Graham Taylor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Graham Taylor
Graham Taylor
Taylor em 2010
Informações pessoais
Nome completo Graham Taylor
Data de nasc. 15 de setembro de 1944
Local de nasc. Worksop, Reino Unido
Falecido em 12 de janeiro de 2017 (72 anos)
Local da morte Worksop, Reino Unido
Informações profissionais
Posição Treinador (Zagueiro)
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1962–1968
1968–1972
Inglaterra Grimsby Town
Inglaterra Lincoln City
189 (2)
150 (1)
Times/Equipas que treinou
1972–1977
1977–1987
1987–1990
1990–1993
1994–1995
1996–2001
2002–2003
Inglaterra Lincoln City
Inglaterra Watford
Inglaterra Aston Villa
Flag of England.svg Inglaterra
Inglaterra Wolverhampton Wanderers
Inglaterra Watford
Inglaterra Aston Villa
211
466
142
38
87
275
60

Graham Taylor (Worksop, 15 de setembro de 1944 – Worksop, 12 de janeiro de 2017) foi um futebolista e treinador de futebol inglês.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Taylor jogou em apenas 2 times [equipas] em todo o seu percurso de jogador (atuava como zagueiro [defesa]): o Grimsby Town e o Lincoln City, onde se tornou treinador em 1972, no mesmo ano em que deixou de jogar.

Como técnico, destacou-se no Watford, onde permaneceu durante 10 anos, na época em que o cantor Elton John era presidente do clube.[1] Treinou ainda o Aston Villa antes de ser confirmado como novo treinador da Seleção Inglesa, substituindo Bobby Robson. A escolha gerou críticas da imprensa, uma vez que não havia conquistado um título relevante - o máximo que Taylor obteve foram 2 títulos da Quarta Divisão com o Watford na década de 1970.[2]

Tendo classificado o English Team à Eurocopa de 1992, Taylor não conseguiu montar um time competitivo à altura da competição, embora tivesse levado Stuart Pearce, Mark Wright, Neil Webb, Des Walker e Gary Lineker, remanescentes da Copa de 1990, para a Suécia. A equipe, que sentiu as ausências de Paul Gascoigne, Gary Stevens, John Barnes e Lee Dixon, além da decisão de não levar Peter Beardsley e Chris Waddle e a recusa da UEFA em convocar Tony Adams para o lugar de Wright, que também havia se lesionado, amargou a eliminação ainda na fase de grupos, juntamente com a França. A pá de cal na passagem de Taylor foi a não-classificação da Inglaterra para a Copa de 1994.[2]

Depois de abandonar o cargo de treinador da seleção, treinaria o Wolverhampton Wanderers durante uma temporada antes de voltar ao Watford em 1996.[3] Seu último trabalho como treinador foi novamente no Aston Villa, entre 2002 e 2003.

Morreu em 12 de janeiro de 2017, aos 72 anos, vitimado por um ataque cardíaco.[4]

Referências

  1. «'Elton and I were almost like brothers': Graham Taylor on his football firsts and lasts» (em inglês). The Guardian. Consultado em 13 de janeiro de 2017. 
  2. a b Kelly, Ciaran (6 de março de 2012). «Graham Taylor and the impossible job» (em inglês). Back Page Football. Consultado em 13 de janeiro de 2017. 
  3. Perez, Nathalia (12 de janeiro de 2017). «Adeus, Graham Taylor, o técnico que fez maravilhas com o Watford da quarta à primeira divisão». Trivela. UOL. Consultado em 13 de janeiro de 2017. 
  4. «Graham Taylor: Former England manager dies at 72». BBC. 12 de janeiro de 2017. Consultado em 12 de janeiro de 2017. 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.