Gracindo Júnior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde novembro de 2017). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gracindo Júnior
Gracindo Júnior (foto:Sérgio Savarese/flickr)
Nome completo Epaminondas Xavier Gracindo
Outros nomes Gracindo Jr.
Nascimento 21 de maio de 1943 (74 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação ator, letrista, diretor, autor e roteirista
Cônjuge Daisy Poli (1976-1979; 1980-1991; 1992-presente)
IMDb: (inglês)

Epaminondas Xavier Gracindo, mais conhecido como Gracindo Júnior (Rio de Janeiro, 21 de maio de 1943), é um ator brasileiro, filho do também ator Paulo Gracindo (falecido em 1995) e pai dos também atores Gabriel Gracindo, Pedro Gracindo e Daniela Duarte.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do veterano ator Paulo Gracindo, estreou profissionalmente em 1962, na montagem original de A Escada, de Jorge Andrade, com direção de Ivan de Albuquerque, pelo Teatro do Rio. Seguem-se participações no musical Os Fantástikos, de Tom Jones e Harvey Schmidt, e na inovadora montagem de Onde Canta o Sabiá, de Gastão Tojeiro, dirigido por Paulo Afonso Grisolli. Participa da montagem de dois clássicos: A Megera Domada, de William Shakespeare, encenado por Benedito Corsi; e O Burguês Fidalgo, de Molière, com direção de Ademar Guerra, ambos de 1968.

A carreira de Gracindo Júnior é ligada a autores brasileiros contemporâneos, notadamente Oduvaldo Vianna Filho, autor de peças em que atua, tais como: Dura Lex Sed Lex, com direção de Gianni Ratto, pelo Teatro Opinião; Alegro Desbum, texto em parceria com Armando Costa, dirigido por José Renato; Corpo a Corpo, monólogo inédito na direção de Aderbal Freire Filho; fazendo sua estréia como diretor também com texto de Vianinha, em A Longa Noite de Cristal. De Leilah Assumpção, atuou em Jorginho, o Machão; e dirigiu e produziu Roda Cor de Roda. De Millôr Fernandes, atuou em A Viúva Imortal, pelo Teatro Nacional de Comédia, em 1967, e dirigiu É..., na montagem que fez temporada em Lisboa, em 1978. No mesmo ano, atuou também em Arte Final, de Carlos Queiroz Telles, encenação de Cecil Thiré e, em 1979, em Sinal de Vida, de Lauro César Muniz.

Nos anos 80, trabalhou com menos frequência em teatro, e dedicou-se mais à televisão. Entre as suas realizações cênicas destacaram-se um show em homenagem a seu pai, Paulo Gracindo, Meu Pai, que ele escreveu, dirigiu e produziu em 1981, e a sua participação no elenco de Obrigado Pelo Amor de Vocês, de Edgard Neville, com direção de Antônio Mercado, 1987, que fez longa temporada no Rio de Janeiro e, posteriormente, em Lisboa.

Na década de 90, atuou em Black Out, de Frederick Knott, com direção de Eric Nielsen, em 1996, e, ao lado de Marília Pêra, em O Altar do Incenso, de Wilson Sayão, dirigido por Moacir Chaves, 1999.

Comprou briga com o SBT junto com Maitê Proença e outros atores por causa da reexibição da telenovela Dona Beija.

Interpretou em 2012 o Rei Saul na minissérie Rei Davi, na Rede Record.[1]

Em 2017 participa pela primeira vez uma novela portuguesa: Ouro Verde, transmitida pela TVI.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Emissora
2017 Ouro Verde Januário Cavalcantti TVI
2014 Plano Alto Guido Flores Rede Record
2013 Pecado Mortal Cebolão
2012 Rei Davi Saul
2010 Ribeirão do Tempo General Jairo
2009 Poder Paralelo Calógero Castellamare (Don Caló)
2007 Luz do Sol Nicanor Vasconcelos
2006 Cidadão Brasileiro Nestor Castanho
2004 Como uma Onda Fernando Rede Globo
2003 Celebridade Ubaldo Quintela
2002 Esperança Miguel
2000 Aquarela do Brasil Ramon García
Esplendor Dr. Hugo Norman
1999 Chiquinha Gonzaga Irineu Evangelista de Sousa (Barão de Mauá)
Louca Paixão Miguel Rede Record
1996 Anjo de Mim Cincinato Rede Globo
1994 74.5 - Uma Onda no Ar Jonas Mello Leal Rede Manchete
1992 Deus Nos Acuda Heitor Rede Globo
1990 Rainha da Sucata Valdemiro Rocha Lacerda (Vado)
Araponga Bernardo de Jesus Alves (Frei Bernardo)
1989 O Salvador da Pátria Ricardo Ribeiro
1987 Mandala Creonte Silveira
1986 Tudo ou Nada Marino Portobasso Rede Manchete
Dona Beija Antônio Sampaio
1984 Marquesa de Santos Pedro I do Brasil (Dom Pedro I)
1982 Quem Ama não Mata Marcelo Gusmão Rede Globo
1981 Jogo da Vida Osvaldo Ramos Cruz
1978 Sítio do Pica-pau Amarelo Teseu (Episódio: O Minotauro)
1976 O Casarão João Maciel dos Santos (Jovem)
1973 O Bem-Amado Jairo Portela
1969 Dez Vidas José Álvares Maciel Rede Excelsior
1967 A Rainha Louco Carlos Bórdon (Bórdon) Rede Globo
1965 Padre Tião Júnior de Oliveira Toledo
A Moreninha Felipe Araújo Marcondes
Rosinha do Sobrado Afonso Henrique Alencar

Direção[editar | editar código-fonte]

Ano Título Creditado como Emissora
1979 Marron Glacê Diretor Geral e Núcleo Rede Globo
Memórias de Amor

Referências

  1. Lídia Azevedo (30 de setembro de 2014). «Em 'Plano alto', Gracindo Jr.vive governador determinado a ser presidente». Extra. Consultado em 03 de outubro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Gracindo Júnior