Golpe de Estado na Grécia em 1967

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Golpe de Estado na Grécia em 1967
Parte da(o) Guerra Fria
Data 21 de Abril de 1967
Local Grécia
Desfecho Vitória dos militares gregos.
Rei Constantino II foge para a Itália.
Junta militar grega criada.
Combatentes
Governo da Grécia oficiais do Exército Helénico
Apoiados por:
 Estados Unidos (disputado)
Líderes e comandantes
Grécia Panagiotis Kanellopoulos
Grécia Georgios Papandreou
Grécia Rei Constantino II da Grécia
Coronel Georgios Papadopoulos
Coronel Nikolaos Makarezos
Brigadeiro Gen. Stylianos Pattakos
Tenente Gen. Odysseas Angelis
Coronel Ioannis Ladas

O golpe de Estado na Grécia em 1967 ocorreu em 21 de abril de 1967, poucas semanas antes das eleições, quando um grupo de oficiais direitistas do exército liderados pelo brigadeiro-general Stylianos Pattakos e pelos coronéis George Papadopoulos e Nikolaos Makarezos tomaram o poder em um golpe de Estado.[1][2] Os coronéis conseguiram tomar o poder rapidamente, usando elementos de surpresa e confusão.

Os líderes golpistas colocaram tanques em posições estratégicas em Atenas, efetivamente ganhando o controle completo da cidade. Ao mesmo tempo, um grande número de pequenas unidades móveis foram despachadas para prender líderes políticos, autoridades governamentais e cidadãos comuns suspeitos de simpatias com os esquerdistas, conforme listas preparadas com antecedência. Entre os primeiros a serem presos foi o tenente-general Grigorios Spandidakis, comandante-em-chefe do Exército Helénico. Os coronéis persuadiriam Spandidakis a se juntar a eles, tendo ativado um plano de ação previamente elaborado para efetuar o golpe de Estado. Sob o comando do tenente-coronel paraquedista Kostas Aslanides, o LOK assumiu o Ministério da Defesa grego enquanto Pattakos obteve o controle dos centros de comunicação, do parlamento, do Palácio Real, e - de acordo com as listas detalhadas - prendeu mais de 10.000 pessoas.

Pelas primeiras horas da manhã, toda a Grécia estava nas mãos dos coronéis. Todos os líderes políticos, incluindo o primeiro-ministro em exercício Panagiotis Kanellopoulos, tinham sido presos e foram mantidos incomunicáveis pelos conspiradores. Às 6:00 EET, Papadopoulos anunciou que onze artigos da Constituição grega foram suspensos. Uma das consequências destas suspensões era que qualquer um poderia ser preso sem mandado, a qualquer momento e conduzidos a um tribunal militar para ser julgado.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um conflito armado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.