Gonzalo Millán Arrate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gonzalo Millán
Nascimento 1 de janeiro de 1947
Santiago do Chile, Chile
Morte 14 de outubro de 2006 (59 anos)
Santiago do Chile, Chile
Nacionalidade Chile Chileno
Ocupação Escritor, acadêmico, artista plástico

Gonzalo Millán Arrate (Santiago do Chile, 1 de janeiro de 1947 - Santiago do Chile, 14 de outubro de 2006) foi um poeta, acadêmico, artista plástico e tradutor chileno. Millán é considerado, pela crítica, como uma das figuras mais importantes da denominada 'generación del sesenta' do Chile.

Vida[editar | editar código-fonte]

Millán estudou literatura na Universidad de Concepción e fez parte do grupo Arúspice, um dos agrupamentos literários mais significantes da literatura chilena da segunda parte do século vinte.

Após regressar ao seu país, em fins da década de oitenta, depois de quase dois séculos de exílio, ele desempenhou uma extensa obra docente. Millán criou poesia virtual e marcou presença nas artes plásticas, realizando exposições no Chile, Canadá, Estados Unidos, Suécia e Holanda.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Relación personal (1968)
  • La Ciudad (1979)
  • Virus (1984)
  • Vida (1987)
  • Seudónimos de la muerte (1987)
  • Dragón que se muerde la cola (1987)
  • 5 poemas eróticos (1990)
  • Strange houses (1991)
  • Trece lunas (1997)
  • Claroscuro (2002)
  • Autorretrato de Memoria (2005)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]