Governo de Beiyang

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira da República da China durante o Governo de Beiyang.
Brasão de armas da República da China durante o Governo de Beiyang.

O Governo de Beiyang (em chinês: 北洋 政府, em pinyin: Beiyang zhèngfǔ) ou o governo dos senhores da guerra[1] refere-se coletivamente a uma série de regimes que governaram a partir de Pequim entre 1912 e 1928[2] no Zhongnanhai.[3] Foi reconhecido internacionalmente como o governo legítimo da República da China. O nome foi tomado do Exército de Beiyang, que dominou a política com a ascensão de Yuan Shikai que foi um general no governo da Dinastia Qing. Embora a morte de Yuan em 1916 dividiu o exército em várias facções rivais, o governo sempre esteve sob a supervisão dos generais de Beiyang com fachada de civil ou "constitucional". Qualquer facção que controlasse Pequim teria uma aura de legitimidade, o reconhecimento diplomático, entre outros benefícios econômicos.

Localmente, a sua legitimidade foi contestada pelo governo do Kuomintang de Sun Yat-sen, com base em Guangzhou desde 1917. O sucessor de Sun, Chiang Kai-shek, liderou a Expedição do Norte entre 1926 e 1928, expulsando os senhores feudais Beiyang de Pequim e do Norte e o Sul da China, alcançando a unificação e o reconhecimento internacional do governo nacionalista do Kuomintang com base em Nanquim.

Referências

  1. Suleski, Ronald Stanley (2005). The Fairbank Center for East Asian Research at Harvard University: A Fifty Year History, 1955-2005 (em inglês). Cambridge: John K. Fairbank Center for East Asian Research, Harvard University. p. 37 
  2. Lee, Paul S. N. (1997). Telecommunications and Development in China (em inglês). Nova Iorque: Hampton Press. p. 64 
  3. Qu, Jing Cheng (1998). Chinese Physicists Educated in Germany and America: Their Scientific Contributions and Their Impact on China's Higher Education,(1900-1949) (em inglês). Columbus: Ohio State University. p. 251