]

Uso em outros locais[editar | editar código-fonte]

"God Save the King" foi a primeira música a ser usada como um hino nacional, embora o hino dos Países Baixos, Het Wilhelmus, seja mais antigo. O seu sucesso levou a uma série de imitações, nomeadamente na França e, mais tarde, na Alemanha. Ambos encomendaram suas próprias músicas para ajudar a construir uma identidade concreta nacional. O primeiro hino nacional alemão usou a melodia de "God Save the King" com as palavras alteradas para Heil dir im Siegerkranz, sendo cantado no mesmo ritmo da versão do Reino Unido. A música foi usada ou adotada oficialmente como o hino nacional para vários outros países, incluindo os da Rússia (Molitva Russkikh, até 1833) da Suíça (Rufst Du, mein Vaterland ou Ô monts indépendants, até 1961).

"God Save the King" foi usado como o hino nacional do Reino do Havaí antes de 1860, e de 1860 até 1886 o hino nacional "E Ola Ke Alii Ke Akua" foi definido com a mesma melodia.

A melodia é usada no patriótico hino "My Country, 'Tis of Thee"; as letras dos quais foram escritas por Samuel Francis Smith em 1831. A música é muitas vezes citada - ao lado de "Hail, Columbia" - como um hino nacional “de facto” para os Estados Unidos antes da adoção de jure de "The Star-Spangled Banner" em 1930.

Também está no hino real da Noruega intitulado Kongesangen:

Cquote1.svg
Gud sign vår konge god!
Sign ham med kraft og mod
sign hjem og slott!
Lys for ham ved din Ånd,
knytt med din sterke hånd
hellige troskapsbånd
om folk og drott!
Cquote2.svg
Cquote1.svg
Høyt sverger Norges mann
hver i sitt kall, sin stand,
troskap sin drott.
Trofast i liv og død,
tapper i krig og nød,
alltid vårt Norge lød
Gud og sin drott.
Cquote2.svg
Cquote1.svg
God bless our gracious king!
Bless him with strength and courage,
bless home and castle!
Guide him with Your Spirit,
tie with Your strong Hand
holy bands of allegiance
around people and sovereign!
Cquote2.svg
Cquote1.svg
Loudly swear men of Norway
each in his calling, his station,
loyalty to the sovereign.
Loyal in life and death,
courageous in war and need,
always our Norway obeyed
God and its sovereign.
Cquote2.svg

Foi o hino real sueco entre 1805 e 1880, intitulado como "Bevare Gud vår kung".

A música - que estava em uso no hino nacional suíço Rufst du, mein Vaterland até 1961- ainda é usado como o hino nacional de Liechtenstein, Oben am Rhein jungen. A mesma música foi tocada duas vezes, portanto, antes da Euro 96 no jogo de qualificação entre Irlanda do Norte e Liechtenstein, do mesmo modo quando houve o jogo entre a Inglaterra e Liechtenstein na Euro 2004 (Quando a Inglaterra joga contra a Irlanda do Norte, a melodia é tocado apenas uma vez). A melodia de "God Save the King" tem sido, e continua a ser, usado como um hino por igrejas cristãs em vários países. As Igrejas Metodistas Unidas do sul dos Estados Unidos, México e América Latina, entre outras denominações (geralmente protestante), tocam a mesma melodia como um hino. O hino cristão "Glory to God on High" é freqüentemente cantado no mesmo ritmo, assim como uma música alternativa que se encaixa com as letras. Note também que na Igreja Protestante da Coreia a canção é cantada sobre o nome de "Since I Have My Retreat".

Adaptações musicais[editar | editar código-fonte]

No Brasil, a melodia de God save the queen aparece por duas vezes no hinário Cantor Cristão, que é um dos hinários oficiais da tradicional Igreja Batista.

Compositores clássicos[editar | editar código-fonte]

Cerca de 140 compositores, incluindo Beethoven, Haydn, Clementi, J.C.Bach, Liszt, Brahms, Carl Maria von Weber, Niccolò Paganini, Johann Strauss I, e Edward Elgar usaram a melodia em suas composições.[6]

Ludwig van Beethoven compôs um conjunto de sete variações de piano na chave C maior com o tema de "God Save the King", catalogado como WoO 0,78 (1802-1803). Além disso, ele também cita em sua "batalha sinfonia" Wellington's Victory.

Beethoven em 1820

Muzio Clementi usou o tema de "God Save the King" em sua sinfonia No. 3 em G maior, muitas vezes chamado de "Great National Symphony”, catalogado como WoO. 34. Clementi pagou um alto tributo para sua pátria adotiva (Reino Unido), onde ele cresceu e passou a maior parte de sua vida. Ele baseou a Sinfonia (cerca de 1816-1824) em "God Save the King", que é sugerida no início do trabalho, não menos, no segundo movimento, e anunciado pelos trombones no final. • Sinfonia No. 3 "Great National Symphony" in en sol majeur/G-dur/G major/sol maggiore 1. Andante sostenuto – Allegro con brio 2. Andante un poco mosso 3. Minuetto. Allegretto 4. Finale. Vivace

Johann Christian Bach compôs um conjunto de variações em cima de "God Save the King" para o final de seu sexto concerto de piano (Op. 1) escrito por volta de 1763.

Joseph Haydn ficou impressionado com o uso de "God Save the King" como um hino nacional durante sua visita a Londres em 1794, e em seu retorno à Áustria escreveu uma música para o hino nacional, a Gott erhalte Franz den Kaiser ("Deus salve o Imperador Francisco"), para o aniversário do Imperador Francisco da Áustria. A melodia de "God Save the King" foi posteriormente adotada no nacional prussiano, Heil Dir im Siegerkranz.

Franz Liszt escreveu uma paráfrase em piano do hino (S.259 no catálogo oficial, c. 1841).

Johann Strauss I citou God Save the Queen na íntegra, no final de sua valsa Huldigung der Königin Victoria von Grossbritannien ("Homenagem a rainha Vitória da Grã-Bretanha") Op. 103, onde ele também citou Rule, Britannia! Na íntegra, no início da peça.

Siegfried August Mahlmann no início do século 19 escreveu letras alternativas para adaptar o hino para o Reino da Saxônia, como "Gott segne Sachsenland" ("God Save Saxony").[79]

Gaetano Donizetti usou este hino em sua ópera "Roberto Devereux".

Joachim Raff usou este hino em seu Jubelouverture, Opus 103 (1864) dedicado à Adolf, Herzogs von Nassau no 25º aniversário do seu reinado.

Gioachino Rossini usou este hino na última cena de sua "Il viaggio a Reims", quando todos os personagens, provenientes de muitos países europeus, cantam uma canção que lembra sua própria pátria. Lorde Sidney, baixo, canta "Della real pianta" sobre as notas de "God save the King". Samuel Ramey utilizou para interpolar um espetacular virtuoso cadenza no final da canção.

Fernando Sor usou o hino em seus 12 Estudos, op. 6: No. 10 em C Maior na seção marcada "Maestoso”. Arthur Sullivan cita o hino no final do seu ballet Victoria and Merrie England. Claude Debussy abre com uma breve introdução de God Save the King em uma de seus prelúdios,Hommage à S. Pickwick Esq. P.P.M.P.C.. Niccolò Paganini escreveu um conjunto de variações altamente virtuosísticas em "God Save the King" como seu Opus 9. Max Reger escreveu "Variations and Fugue on 'Heil dir im Siegerkranz' (God Save the King)" para órgão em 1901, após a morte da Rainha Vitória. Ele não possui um número de opus.

Uma semana antes da Ode Coroação estava previsto para ser lançado em junho de 1902 “Coronation Gala Concert” em Covent Garden (foi cancelado, devido a doença do rei); Sir Edward Elgar introduziu um arranjo de Land of Hope and Glory como uma música solo realizada por Clara Butt em um “Coronation Concert” no Albert Hall.

Novello aproveitou o patriotismo vigente e solicitou que Elgar organizasse o hino nacional como uma abertura apropriada para um concerto em frente a um Tribunal de numerosos dignitários britânicos e estrangeiros. Esta versão para orquestra e coro, que é animada pelo uso de uma capella e efeitos Marcato, também foi realizada na abertura da Exposição do Império Britânico em Wembley, no dia de São Jorge, de 1924, e gravou sob a batuta do compositor em 1928, com o LSO e o coro da Filarmônica. [80]

Elgar também usou o primeiro verso do hino como o clímax de "Civic Procession and Anthem", escrito para acompanhar a procissão principal na abertura do Festival de Música Hereford em 4 de Setembro de 1927. Esta apresentação da estreia foi gravada, e é hoje disponível em CD, o escore foi perdido após o festival, e Elgar recorreu à reconstrução de ouvido da gravação.[81] Carl Maria von Weber usa o "God Save the King" no final de sua "Overture Jubel".

Giuseppe Verdi, incluiu "God Save the Queen" em seu "Inno delle Nazioni" (Hino das Nações), composta para a Exposição Internacional de Londres de 1862.

Charles Ives escreveu Variations on "America" para órgão, em 1891, na idade de 17. Ele incluía uma seção politonal em três chaves simultâneas, embora este tenha omitido das apresentações a pedido de seu pai, porque "fazia os meninos rirem em voz alta". Ives gostava da linha pedal rápida na variação final, o que ele afirmou ser "divertido, quase tanto como jogar beisebol". A peça não foi publicada até 1949; a versão final inclui uma introdução, sete variações e um interlúdio politonal. A peça foi adaptada para orquestra em 1963 por William Schuman. Essa versão se tornou popular durante as comemorações do bicentenário, e muitas vezes é ouvida em shows de música pop.

Adaptações de Rock[editar | editar código-fonte]

A banda de rock britânica Family sampleou "God Save The Queen" no final de seu álbum de estréia de 1968, Music in a Doll's House, após a última faixa, "3 x Time".

The Beatles realizaram uma versão improvisada de "God Save the Queen" durante o seu concerto no terraço de 30 de janeiro de 1969, em cima do prédio da Apple. [82]

Jimi Hendrix no seu The Jimi Hendrix Experience teve uma versão improvisada de "God Save the Queen" para abrir seu set no Isle of Wight Festival de 1970. Pouco antes de entrar no palco, ele pode ser visto (no DVD) e ouvido perguntar: "Isso pode tocar de novo?", em referência ao dito hino nacional do Reino Unido. [83] Hendrix deu o mesmo tipo de distorção e improvisação de "God Save the Queen", como tinha feito com "The Star-Spangled Banner" noWoodstock Festival em 1969.[83]

Em 1977, o Sex Pistols gravou uma canção desrespeitosa e ofensiva intitulada "God Save the Queen", em referência aberta ao hino nacional e ao Jubileu de Prata da rainha Isabel II que tiveram suas comemorações naquele ano, com a intenção de simpatizar com a classe trabalhadora e ressentir da monarquia.[84] A canção foi banida, censurada pela grande mídia, e alcançou a segunda posição nas paradas de singles oficiais do Reino Unido.[84] [85]

QueenA Night at the Opera
"Bohemian Rhapsody"
(Track 11)
"God Save the Queen"
(Track 12)
(fim do álbum)

A banda de rock Queen gravou uma versão instrumental de "God Save the Queen" em seu álbum de 1975 A Night at the Opera. Foi arranjada pelo guitarrista Brian May e apresenta suas camadas distintas de overdub elétricas. Uma fita de desta versão seria tocado no final de quase todos os concertos, com Freddie Mercury andando pelo palco com uma coroa e um manto de sua turnê Magic Tour em 1986.[86] Em 3 de junho de 2002, durante o jubileu de ouro da rainha, Brian May tocou o hino em sua guitarra para o Party at the Palace, em frente ao Buckingham Palace.[87] [88]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Royal anthem "God Save The Queen". Canadian Heritage. Página visitada em 18 February 2012.
  2. Isle of Man. nationalanthems.info. Página visitada em 17 August 2010.
  3. MacLeod, Kevin S. (2008), A Crown of Maples (1 ed.), Ottawa: Queen's Printer for Canada, p. I, ISBN 978-0-662-46012-1, http://www.pch.gc.ca/pgm/ceem-cced/fr-rf/crnCdn/crn_mpls-eng.pdf, visitado em 25 June 2010 
  4. United Kingdom - God Save the Queen. NationalAnthems.me. Página visitada em 23 November 2011.
  5. cf. the versions in thehymn books English Hymnal, Hymns Ancient and Modern and Songs of Praise and the version at the website royalty.gov.uk.
  6. a b c Monarchy Today pages at royal.gov.uk website. Página visitada em 1 April 2007.
  7. Scholes, Percy A. The Oxford Companion to Music, Tenth Edition. [S.l.]: Oxford University Press.
  8. CD The Glenn Gould Edition Handel Suites for Harpsichord 1–4 etc.
  9. Sousa, John Philip. National, Patriotic, and Typical Airs of All Lands. [S.l.: s.n.], 1890.
  10. Pinkerton, John. . [S.l.: s.n.], 1830.
  11. http://penelope.uchicago.edu/crequy/chap104.html
  12. Devlieger., Michiel (21 March 2011). De Laatste Show (em dutch). VRT (Flemish National Television).
  13. see the sheet music available online: Domine Salvum Fac Regem (PDF). Arquivado do original em 24 November 2006. Página visitada em 1 April 2007.
  14. Dearmer, Percy; Vaughan Williams, Ralph. The English Hymnal with Tunes. [S.l.]: Oxford University Press, 1906. p. 724.Hymn No. 560 "National Anthem"
  15. a b National anthems & national songs. British Council. Arquivado do original em 20 November 2007. Página visitada em 2 February 2008.
  16. Anthem 4 England – At the 2010 Commonwealth games Blake and Parry's Jerusalem was used by the England team Land of Hope and Glory
  17. 1 Samuel x. 24; 2 Samuel xvi. 16 and 2 Kings xi. 12
  18. "Guide to the Coronation Service", Westminster Abbey website (London, U.K.: Dean and Chapter of Westminster), 2009, http://www.westminster-abbey.org/our-history/royals/coronations/guide-to-the-coronation-service, visitado em 2009-08-20, "Meanwhile the choir sings the anthem Zadok the Priest, the words of which (from the first Book of Kings) have been sung at every coronation since King Edgar’s in 973. Since the coronation of George II in 1727 the setting by Handel has always been used." 
  19. Wood, William. Flag and Fleet: How the British Navy Won the Freedom of the Seas. [S.l.]: Macmillan, 1919.
  20. "The Watchword in the Night shall be, 'God save King Henrye!' The other shall answer, 'Long to raign over Us!'
  21. God Save the King, William H. Cummings, Novello e Company Ltd, Londres 1902
  22. Mackay, Charles. The Book of English Songs: From the Sixteenth to the Nineteenth Century. [S.l.: s.n.], 1851. p. 203.
  23. White, Richard Grant. National Hymns: How They are Written and how They are Not Written. [S.l.]: Rudd & Carleton, 1861. p. 42.
  24. Dana, Charles Anderson. Household Book of Poetry. [S.l.: s.n.], 1882. p. 384.
  25. Hymns Ancient and Modern, Revised Version. [S.l.]: SCM-Canterbury Press Ltd, 1982. p. 504. ISBN 0-907547-06-0
  26. Baden-Powell, Robert. Scouting for Boys. [S.l.: s.n.], 1908. p. 341.
  27. Monarchy Today website. Página visitada em 1 April 2007.
  28. Richards p.91
  29. Dearmer, Percy; Vaughan Williams, Ralph. Songs of Praise. [S.l.]: Oxford University Press, 1925.
  30. Forgotten National Anthem Sung at Halesowen Service. Arquivado do original em 29 September 2007. Página visitada em 30 March 2007.Article in the Black Country Bugle describes it as an "unusual and little known version of the national anthem...taken from the order of service for the blessing of Halesowen’s borough charter...on Sunday, 20 September 1936."
  31. Richards, Jeffrey. Imperialism and Music: Britain 1876 to 1953. [S.l.]: Manchester University Press, 2002. p. 90. ISBN 0-7190-4506-1 "A fourth verse was briefly in vogue at the time of the rebellion, but was rapidly abandoned thereafter: God grant that Marshal Wade...etc"
  32. "The history of God Save the King": The Gentleman's Magazine, Vol 6 (new series), 1837, p.373. "There is an additional verse... though being of temporary application only, it was but short-lived...[but]...it was stored in the memory of an old friend of my own... 'Oh! grant that Marshal Wade... etc.'
  33. The Oxford Book of Eighteenth Century Verse. Questia.com. Página visitada em 28 July 2010.
  34. Groom, Nick. The Union Jack: the Story of the British Flag. [S.l.]: Atlantic Books, 2006. Appendix p. ISBN 1-84354-336-2
  35. The horrid assassin Is Hatfield, attempting to shoot the king in Drury Lane theatre- on the 15th of May, 1800. British Museum. Página visitada em 10 August 2012.
  36. Ford, Franklin L.. Political Murder: From Tyrannicide to Terrorism. [S.l.]: Harvard University Press, 1985. p. 207. ISBN 0-674-68636-5
  37. Maclean, Fitzroy. Bonnie Prince Charlie. [S.l.]: Canongate Books Ltd., 1989. ISBN 0-86241-568-3 Note that the verse he quotes appears to have a line missing.
  38. See:text at project Gutenberg and atFullbooks.com)
  39. Richards p.90.
  40. God Save the Queen -lyrics. The Telegraph. Página visitada em 9 August 2012.
  41. Should Welsh Olympics 2012 stars sing God Save the Queen anthem?. Wales Online. Página visitada em 9 August 2012.
  42. Percy A Scholes: Oxford Companion to Music, Tenth Edition, Oxford University Press
  43. Brantley, Ben. "Time, and the Green and Pleasant Land", The New York Times, 20 July 2009. Página visitada em 23 April 2010.
  44. History – Rule Britannia! Retrieved 26 February 2011
  45. Jerusalem for England! BBC Sport Retrieved 26 February 2011
  46. Parry: The Composer – Icons of England Retrieved 26 February 2011
  47. Home nations fans 'back England' BBC Sport Retrieved 26 February 2011
  48. Games 2010: England stars discuss Jerusalem BBC Sport Retrieved 26 February 2011
  49. Flower of Scotland The Herald (13 Jul 1990) Retrieved 26 February 2011
  50. of My Fathers v La Marseillaise: Clash of rugby's greatest anthems The Daily TelegraphRetrieved 26 February 2011
  51. Tara Magdalinski, Timothy Chandler (2002) God on Their Side: Sport in the Service of Religion p.24. Routledge, 2002
  52. Sing when you're winning BBC Sport Retrieved 26 February 2011
  53. Parliamentary Information Management Services. Early day Motion 1319
  54. Letter from Buckingham Palace to the Governor-General of New Zealand. Arquivado do original em 27 September 2007. Página visitada em 3 April 2007. – Royal assent that the two songs should have equal status
  55. Commonwealth of Australia Gazette; No. S 142; 19 April 1984
  56. MacLeod 2008, pp. 54, I
  57. a b Kallmann, Helmut, "The Canadian Encyclopedia", in Marsh, James Harley, Encyclopedia of Music in Canada > Musical Genres > National and royal anthems, Toronto: Historica Foundation of Canada, http://thecanadianencyclopedia.com/index.cfm?PgNm=TCE&Params=U1ARTU0002533, visitado em 25 June 2010 
  58. Office of the Lieutenant Governor of Nova Scotia. History of the Lieutenant Governor > Royal Salute > Royal Salute (Formerly known as the Vice-Regal Salute). Queen's Printer for Nova Scotia. Página visitada em 25 June 2010.
  59. Hoiberg, Dale, ed., "Encyclopaedia Britannica", O Canada, Toronto: Encyclopædia Britannica, Inc., http://www.britannica.com/EBchecked/topic/423313/O-Canada, visitado em 25 June 2010 
  60. Citizenship and Immigration Canada. Discover Canada. [S.l.]: Queen's Printer for Canada, 2009. p. 2. ISBN 978-1-100-12739-2 Página visitada em 16 January 2011.
  61. Department of Canadian Heritage. Ceremonial and Canadian Symbols Promotion > Royal anthem "God Save The Queen". Queen's Printer for Canada. Página visitada em 25 June 2010.
  62. Alberta Police and Peace Officers' Memorial Day 2009 Order of Service, Queen's Printer for Alberta, 27 September 2009 
  63. Department of Canadian Heritage. Ceremonial and Canadian Symbols Promotion > The National Flag of Canada. Queen's Printer for Canada. Página visitada em 5 July 2010.
  64. Royal Canadian Legion Dominion Command (4 November 2009). National Remembrance Day Ceremony. Royal Canadian Legion. Página visitada em 5 July 2010.
  65. Department of Veterans Affairs. Canada Remembers > Partnering Opportunities > Community Engagement Partnership Fund > Nova Scotia > Community Engagement Partnership Fund: Nova Scotia. Queen's Printer for Canada. Página visitada em 5 July 2010.
  66. Remembrance Day, Vancouver Board of Parks and Recreation, 11 November 2009, http://www.bccns.com/assets/pdfs/william_hall_stamp.pdf, visitado em 5 July 2010 
  67. a b Bélanger, Claude. National Anthem of Canada. [S.l.]: Marianopolis College. Página visitada em 5 July 2010.
  68. a b Department of Canadian Heritage. National Anthem: O Canada > Parliamentary Action. Queen's Printer for Canada. Página visitada em 29 June 2010.
  69. a b c Department of National Defence (1 April 1999), The Honours, Flags and Heritage Structure of the Canadian Forces, Ottawa: Queen's Printer for Canada, p. 503, A-AD-200-000/AG-000, http://www.saskd.ca/heritage.pdf, visitado em 30 October 2009 
  70. Hymne royal " Dieu protège la Reine " at Government of Canada website (em french). Página visitada em 26 January 2012.
  71. Max Cryer. Hear Our Voices, We Entreat—The Extraordinary Story of New Zealand’s National Anthems. Exisle Publishing. Página visitada em 17 July 2011.
  72. New Zealand's National Anthems. Ministry for Culture and Heritage. Página visitada em 17 February 2008.
  73. Protocol for using New Zealand's National Anthems. Ministry for Culture and Heritage. Página visitada em 17 February 2008.
  74. Wood, J. R. T.. A matter of weeks rather than months: The Impasse between Harold Wilson and Ian Smith: Sanctions, Aborted Settlements and War 1965–1969. Victoria, British Columbia: Trafford Publishing, April-2008. 1–8 p. ISBN 978-1-4251-4807-2
  75. Buch, Esteban. Beethoven's Ninth: A Political History. Chicago, Illinois: University Of Chicago Press, May-2004. p. 243.
  76. Buch, Esteban. Beethoven's Ninth: A Political History. Chicago, Illinois: University Of Chicago Press, May-2004. p. 247. ISBN 978-0-226-07824-3
  77. Fisher, J. L.. Pioneers, settlers, aliens, exiles: the decolonisation of white identity in Zimbabwe. Canberra: ANU E Press, 2010. p. 60. ISBN 978-1-921666-14-8
  78. Zimbabwe athlete sings own anthem. BBC (19 July 2004). Página visitada em 18 February 2012.
  79. Granville Bantock. Sixty Patriotic Songs of All Nations. [S.l.]: Ditson, 1913. p. xv.
  80. http://www.elgar.org/3transcr.htm
  81. Jerrold Northrop Moore, Edward Elgar, a Creative Life, Oxford University Press, Oxford, 1987
  82. Cross, Craig (2004)Day-By-Day Song-By-Song Record-By-Record p.212. iUniverse, 2004. Retrieved 26 February 2011
  83. a b Hopkins, Jerry (1998) Jimi Hendrix experience p.290. Arcade Publishing, 1996
  84. a b Fred Vermorel, Judy Vermorel (1987)Pistols: the inside story p.83. Omnibus Press. Retrieved 26 February 2011
  85. Chart Stats – The Sex Pistols –God Save The Queen Retrieved 26 February 2011
  86. the first time ever...Queen: Ten great hits from the sensational rock band Mail OnlineRetrieved 11 March 2011
  87. A Night at the Opera, 30th Anniversary CD/DVD Allmusic Retrieved 26 February 2011
  88. God Save The Queen Ulimate Queen Retrieved 26 February 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre God Save the Queen