Golpe de Estado na Espanha em julho de 1936

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Golpe de Estado de julho de 1936
Parte da(o) Guerra Civil Espanhola
Spanish Civil War front July 1936 (Spanish).svg
Situação do país no final de julho de 1936
Data 17 - 20 de julho de 1936
Local Iniciou-se em Melilla, espalhando-se pelo Protetorado Espanhol do Marrocos e logo por toda Espanha.
Desfecho Fracasso parcial dos rebeldes e resistência do governo legítimo e das forças leais.

O Golpe de Estado de julho de 1936 foi um golpe militar que foi dirigido contra o governo da Segunda República Espanhola e cujo parcial fracasso levou à Guerra Civil Espanhola e, derrotada a República, ao estabelecimento do regime franquista, que permaneceu no poder na Espanha até 1975.

Após um período de problemas na Segunda República Espanhola, um grupo de oficiais tentou derrubar o governo democrático em um golpe militar. O planejamento começou no início de 1936, e o golpe foi lançado em 17 e 18 de julho. O golpe falhou em assumir o controle total do país e guerra civil se seguiu.

O controle do governo espanhol mudou radicalmente ao longo das três eleições de 1931, 1933 e 1936. Os direitistas consideravam o governo esquerdista eleito em 1931 como desastroso, e retornaram muitas das suas mudanças após a sua vitória eleitoral em 1933. Ambos os partidos de esquerda como o Partido Socialista Operário Espanhol e grupos de direita como os carlistas, alfonsistas monárquicos, e o fascista Falange Espanhola se tornaram mais extremos e a violência aberta ocorreu nas ruas de cidades espanholas. As eleições em 1936 foram estritamente conquistadas pela Frente Popular de esquerda. A direitista Confederação Espanhola de Direitas Autônomas (CEDA) transformou seu cofre em uma campanha do exército conspirador de Emilio Mola, e a Falange expandiu maciçamente.

Vários generais direitistas começaram a planejar um golpe de Estado na primavera de 1936. O general José Sanjurjo tornou-se figura decorativa do golpe, apoiado pelos generais Francisco Franco, Manuel Goded e Emilio Mola. O governo republicano tentou remover generais suspeitos de lealdades e alguns foram enviados para áreas menos importantes, o que não se mostrou tão eficaz quanto o esperado pela República. O primeiro-ministro Casares Quiroga recusou-se a acreditar nos avisos de um golpe iminente. Em 12 de julho, os membros da Falange assassinaram o tenente socialista José Castillo. Guardas de assalto prenderam José Calvo Sotelo, um líder monarquista espanhol, que foi baleado pelos guardas sem julgamento. O evento proporcionou um efeito catalisador e justificação pública conveniente para o golpe. Homens no Marrocos Espanhol rebelaram-se no início de 18 de julho, e aqueles na Espanha começaram um dia mais tarde. Os rebeldes autodenominaram-se Nacionales (normalmente traduzido como "nacionalistas"). Após o primeiro-ministro Quiroga recusar ofertas de ajuda da Confederación Nacional del Trabajo (CNT) e da Unión General de Trabajadores (UGT), os grupos proclamaram uma greve geral, em efeito de mobilização.

O levante pretendia ser rápido, mas o governo manteve o controle da maior parte do país, incluindo Málaga, Jaén e Almería. Cadiz foi tomada pelos rebeldes e o general Queipo de Llano conseguiu assegurar Sevilha. Em Madri, os rebeldes foram cercados no quartel Montaña, que caiu com muito derramamento de sangue. O primeiro-ministro José Giral ordenou a distribuição de armas entre a população, ajudando a derrotar os rebeldes em Madri, Barcelona e Valência, no entanto, permitiu que os anarquistas assumissem o controle de grandes partes de Aragão e Catalunha. O general rebelde Goded se rendeu em Barcelona e mais tarde foi condenado à morte. Os rebeldes tinham garantido o apoio de cerca de metade do exército territorial da Espanha, cerca de 60.000 homens, e todo o exército de 35.000 da África. Comandado pelo general rebelde Franco, o Exército da África era a mais forte força militar da Espanha. O governo reteve menos da metade da oferta de rifles, metralhadoras ligeiras pesadas e peças de artilharia. Ambos os lados tinham poucos tanques e as aeronaves estavam desatualizadas, e a capacidade naval era razoavelmente a mesma. Deserções dos oficiais republicanos enfraqueceram as unidades de todos os tipos.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]