Godofredo de Vendôme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Godofredo de Vendôme (em latim: Goffridus Vindocinensis; em francês: Geoffroi de Vendôme; c. 1065/70 – 26 de março de 1132) foi um monge beneditino, escritor e cardeal francês do final do século XI e início do século XII.

Vida[editar | editar código-fonte]

Godofredo entrou cedo para a comunidade beneditina da Abadia da Santíssima Trindade em Vendôme, na Diocese de Chartres, e, em 1093, ainda muito jovem e ainda um diácono, foi escolhido abade da comunidade.

Durante toda sua vida, Godofredo demonstrou uma forte ligação com a Santa Sé e, em 1094, foi à Roma para ajudar o papa Urbano II (r. 1088–1099) a tomar posse do Palácio de Latrão, que ainda estava nas mãos da facção do antipapa Clemente III (r. 1080 – 1100), algo que só foi possível depois de ele ter subornado o custodiante.

Como recompensa, foi criado cardeal-presbítero por Urbano II, com a igreja titular de Santa Prisca, no Aventino. Godofredo viajou não menos que doze vezes para a Itália a pedido da Igreja romana durante os pontificados de Urbano II, Pascoal II (r. 1099 – 1118) e Calisto II (r. 1119 – 1124) e, por três vezes, foi preso.

Em 1096 e 1107, refugiou os papas Urbano e Pascoal em seu mosteiro. Participou ainda dos concílios realizados em Clermont em 1095 por Urbano, em Saintes, em 1096 pelo legado apostólico Amado de Bordeaux; e em Reims, em 1131, por Inocêncio II (r. 1130 – 43).

Godofredo defendeu fervorosamente os princípios eclesiásticos durante a Controvérsia das investiduras, que ele qualificou, em diversos curtos tratados, como heresia e simonia. No mesmo espirito, escreveu para Pascoal II quando ele fez concessões (1111) ao imperador Henrique IV (r. 1106–1125). Finalmente, Godofredo também sempre defendeu as prerrogativas, direitos e as propriedades de sua abadia em Vendôme contra os avanços de bispos e de príncipes seculares.

Godofredo foi um dos mais importantes homens de sua época e se correspondia com várias personalidades importantes do período. Suas obras são formadas por diversas cartas, uma série de tratados sobre as investiduras para leigos: sobre os sacramentos da Eucaristia, Batismo, Crisma e Extrema Unção; sobre temas pastorais e ascéticos; hinos à Virgem Maria e Santa Maria Madalena; sermões sobre as festas do Nosso Senhor, da Virgem Maria, Maria Madalena e São Bento.

Atribuição[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Sirmond (Paris, 1610); é a versão publicada na Patrologia Latina, CLVII.
  • Os tratados sobre as investiduras também estão dispoíveis em "Mon. Germ. Hist.: Libelli de Lite", II, 680 sqq.
  • Geoffroy de Vendôme, Oeuvres (1996), editada e traduzida para o francês por Geneviève Giordanengo.

Ligações exteriores[editar | editar código-fonte]

[[Categoria: