Goianinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Goianinha
Bandeira de Goianinha
Brasão de Goianinha
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 7 de agosto de 1832
Gentílico goianinhense
Lema Progresso e liberdade
Prefeito(a) Rudemberg Honório Lisbôa (Berg) (PSD)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Goianinha
Localização de Goianinha no Rio Grande do Norte
Goianinha está localizado em: Brasil
Goianinha
Localização de Goianinha no Brasil
06° 16' 01" S 35° 12' 36" O06° 16' 01" S 35° 12' 36" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Leste Potiguar IBGE/2008[1]
Microrregião Litoral Sul IBGE/2008[1]
Região metropolitana Natal
Municípios limítrofes Arês, Canguaretama, Espírito Santo e Tibau do Sul (Rio Grande do Norte)
Distância até a capital 54 km[2]
Características geográficas
Área 192,277 km² [3]
População 23 209 hab. (RN: 23º) –  IBGE/2012[4]
Densidade 120,71 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,638 (RN: 50°) – médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 158,026 mil IBGE/2010[6]
PIB per capita R$ 7,033 68 IBGE/2010</>

Goianinha é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte localizado na microrregião do Litoral Sul.

Geografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com o censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no ano 2010, sua população é de 26.068 habitantes, segundo estimativa do IBGE em 2017. Área territorial de 192 km². É limitado ao norte, pelos municípios de São José de Mipibu e Arez; ao sul pelos municípios de Canguaretama e Vila Flor; a leste, com Tibau do Sul; e a oeste, pelo município de Espírito Santo.

Aspectos socioeconômicos[editar | editar código-fonte]

As principais atividades econômicas são agropecuária e comércio e conta com o pólo industrial. Em relação à infra-estrutura, o município possui 01 pousadas, 01 Hotel, 04 agências bancárias e 01 agência dos Correios, além de várias empresas com CNPJ atuantes no comércio varejista. (Fonte: IDEMA – 2001).

História[editar | editar código-fonte]

No ano de 1635, a aldeia da área chamada Goacana ou Viajana, figurava entre as seis maiores da capitania do Rio Grande do Norte, e era habitada pelos índios janduís. Nos idos de 1687, segundo alguns historiadores, a região foi habitada por moradores brancos, provavelmente portugueses, depois da expulsão dos índios.

O início da exploração da região aconteceu de fato a partir das datas de sesmarias, concedidas a vendedores ambulantes vindos de Goiana Grande, na Capitania de Pernambuco, movimentado centro comercial da época. Os ambulantes chegaram à aldeia no século XVII e a chamaram de Goianinha, ou seja, uma pequena Goiana.

Goianinha fazia parte do seu vizinho território, constituído pela Aldeia de São João Batista das Guaraíras, depois, Arês, sob a direção dos jesuítas. Arês foi elevada ao predicativo de Vila Nova de Arês, em 15 de junho de 1760.

O crescimento do povoado desenvolveu-se dentro de uma produtividade econômica voltada para a agricultura, a pesca e a pecuária.

No dia 7 de agosto de 1832, era criado o município de Goianinha, recebendo a denominação de Vila de Goianinha, que só foi elevado à categoria de cidade 96 anos depois, através do Decreto Estadual n° 712, de 9 de novembro de 1928.elevada á cidade por lei estadual, de iniciativa na Assembleia Estadual do seu filho, Dr. Antonio Bento de Araújo Lima, que apresentou e defendeu o respectivo projeto. O município perdeu parte do seu território, pelo desmembramento dos municípios de Várzea(1959) e Tibau do Sul(1963).

Atualidade[editar | editar código-fonte]

A cidade de Goianinha é um ponto de referência para numerosas cidades do litoral sul e agreste potiguar. Nos últimos anos, o comércio da cidade vem crescendo rapidamente, atraindo grandes empresas oriundas dos grandes centros. Os estabelecimentos comerciais locais tiveram que se adaptar a esta nova realidade. Muitas lojas foram recentemente ampliadas e impressionam pela quantidade de itens disponibilizados ao público consumidor. Outro setor comercial que experimentou significativo crescimento foi indiscutivelmente o da construção civil. A cidade conta com uma boa infraestrutura de Educação, tanto na rede pública, como na privada. A saúde é bem desenvolvida, a cidade conta com um Hospital Municipal que funciona 24 horas, UBS e outras unidades da rede de saúde. O Saneamento básico deixa a desejar, uma vez que menos de 20% dos domicílios tem saneamento básico.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. FEMURN. «Distâncias dos Municípios do Rio Grande do Norte a Natal-RN». Consultado em 16 de julho de 2011. 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  4. «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1 DE JULHO DE 2012» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 30 de agosto de 2011. Consultado em 31 de agosto de 2012. 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  6. «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Norte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.