Golpe de Estado em Burquina Fasso em 2022

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Golpe de Estado na Burquina Fasso em 2022
Parte da(o) Insurreição jihadista no Burquina Fasso
Burkinasoldiersaftercoup.png
Soldados burquinenses patrualham Uagadugu após o golpe
Período 2324 de janeiro de 2022
Local Uagadugu, Burquina Fasso
Situação Golpe de Estado bem sucedido
  • Presidente Roch Marc Christian Kaboré detido e deposto
  • Dissolução do parlamento, governo e constituição
  • Estabelecimento da junta militar
Participantes do conflito
Governo de Burquina Faso Forças Armadas de Burquina Faso
  • Movimento Patriótico de Salvaguarda e Restauração
Líderes
Roch Marc Christian Kaboré
Lassina Zerbo
Alassane Bala Sakandé
Paul-Henri Sandaogo Damiba
Sidsoré Kader Ouedraogo
Gilbert Diendéré

Um golpe de Estado foi lançado em Burquina Fasso em 23 de janeiro de 2022; tiros ocorrem em frente à residência presidencial na capital, Uagadugu, e vários quartéis militares ao redor da cidade.[1] Soldados teriam tomado o controle da base militar na capital. Em 24 de janeiro, os militares anunciaram na televisão que o então presidente Roch Mark Christian Kaboré havia sido deposto. Após o anúncio, os militares declararam que o parlamento, o governo e a constituição haviam sido dissolvidos, anunciaram o fechamento das fronteiras e prometeram um "retorno à ordem constitucional" dentro de um prazo "razoável".[2] O golpe de Estado foi liderado pelo oficial militar Paul-Henri Sandaogo Damiba.[3]

Referências

  1. «Burkina Faso: Shots heard near presidential palace». BBC News (em inglês). 24 de janeiro de 2022. Consultado em 26 de janeiro de 2022 
  2. «Militares assumem o poder em Burkina Faso». Uol Notícias. 24 de janeiro de 2022. Consultado em 26 de janeiro de 2022 
  3. «Em golpe, militares de Burkina Faso detêm presidente e fecham fronteiras». CNN Brasil. 25 de janeiro de 2022. Consultado em 26 de janeiro de 2022 
Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Militares de Burkina Faso anunciam que depuseram o presidente