Gottfried Feder

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gottfried Feder
Nascimento 27 de janeiro de 1883
Wurtzburgo
Morte 24 de setembro de 1941 (58 anos)
Murnau am Staffelsee
Cidadania Alemanha
Alma mater Universidade de Frederico-Guilherme
Ocupação economista, político, professor universitário, engenheiro, urbanista
Empregador Universidade Técnica de Berlim

Gottfried Feder (27 de janeiro de 1883 - 24 de setembro de 1941) foi um economista alemão e um dos principais membros iniciais do partido nazista. Ele era o seu teórico econômico. Foi sua palestra em 1919 que levou Hitler a ingressar no partido.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Feder nasceu em Würzburg, em 27 de janeiro de 1883, filho de funcionário público Hanse Feder e de Mathilde Feder. Depois de frequentar escolas humanistas em Ansbach e Munique, estudou engenharia em Berlim e Zurique (Suíça); depois de se formar, ele fundou uma empresa de construção em 1908, que foi particularmente ativa na Bulgária, onde construiu uma série de edifícios oficiais.

De 1917 em diante, Feder estudou política financeira e economia por conta própria; ele desenvolveu uma hostilidade aos ricos banqueiros durante a Primeira Guerra Mundial e em 1919 escreveu o manifesto Como quebrar os grilhões dos banqueiros ("Brechung der Zinsknechtschaft"). Isso foi logo seguido com a criação de uma "força-tarefa" dedicada a conseguir esses objetivos, que exigiam a nacionalização de todos os bancos e a abolição de interesses financeiros.

No mesmo ano, Feder, juntamente com Anton Drexler, Dietrich Eckart e Karl Harrer, se envolveram na fundação do Deutsche Arbeiterpartei (Partido dos Trabalhadores Alemães - DAP).[2] No verão de 1919, Adolf Hitler conheceu Feder e torno este seu mentor em finanças e economia. Ele foi o inspirador da oposição de Hitler ao "capitalismo financeiro judaico".[3]

1920[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1920, juntamente com Adolf Hitler e Anton Drexler, Feder elaborou o chamado "Programa dos 25 pontos", que resumia as opiniões do partido, e apresentou suas próprias ideias anticapitalistas no programa. Este foi apresentado em um comício, no dia 24 de fevereiro de 1920, na presença de 2.000 pessoas. Em uma tentativa de fazer o partido mais atraente para grandes segmentos da população, o DAP foi rebatizado em fevereiro do mesmo ano, com o nome de Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães - NSDAP), mais conhecido como Partido Nazista.[4]

Em novembro de 1923, Feder participou do Putsch da Cervejaria e, depois da prisão de Hitler, permaneceu um dos líderes do partido, sendo eleito para o Reichstag em 1924,[5] onde permaneceu até 1936. No congresso, exigiu o congelamento das taxas de juros e a desapropriação dos bens de cidadãos judaicos. Ele permaneceu um dos líderes da ala anticapitalista do NSDAP e publicou vários artigos, incluindo "Bases Sociais do Estado Nacional Alemão" em 1920, "Das Programm der NSDAP und seine weltanschaulichen Grundlagen" ("O programa do NSDAP"), em 1927 e "Was will Adolf Hitler? "("O que Adolf Hitler quer?") em 1931.

Feder deixou sua marca na política financeira oficial do NSDAP, mas depois que ele se tornou presidente do conselho econômico do partido em 1931, suas visões socialistas levaram a um grande declínio no apoio financeiro dos grandes industriais da Alemanha. Os generais também o criticaram por ele interferir com o rearmamento.[6]

Obras de Gottfried Feder[editar | editar código-fonte]

  • An Alle, Alle! Das Manifest zur Brechung der Zinsknechtschaft des Geldes, 1919.
  • Le Programme des 25 points, 1920.
  • The German State on a National and Socialist Foundation, 1920. ISBN 978-1901240221
  • Das Programm der NSDAP und seine weltanschaulichen Grundlagen, 1927.
  • Was will Adolf Hitler?, 1931.
  • Kampf gegen die Hochfinanz,1933.
  • Die Juden, 1934.
  • Die Neue Stadt, 1939.

Referências

  1. Dornberg, John (1982). Munich 1923. New York: Harper & Row. p. 344. ISBN 978-0-06-038025-0 
  2. Ian Kershaw (2008). Hitler: A Biography, New York: W. W. Norton & Company, p. 82.
  3. Ian Kershaw (2001) [1991]. Hitler: A Profile in Power, Capitulo I, Londres.
  4. Ian Kershaw; (2008); Hitler: A Biography; p. 87.
  5. Ian Kershaw; Hitler; p. 441
  6. Richard Grunberger, The 12-Year Reich, p. 153–4, ISBN 03-076435-1.