Grand Theft Auto IV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grand Theft Auto IV
Desenvolvedora(s) Rockstar North
Publicadora(s) Rockstar Games
Distribuidora(s) Take-Two Interactive
Produtor(es) Leslie Benzies
Projetista(s) Keith McLeman
Simon Lashley
Craig Filshie
Escritor(es) Dan Houser
Rupert Humphries
Programador(es) Adam Fowler
Alexander Roger
Obbe Vermeij
Artista(s) Aaron Garbut
Motor RAGE
Plataforma(s) PlayStation 3
Xbox 360
Microsoft Windows
Série Grand Theft Auto
Data(s) de lançamento PlayStation 3 & Xbox 360
29 de abril de 2008
Microsoft Windows
2 de dezembro de 2008
Gênero(s) Ação-aventura
Modos de jogo Um jogador
Multijogador
Grand Theft Auto:
Vice City Stories
Grand Theft Auto: Chinatown Wars
Página oficial

Grand Theft Auto IV é um jogo eletrônico de ação-aventura desenvolvido pela Rockstar North e publicado pela Rockstar Games. É o sexto título principal da série Grand Theft Auto e foi lançado em 29 de abril de 2008 para PlayStation 3 e Xbox 360 e depois em 2 de dezembro para Microsoft Windows. O jogo se passa na cidade ficcional de Liberty City, com a história um jogador seguindo o imigrante Niko Bellic e suas tentativas de fugir do passado apesar da pressão de agiotas e criminosos. O mundo aberto permite que os jogadores naveguem livremente pelas três ilhas que formam a cidade.

A jogabilidade é mostrada em uma perspectiva de terceira pessoa e o mundo pode ser atravessado a pé ou com veículos. Os jogadores controlam Niko Bellic no modo um jogador, com muitas missões envolvendo tiro e direção. O modo multijogador permite que grupos jogadores entrem em partidas competitivas ou cooperativas em recriações do mapa um jogador. Dois pacotes de expansão foram posteriormente lançados, The Lost and Damned e The Ballad of Gay Tony, ambos contendo novos enredos e protagonistas que se interconectam com a história principal de Grand Theft Auto IV.

O desenvolvimento começou pouco depois do lançamento de Grand Theft Auto: San Andreas em 2004 e foi compartilhado por algumas das subsidiárias da Rockstar. O título apresentou uma mudança para um tom mais realista e estilo mais detalhado em relação a jogos anteriores da série. Grand Theft Auto IV não teve nenhuma grande influência cinematográfica ao contrário de seus predecessores, com a equipe tentando abordá-lo como uma história original. Os desenvolvedores realizaram grandes pesquisas de campo na cidade de Nova Iorque com o objetivo de reproduzir fielmente a cidade dentro do jogo.

Grand Theft Auto IV foi anunciado em maio de 2006 e gerou grandes expectativas. Ele foi aclamado pela crítica, com elogios sendo direcionados particularmente para sua narrativa e projeto de mundo aberto. Entretanto, o jogo gerou algumas controvérsias sobre sua representação da violência e a possibilidade de se dirigir embriagado. Ele quebrou recordes de vendas da indústria e tornou-se o produto de entretenimento mais rapidamente vendido na história, arrecadando 310 milhões de dólares em um dia e quinhentos milhões em uma semana. Grand Theft Auto IV também recebeu vários prêmios de Jogo do Ano.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Grand Theft Auto IV e um jogo eletrônico de ação-aventura jogado a partir de uma perspectiva em terceira pessoa.[1] Os jogadores completam missões – cenários lineares com objetivos definidos – a fim de progredirem pela história. É possível ter mais de uma missão ativa ao mesmo tempo, com certas missões precisando que os jogadores esperem para receberem mais instruções ou eventos.[2] Os jogadores podem vagar livremente pelo mundo de jogo quando não estão dentro de missões.[3]

Os jogadores podem usar ataques corpo-a-corpo, armas de fogo e explosivos a fim de combaterem inimigos, tendo a capacidade de navegar pelo mundo a pé, nadando ou por meio de automóveis, barcos e helicópteros. Sistemas de mira automática e cobertura podem ser usados a fim de ajudarem no combate contra oponentes. Caso os jogadores tomem dano, sua vitalidade pode ser restaurada completamente usando caixas de primeiros socorros, ingerindo comida ou bebida ou ligando para paramédicos.[4] Agências de combate ao crime podem responder à infrações cometidas pelo jogador através de um medidor de "procurado". Estrelas mostradas no medidor indicam o nível de procurado (por exemplo, os esforços da polícia tornam-se extremamente agressivos contra o jogador no nível máximo de seis estrelas). Oficiais da lei irão procurar pelos jogadores caso estes deixem a área de patrulhamento. O medidor entra em esfriamento e eventualmente regride ao zero quando os jogadores se escondem do campo de visão dos policiais.[5]

O combate de Grand Theft Auto IV contém um sistema de cobertura que permite que os jogadores se escondam atrás de objetos.

O sistema de cobertura permite que os jogadores movam-se entre proteções, atirem cegamente, mirem livremente e mirem em um inimigo específico. Partes individuais do corpo também podem ser miradas.[6] Ataques corpo-a-corpo possuem movimentos adicionais, como esquivar, bloquear e desarmar um oponente durante um contra-ataque. Coletes à prova de balas podem ser usados para absorver disparos e danos de explosões, porém acabam se desgastando no processo. Quando a vitalidade chega ao zero, o jogador renasce no hospital mais próximo.[4]

O modo um jogador permite o controle de Niko Bellic. Este conhece vários personagens durante a história, alguns dos quais tornam-se amigos. Estes podem realizar favores para Niko; por exemplo, Roman Bellic oferece viagens de táxi grátis para qualquer lugar em Liberty City. Os jogadores também enfrentam escolhas morais no decorrer do jogo, alterando a linha de história dependendo da escolha feita. Os jogadores também podem entrar em diversas atividades enquanto vagam livremente pelo mundo, como por exemplo boliche ou jogos de dardos.[7][8] Nico possui um celular que pode ser usado para ligar para amigos e iniciar atividades.[9] Grand Theft Auto IV contém uma internet dentro do próprio jogo, em que Niko pode entrar em diversas páginas diferentes, ler notícias sobre eventos da história e receber e-mails, podendo ser acessada por cibercafés localizados ao redor da cidade.[10]

O modo multijogador online permite que até dezesseis jogadores nas versões para consoles e 32 na versão de computador vaguem livremente em uma recriação do mapa do modo um jogador.[11][12] Os jogadores podem decidir qual modo desejam jogar, incluindo corridas e mata-matas.[13] Modos competitivos e cooperativos estão disponíveis. Estes são divididos em partidas ranqueadas e não ranqueadas. É preciso ganhar dinheiro dentro do jogo para que os jogadores subam de nível. Há também um modo livre em que os jogadores tem todo o mapa livre para explorar sem nenhum objetivo específico.[14]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Niko Bellic, um veterano de guerra do Leste Europeu,[15] viaja para Liberty City à procura do Sonho Americano e para procurar o homem que traiu sua unidade do exército quinze anos antes. Entretanto, ao chegar, Niko descobre que as histórias de luxo e riqueza de seu primo Roman Bellic era todas mentiras para esconder o fato que este está lutando contra dívidas e agiotas, além de morar em um apartamento sujo em vez de uma mansão.[16]

Niko defende Roman de capangas repetidas vezes,[17] eventualmente matando Vlad Glebov, um agiota que havia dormido com Mallorie, a namorada de Roman.[18] Os dois primos acabam sequestrados por membros da máfia russa sob as ordens de Mikhail Faustin e seu parceiro Dimitri Rascalov. Faustin não fica incomodado pela morte de Vlad e contrata Niko.[19] Este rapidamente percebe que seu novo patrão é um psicopata ao receber ordens para matar o filho de Kenny Petrović, o homem mais poderoso da máfia russa de Liberty City. Dimitri ordena que Niko assassine Faustin a fim de impedir uma guerra de gangues contra Petrović.[20] Entretanto, Dimitri trai Niko ao trazer Ray Bulgarin, o antigo empregador de Niko que o acusa de lhe roubar anos antes. Niko nega a alegação, com um tiroteio começando em que Dimitri e Bulgarin escapam.[21]

Niko e Roman pouco depois são forçados a fugir para Bohan quando seu apartamento e garagem de táxi são destruídos pelos homens de Dimitri.[22] Porém, os capangas russos conseguem sequestrar Roman em uma tentativa de matar Niko, porém este consegue resgatar o primo.[23] Além disso, Michelle, a namorada de Niko, revela ser uma agente governamental e o força a trabalhar para seu chefe, chamado apenas pelo codinome United Liberty Paper.[24] Niko mata várias suspeitos de terrorismo em nome da agência sob a promessa que receberá ajuda em encontrar o traidor da sua unidade.[25][26][27]

Niko passa a trabalhar para uma gangue irlandesa e para a máfia italiana por dinheiro e outros meios de encontrar o traidor de sua unidade.[28][29][30][31] Eventualmente, United Liberty Paper encontra o homem responsável pela traição da unidade: Dark Brevic. Niko o confronta e decide seu destino.[32] Tendo lidado com seu passado, Niko é chamado por Jimmy Pegorino, um de seus empregadores da máfia, para pedir um último favor: ajudar em um negócio extremamente lucrativo de heroína junto com Dimitri.[33]

Niko fica com duas escolhas: realizar o negócio com Dimitri ou se vingar dele.[33] Caso ele aceite fazer o negócio, Dimitri trai Niko novamente ao ficar com toda a heroína.[34] Dimitri em seguida envia um assassino para o casamento de Roman com Mallorie, com Roman acabando morto enquanto Niko desarma o capanga.[35] Niko fica devastado, caça e mata Dimitri, pouco depois deste matar Pegorino.[36] Caso Niko escolha a opção da vingança, ele surpreende e mata Dimitri a bordo de um navio.[37] Pegorino fica furioso pela traição de Niko e passa de carro atirando no casamento de Roman e Mallorie, acidentalmente matando Kate McReary, a namorada de Niko.[35] Niko persegue e executa Perogino, que tornou-se o alvo de todo o submundo do crime de Liberty City.[38]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Os trabalhos em Grand Theft Auto IV começaram em novembro de 2004, quase imediatamente após o lançamento de Grand Theft Auto: San Andreas.[39] Por volta de 150 desenvolvedores trabalharam no jogo[40] e foram liderados pelos principais membros da equipe que anteriormente produziram Grand Theft Auto III, Grand Theft Auto: Vice City e San Andreas.[41] A desenvolvedora Rockstar North empregou no título seu motor de jogo proprietário Rockstar Advanced Game Engine (RAGE) em combinação com a Euphoria como motor de animação. Esta utilizava animações procedurais em vez de animações pré-definidas a fim de controlar o modo que o jogador se move, permitindo que os movimentos dos personagens fossem mais realistas.[42] Grand Theft Auto IV também usou uma middleware da Image Metrics com o objetivo de facilitar expressões faciais e ajudar no processo de sincronização de lábio e fala.[43] As folhagens foram produzidas com o programa SpeedTree.[44]

O roteiro de Grand Theft Auto IV foi escrito por Dan Houser e Rupert Humphries. O primeiro explicou que, diferentemente de títulos Grand Theft Auto anteriores que possuíam uma forte influência cultural ou cinematográfica, o novo jogo não possuía nenhuma destas:[39] "se os jogos eletrônicos vão se desenvolver até o próximo estágio, então tentar prestar uma homenagem carinhosa ou referência a outra época não é a coisa certa a fazer. É referenciar o lugar de verdade". Houser também disse que a equipe desejava que seus personagens não fossem "algo que era obviamente derivado de algum filme [...] Talvez poderíamos fazer algo nós mesmos que possa viver ao lado dessas coisas".[41] A ideia de que protagonista Niko Bellic fosse um imigrante foi considerada "particularmente fascinante" por Houser e seu irmão o produtor executivo Sam Houser, ambos imigrantes britânicos nos Estados Unidos, sentindo que conseguiam se identificar com as dificuldades passadas pelo personagem.[45]

O jogo apresenta uma mudança na série para um estilo e tom mais realista e detalhado,[39] parcialmente o resultado da transição para os consoles da sétima geração que ofereciam gráficos em alta definição e maiores capacidades técnicas.[41] Houser afirmou que "o que estamos pegando como lema é a ideia do que a alta definição significa. Não apenas em termos de gráficos, que obviamente estamos alcançando, mas em termos de todos os aspectos de projeto", complementando que o objetivo da equipe era alcançar um jogo mais coeso que ainda assim tivesse a coerência que os títulos passados da série tinham.[39] A decisão de colocar a história se passando em uma recriação de Nova Iorque também foi influenciada pelo novo poderio técnico à disposição dos desenvolvedores; o diretor de arte Aaron Garbut comentou que a Rockstar estava procurando chegar em um alto nível em relação a "detalhes, variedade e vida", dessa forma "foi um grande encaixe basear o jogo em uma cidade que é sinônimo dessas coisas".[46]

A equipe tentou fazer de Liberty City uma cidade muita mais detalhada e densa quando comparada àquelas criadas em seus jogos anteriores.

A equipe evitou fazer uma recriação "quarteirão por quarteirão" de Nova Iorque, com Houser afirmando que o objetivo era criar algo que parecesse real e tivesse a mesmas qualidades da original, mas que ainda assim fosse divertido de se jogar "a partir de uma perspectiva de projeto".[39] A versão da Liberty City de Grand Theft Auto IV era muito mais detalhada e maior que o mapa dos primeiros títulos da série; apesar de menor em área do que a San Andreas apresentada em San Andreas, Liberty City foi comparada pelos desenvolvedores em termos de escopo quando era levado em conta "o nível de verticalidade da cidade, o número de prédios em que você pode entrar e o nível de detalhes nesses prédios".[47] A Rockstar não queria que a cidade tivesse espaços mortos ou irrelevantes, como os grandes desertos de San Andreas.[39] A equipe da Rockstar North realizou duas viagens de sua sede em Edimburgo na Escócia até Nova Iorque a fim de realizarem pesquisas de campo, uma durante o início do projeto como havia sido feito em jogos anteriores da série e uma menor mais adiante no processo de desenvolvimento.[46] Uma equipe de pesquisa em tempo integral baseada em Nova Iorque lidou com quaisquer outros pedidos de informação, indo desde minorias étnicas até vídeos de bairros e padrões de tráfego de veículos.[41]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

A equipe desejava que as músicas licenciadas presentes nas rádios do jogo representassem aquilo que Nova Iorque era, porém que ao mesmo tempo "elas não pareçam datadas na época em que o jogo sair".[48] Os desenvolvedores entraram em contato com mais de dois mil pessoas para adquirir os direitos de gravação e publicação.[49] Eles achegaram até mesmo a contratar um detetive particular para localizar os parentes Sean Delaney, membro falecido da banda Skatt Bros., para poderem licenciar a canção "Walk the Night".[50] Relatos afirmaram que a Rockstar pagou até cinco mil dólares por composição e outros cinco mil por gravação master por faixa.[51] A equipe originalmente considerou fazer com que os jogadores comprassem músicas em uma loja dentro do jogo e que Niko tivesse um Leitor de MP3, porém ambas as ideias foram cortadas.[49]

O jogo utilizou um sistema musical similar ao empregado em San Andreas. Em títulos anteriores da série, cada emissora de rádio era essencialmente um único arquivo de áudio em loop, tocando as mesmas canções, anúncios e comerciais na mesma ordem todas as vezes. Cada arquivo de som foi programado separadamente em Grand Theft Auto IV, sendo sequenciados randomicamente, permitindo que as faixas tocassem em ordens diferentes, que os comerciais e anúncios fossem diferentes todas as vezes e que eventos do enredo fossem mencionados. Certas canções foram editadas para incorporarem referências a Liberty City;[49] o produtor musical Bobby Konders chegou a viajar até a Jamaica para que artistas de dancehall regravassem certas faixas para que elas fizessem referências aos bairros de Liberty City.[51]

Várias celebridades reais interpretaram os DJs das diferentes rádios do jogo, incluindo o estilista Karl Lagerfeld, os músicos Iggy Pop,[52] Femi Kuti[53] e Ruslana,[54] além do apresentador Lazlow Jones. Os atores Bill Hader e Jason Sudeikis aparecem respectivamente como apresentadores de rádio liberal e conservador, com Fred Armisen interpretando vários convidados em uma das emissoras.[55]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Mural em Nova Iorque promovendo Grand Theft Auto IV, julho de 2007.

Grand Theft Auto IV foi anunciado oficialmente em 9 de maio de 2006 durante a conferência da Microsoft na Electronic Entertainment Expo, com uma data de lançamento prevista para 16 de outubro de 2007.[56] Apesar de rumores em meados de 2007 de que o jogo poderia ser adiado até o ano seguinte,[57] a Rockstar reiterou seu compromisso com o lançamento no mês de outubro.[58] Entretanto, a distribuidora Take-Two Interactive anunciou em 2 de agosto que o título perderia sua data original e seria adiado para o segundo trimestre fiscal de 2008, entre fevereiro e abril.[59] O diretor executivo Strauss Zelnick da Take-Two posteriormente atribuiu o adiamento a "quase inteiramente problemas tecnológicos ... problemas não, mas desafios".[60] Foi depois revelado que dificuldades técnicas com a versão de PlayStation 3 contribuíram para o adiamento, além de problemas de armazenamento com a versão de Xbox 360. A Take-Two finalmente anunciou em 23 de janeiro de 2008 que Grand Theft Auto IV seria lançado mundialmente em 29 de abril de 2008.[61]

O jogo recebeu uma grande campanha de divulgação organizada pela Take-Two à medida que sua estreia aproximava-se, com essa assumindo várias formas como comerciais de televisão, vídeos na internet, cartazes nas ruas, campanhas virais e um website oficial redesenhado.[62] Além disso, foi lançada uma edição especial do jogo contendo uma caixa especial, livro de arte, álbum da trilha sonora e uma mala.[63] No total, Grand Theft Auto IV passou três anos e meio em desenvolvido para um custo total de produção de aproximadamente cem milhões de dólares, tornando-se na época o jogo eletrônico mais caro da história até então.[64]

Uma versão para Microsoft Windows desenvolvida pela Rockstar North e Rockstar Toronto foi anunciada em 6 de agosto. O jogo recebeu originalmente uma data de lançamento de 18 de novembro de 2008 na América do Norte e 21 de novembro na Europa,[65] porém foi adiado para 2 e 3 de dezembro, respectivamente. A versão vinha com elementos extras como aprimoramentos nos gráficos,[66] controle da intensidade do tráfego de veículos, maior configurações da renderização de distância e um editor de replays.[67] Este último permitia que os jogadores gravassem e editassem vídeos de jogabilidade que podiam ser postados no serviço online Rockstar Games Social Club.[68]

Conteúdo extra[editar | editar código-fonte]

Dois conteúdos para download de história foram lançados para Grand Theft Auto IV. Os dois episódios foram inicialmente lançados separados e exclusivamente para Xbox 360, necessitando do jogo original para serem jogados.[69] Ambos foram depois lançados como um jogo autônomo chamado Grand Theft Auto: Episodes from Liberty City, que não precisa do original para funcionar.[70] Houser afirmou que os dois episódios mostram "um lado diferente de Liberty City".[71]

A primeira expansão foi The Lost and Damned, lançada em 17 de fevereiro de 2009.[72] A história segue Johnny Klebitz, vice-presidente da gangue de motoqueiros The Lost que precisa lidar com o retorno do seu antigo presidente Billy Grey.[69] A segunda expansão foi The Ballad of Gay Tony, que estreou em 29 de outubro de 2009.[73] O enredo se foca em Luis Fernando Lopez, o assistente do dono de clubes noturnos Tony "Gay Tony" Prince, enquanto resolve conflitos com seus amigos, família e chefe.[70]

Jeronimo Barrera, vice-presidente de desenvolvimento de produtos da Rockstar Games, afirmou que os dois episódios eram experimentos pois a equipe estava incerta se existiam usuários suficientes com acesso a conteúdos online no Xbox 360.[74] Foi depois revelado que a Microsoft pagou cinquenta milhões de dólares a Rockstar pela exclusividade temporária dos conteúdos extras.[75] Os episódios mais Episodes from Liberty City foram lançados para PlayStation 3 e Microsoft Windows em abril de 2010.[76]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
1UP.com A+[77]
Computer and Video Games 9,5/10[78]
Edge 10/10[79]
Eurogamer 10/10[80]
Game Informer 10/10[81]
GameSpot 10/10[12]
GamesRadar 5 de 5 estrelas.[82]
IGN 10/10[3]
Pontuação global
Publicação Nota média
Metacritic 98/100[83][84]

Grand Theft Auto IV foi aclamado pela crítica especializada. O agregador de resenhas Metacritic calculou uma nota média de 98/100, indicando "aclamação universal", baseado em 64 críticas para a versão de PlayStation 3[83] e 86 para a versão de Xbox 360.[84] Ele é o segundo jogo mais bem avaliado da história do Metacritic, atrás apenas de The Legend of Zelda: Ocarina of Time.[85] Os críticos elogiaram sua narrativa,[3][77][81][86] projeto de mundo aberto[3][77][78] e sistema de combate.[12][78][80][82] Hilary Goldstein da IGN achou que o título "estabelece uma nova referência para jogos de mundo aberto",[3] enquanto Andrew Reiner da Game Informer escreveu que Grand Theft Auto IV "muda completamente a paisagem dos jogos".[81]

Os críticos gostaram do projeto de mundo aberto, com alguns elogiando a liberdade dada aos jogadores. Seth Schiesel do The New York Times disse que Liberty City era a "verdadeira estrela" do jogo.[52] Jon Hicks da Official Xbox Magazine ficou impressionado com a cidade, atribuindo esse efeito para sua inteligência artificial.[86] Andy Robinson da Computer and Video Games considerou que os ambientes eram críveis e sentiu que o mundo era "completamente sem paralelos".[78] Goldstein escreveu que apesar de Liberty City ser inspirada em Nova Iorque, a primeira não estava presa à segunda, em vez disso ela "existe em seu próprio universo".[3] Crispin Boyer da 1UP.com elogiou os "visuais de tirarem o fôlego [e] cenários incrivelmente variados" da cidade.[77] Inversamente, Jesse Costantino da Game Revolution sentiu que faltavam para o jogo elementos importantes comuns em títulos de mundo aberto.[87]

A narrativa foi alvo de vários elogios. Goldstein aceitou os tons mais sombrios da história, quebrando a tradição da franquia até então.[3] Hicks ficou surpreso pela grande profundidade do enredo.[86] Reiner escreveu que o nível de liberdade proporcionado pelo jogo contribuía para a satisfação e aproveitamento da história.[81] As escolhas morais enfrentadas pelos jogadores em determinados pontos da narrativa também foram bem recebidas. Boyer achou que elas despertavam a vontade nos jogadores de jogar outra vez para tomarem decisões diferentes e descobrir os resultados.[77] Tom Bramwell da Eurogamer considerou que as escolhas morais eram boas substitutas para "chefões com grandes barras de vida".[80]

O protagonista Niko Bellic com o antagonista Dimitri Rascalov. Os críticos elogiaram a história e os personagens, gostando das escolhas morais enfrentadas pelos jogadores.

Os personagens do jogo, particularmente Niko Bellic, foram bem recebidos pelos críticos. Hicks e Robinson chamaram Niko de "carismático" e "simpático", afirmando que o preferiam em relação aos outros protagonistas da série.[78][86] George Walter da GamesRadar elogiou a profundidade do personagem,[82] com Goldstein achando que Niko parecia ainda mais simpático quando enfrentava decisões difíceis.[3] Jeff Gerstmann da Giant Bomb escreveu que o personagem era "a única coisa que eu me importava" a medida que progredia pela história, com Niko tornando-se um de seus elementos favoritos do jogo.[88] Schiesel nomeou Niko como um dos personagem de jogos eletrônicos mais bem concebido da história, creditando isto ao roteiro.[52]

Muitos críticos acharam que o sistema de combate era mais responsivo do que em títulos anteriores, elogiando particularmente a adição do sistema de cobertura.[77][78][80] Justin Calvert da GameSpot escreveu que o sistema de cobertura fazia do combate um "melhoramento enorme" sobre outros jogos da franquia.[12] Reiner concordou, afirmando que o sistema de mira fazia os jogadores sentirem-se responsáveis por todas as mortes.[81] Goldstein elogiou a fluidez do sistema de cobertura, sentindo que a mecânica da mira automática era uma "grande ajuda em grandes batalhas".[3] Walter disse que o sistema de cobertura "pavimentou o caminho para um novo estilo de missão".[82] David McComb da Empire chamou o combate de "afiado e instintivo",[89] enquanto Hicks achou que a cobertura permitia que os jogadores executassem um plano de ataque.[86] Além das adições às mecânicas de combate, os críticos também salientaram que a direção de veículos estava mais realista do que anteriormente.[81][82][86] Robinson afirmou que a direção refletia o realismo,[78] com Hicks dizendo que a seleção de veículos era "excelente".[86] Constantino elogiou os melhoramentos das mecânicas de jogo, particularmente as animações de veículos e personagens.[87]

Os críticos elogiaram o desenho sonoro. Goldstein gostou das performances dos atores e o uso das músicas licenciadas.[3] Calvert e Walter também elogiaram as canções, com o segundo admirando o humor das estações de rádio.[12][82] Michael Pinson da The Pro Audio Files falou bem dos elementos separados do desenho sonoro – incluindo a ambiência da cidade, músicas licenciadas, diálogos dos personagens e efeitos dos veículos e armas – apreciando sua unidade dentro do jogo.[90] Carolyn Gudmundson da GamesRadar também elogiou retroativamente a trilha sonora, comentando que ela encaixava-se na ambientação.[91]

O modo multijogador online também teve uma recepção positiva.[12][80] Reiner elogiou as opções de customização dos personagens e salientou que ele funcionava tão bem quanto o modo um jogador.[81] Boyer chamou o multijogador de "excelente",[77] com Goldstein nomeando-o como um dos melhores do gênero.[3] Hicks achou que era "imensamente divertido",[86] enquanto Walter elogiou o fácil processo de entrar em uma partida multijogador.[86] Gertsmann e Constantino tiveram opiniões mistas sobre o modo, com o segundo admitindo que era uma "ideia fantástica", mas sentindo que problemas de conectividade resultaram em uma experiência "quebrada".[87][88]

Windows[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
1UP.com B[92]
Computer and Video Games 9,4/10[93]
Eurogamer 9/10[94]
GameSpot 9/10[95]
GameSpy 5 de 5 estrelas.[96]
IGN 9,2/10[97]
VideoGamer.com 10/10[98]
Pontuação global
Publicação Nota média
Metacritic 90/100[99]

A versão de Microsoft Windows recebeu críticas positivas. O agregador de resenhas Metacritic calculou uma nota média de 90/100, indicando "aclamação universal", baseado em 40 críticas.[99] Os críticos elogiaram os visuais aprimorados[93][98][100] e os elementos extras,[92][95][97][100] porém criticaram a conversão por sua inferioridade em relação às versões de console.[92][94][97]

Os elementos adicionados à conversão foram bem recebidos.[97][100] A presença do Editor de Vídeo teve uma recepção positiva, com Calvert dizendo que era "um bom modo de ser criativo",[95] enquanto Kieron Gillen da Eurogamer criticou a imprevisibilidade de seu timing.[94] Os críticos também elogiaram a opção de uma rádio customizável, permitindo que os jogadores ouvissem suas próprias músicas; Tom Chick da 1UP.com afirmou que era o melhor elemento da versão[92] e Steven Hopper da GameZone disse que era "um bom toque".[100] O aumento para 32 jogadores no multijogador também recebeu comentários positivos; Gillen escreveu que a "possibilidade de caos... aumenta",[94] enquanto Will Tuttle da GameSpy achou que o aumento "muda significantemente a ação".[96]

Os visuais aprimorados foi outro ponto considerado positivo. Hopper achou que os gráficos eram uma melhora sobre os originais.[100] Robinson afirmou que os visuais eram "impressionantes",[93] com Tom Orry da VideoGamer.com dizendo que eles eram "soberbos".[98] Por outro lado, os requerimentos técnicos da conversão foram considerados difíceis de executar com configurações avançadas,[95] algo que foi criticado.[97][98] Gillen escreveu que, apesar da versão para Microsoft Windows ser " a versão mais atraente", ela era "irritantemente complicada para se chegar lá".[94] Tuttle escreveu que conseguiu ignorar os exigentes requerimentos em troca dos outros elementos adicionais.[96]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Grand Theft Auto IV vendeu 3,6 milhões de cópias em apenas 24 horas depois de seu lançamento, equivalendo a uma arrecadação de 310 milhões de dólares.[101] Ele já havia arrecadado mais de quinhentos milhões de dólares mundialmente dentro de uma semana, equivalendo a seis milhões de unidades vendidas para a Take-Two.[102] Os números superaram as expectativas dos analistas.[103][104] O jogo já tinha vendido mais de 8,5 milhões de cópias depois de um mês de vendas.[105] Grand Theft Auto IV quebrou três Guinness World Records em 13 de maio de 2008: jogo eletrônico de maior arrecadação em 24 horas, maior renda gerada por um produto de entretenimento em 24 horas e jogo eletrônico de venda mais rápida em 24 horas.[106] A Take-Two anunciou em 10 de março de 2011 que o jogo tinha vendido mais de vinte milhões de unidades, com a série Grand Theft Auto como um todo ultrapassando a marca de cem milhões de cópias vendidas.[107] O título já tinha vendido mais de 25 milhões de unidades por volta de julho de 2013.[108] Todos os recordes estabelecidos por Grand Theft Auto IV foram depois quebrados por seu sucessor Grand Theft Auto V.[109]

O título tornou-se o jogo mais rapidamente vendido na história do Reino Unido com 631 mil cópias em 24 horas.[110][111] Ele superou o recorde anterior de 501 mil unidades de San Andreas.[110] Ele vendeu mais de 926 mil cópias no Reino Unido dentro cinco dias de venda.[112] O jogo vendeu 2,85 milhões de unidades nos Estados Unidos no mesmo período.[113] Grand Theft Auto IV já tinha vendido 5,18 milhões de cópias nos Estados Unidos até o final de 2008.[114] No Japão ele vendeu 168 mil unidades em quatro dias.[115]

A versão para Microsoft Windows estreou na sétima posição dos mais vendidos durante sua primeira semana de vendas nos Estados Unidos;[116] ela saiu da lista dos dez mais vendidos já em sua segunda semana.[117] Grand Theft Auto IV foi o jogo mais jogado da Games for Windows – Live em 2009 e 2012, ficando também na segunda posição em 2011, levando-se em conta o número de usuários únicos.[118][119][120]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Grand Theft Auto IV foi indicado a vários prêmios por diversas publicações diferentes. Ele venceu em vários prêmios de Jogo do Ano entregues pela Game Informer,[121] Spike Video Game Awards,[122] Giant Bomb,[123] Kotaku,[124] GameTrailers,[125] The New York Times,[126] Los Angeles Times[127] e Time.[128] Sua história e narrativa foram premiadas pela IGN,[129][130] GameTrailers,[131] GameSpy[132] e Kotaku.[124] Além disso, ele também venceu o prêmio de Melhor Jogo de Ação-Aventura da IGN,[133] GameTrailers[134] e Spike.[122] Grand Theft Auto IV também foi indicado em sete categorias do BAFTA Video Game Awards[135] e três no Game Developers Choice Awards.[136]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Grand Theft Auto IV foi alvo de grandes controvérsias antes e desde seu lançamento, assim como todos os jogos Grand Theft Auto anteriores. Figuras públicas como o advogado Jack Thompson e os políticos Michael Bloomberg e Hillary Clinton já criticaram o jogo, assim como organizações incluindo funcionários públicos de Nova Iorque e Mothers Against Drunk Driving.[137][138][139] Esta última pediu para a Entertainment Software Rating Board alterar a classificação indicativa do jogo de "maiores de idade" para "apenas adultos" pois o jogador tinha a possibilidade de dirigir alcoolizado.[140]

A versão inicial de Grand Theft Auto IV lançada na Austrália e Nova Zelândia foi pré-censurada pela Rockstar com o objetivo de permitir que o jogo passasse nos critérios do sistema de classificação australiano.[141] Entretanto, o jogo foi ressubmetido no órgão de classificação neozelandês por Stan Calif, então um estudante de 21 anos que estava insatisfeito por a Nova Zelândia ter recebido uma versão editada como resultado de leis de censura australianas. A versão sem cortes recebeu uma classificação de "maiores de dezoito" e foi liberada para venda no país.[142] A versão sem censuras do lançamento para Microsoft Windows recebeu uma classificação de "maiores de quinze anos" na Austrália.[143] A Rockstar distribuiu após o lançamento de The Lost and Damned uma atualização que removia censurava dos consoles australianos.[144]

Houve relatos no Reino Unido e nos Estados Unidos de crimes realizados contra pessoas que estava comprando Grand Theft Auto IV e contra funcionários de lojas vendendo o jogo.[145][146] Um desses incidentes foi um ataque perto de uma loja em Londres, que mais tarde foi relatado como uma discussão sem relação entre dois grupos saindo de um bar;[147] a história foi depois chamada de "pânico midiático".[148] Seis adolescentes foram presos em junho de 2008 após terem realizado uma onda de crimes em Nova Iorque, assaltando e roubando várias pessoas e tentando roubar um carro. De acordo com a polícia, os jovens afirmaram terem se "inspirado" em Grand Theft Auto IV.[149]

Referências

  1. (outubro de 2007) "Wanted". GamePro p. 52.
  2. Radcliffe, Doug (3 de abril de 2009). «Grand Theft Auto IV Walkthrough». GameSpot. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  3. a b c d e f g h i j k Goldstein, Hilary (29 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV: Special Edition Review». IGN. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  4. a b Robinson, Andy (28 de fevereiro de 2008). «Grand Theft Auto IV UK Hands-On». IGN. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  5. Cundy, Matt (26 de julho de 2007). «How GTA IV will reshape the series». GamesRadar. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  6. Miller, Greg; Goldstein, Hilary (28 de fevereiro de 2008). «Grand Theft Auto IV Hands-On». IGN. p. 2. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  7. Roper, Chris (23 de janeiro de 2008). «Grand Theft Auto IV Update». IGN. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  8. Orry, Tom (28 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». VideoGamer.com. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  9. Tassi, Paul (19 de março de 2008). «Grand Theft Auto IV and Gran Turismo 5 Look To Redefine Virtual Racing – and Felonies». Edmunds Insideline. Cópia arquivada desde o original em 13 de julho de 2011. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  10. Baker, Chris (28 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV Shifts Into Media Overdrive». Wired. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  11. Poulin, Rick (12 de outubro de 2007). «Coverage of the PlayStation Holiday Preview Event». GamingExcellence. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  12. a b c d e f Calvert, Justin (8 de dezembro de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». GameSpot. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  13. Reparaz, Mikel (8 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV - multiplayer hands-on». GamesRadar. Cópia arquivada desde o original em 6 de julho de 2008. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  14. «Grand Theft Auto IV Multiplayer Hands-On (PS3, Xbox 360)». GameTap. 8 de abril de 2008. Cópia arquivada desde o original em 10 de maio de 2011. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  15. Boyer, Crispin. (março de 2008). "Sweet Land of Liberty". Electronic Gaming Monthly: 44–56.
  16. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: The Cousins Bellic. (2008)
  17. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Bleed Out. (2008)
  18. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Uncle Vlad. (2008)
  19. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Crime and Punishment. (2008)
  20. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: The Master and the Molotov. (2008)
  21. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Russian Revolution. (2008)
  22. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Roman's Sorrow. (2008)
  23. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Hostile Negotiation. (2008)
  24. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: The Snow Storm. (2008)
  25. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Wrong is Right. (2008)
  26. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Portrait of a Killer. (2008)
  27. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Paper Trail. (2008)
  28. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Actions Speak Louder than Words. (2008)
  29. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: A Long Way to Fall. (2008)
  30. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Perogino's Pride. (2008)
  31. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Entourage. (2008)
  32. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: That Special Someone. (2008)
  33. a b Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: One Last Thing. (2008)
  34. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: If the Price is Right. (2008)
  35. a b Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Mr and Mrs Bellic. (2008)
  36. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: A Revenger's Tragedy. (2008)
  37. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: A Dish Served Cold. (2008)
  38. Grand Theft Auto IV. Rockstar North. (Rockstar Games). PlayStation 3, Xbox 360. Nível: Out of Commission. (2008)
  39. a b c d e f (junho de 2007) "GTA Gets Real". PlayStation Official Magazine - UK (6): 54–67.
  40. Rosmarin, Rachel (11 de dezembro de 2006). «Take Two Takes A Hit». Forbes. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  41. a b c d Fritz, Ben (19 de abril de 2008). «Dan Houser's very extended interview about everything "Grand Theft Auto IV" and Rockstar». Variety. Cópia arquivada desde o original em 6 de fevereiro de 2010. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  42. Boyer, Brandon (29 de junho de 2007). «Product: Grand Theft Auto IV Using NaturalMotion's Euphoria». Gamasutra. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  43. «The Making Of: Grand Theft Auto IV». Edge. 18 de março de 2008. Cópia arquivada desde o original em 5 de fevereiro de 2012. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  44. «Games». Speed Tree. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  45. Kushner, David. O Grande Fora da Lei: A Origem do GTA. Rio de Janeiro: Darkside, 2014. p. 291. ISBN 978-85-66636-32-1
  46. a b Goldstein, Hilary (28 de março de 2008). «GTA IV: Building a Brave New World». IGN. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  47. Doree, Adam (25 de maio de 2007). «Welcome to Grand Theft Auto IV». Kikizo. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  48. Fritz, Ben (18 de abril de 2008). «'Grand Theft' music a phone call away». Variety. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  49. a b c Tolito, Stephen (1 de maio de 2008). «'Grand Theft Auto IV' Music Man Explains How Those 214 Songs Made The Soundtrack». MTV News. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  50. Bruno, Anthony (5 de maio de 2008). «"Grand Theft Auto" simplifies song purchasing». Reuters. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  51. a b Bruno, Anthony (26 de abril de 2008). «Crime pays for music biz with new Grand Theft Auto». Reuters. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  52. a b c Schiesel, Seth (28 de abril de 2008). «Grand Theft Auto Takes On New York». The New York Times. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  53. «IF99». Grand Theft Auto IV. Rockstar Games. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  54. «Vladivostok FM». Grand Theft Auto IV. Rockstar Games. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  55. Clark, Tim. (abril de 2008). "Grand Theft Auto IV Review". PlayStation Official Magazine - UK (17): 88–96.
  56. Sanders, Kathleen (9 de maio de 2006). «E3 2006: Grand Theft Auto IV Announced». IGN. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  57. Gibson, Ellie (4 de junho de 2007). «Pachter predicts delay for GTA IV». Gamesindustry.biz. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  58. Wollenschlaeger, Alex (4 de junho de 2007). «Rockstar Dismisses Talk of GTA IV Delay». Kikizo. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  59. Roper, Chris (2 de agosto de 2008). «Grand Theft Auto IV Delayed». IGN. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  60. McWhertor, Michael (3 de agosto de 2007). «Take-Two Execs Explain GTA IV Delay». Kotaku. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  61. Tolito, Stephen (23 de janeiro de 2008). «'Grand Theft Auto IV' Developer Announces Release Date, Says Whether There Will Be Another Hot 'Coffee'». MTV News. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  62. Ogden, Gavin (8 de fevereiro de 2008). «Massive GTA IV update». Computer and Video Games. Cópia arquivada desde o original em 9 de fevereiro de 2008. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  63. Ring, Bennett (26 de junho de 2007). «Grand Theft Auto IV Special Edition Contents Revealed». IGN. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  64. Androvich, Mark (30 de abril de 2008). «GTA IV: Most expensive game ever developed?». Gamesindustry.biz. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  65. Faylor, Chris (6 de agosto de 2008). «Grand Theft Auto 4 PC Announced, Due Nov. 18; Sports 'Newly Expanded Multiplayer'». Shacknews. Consultado em 31 de dezembro de 2016 
  66. Thang, Jimmy (30 de outubro de 2008). «GTA IV PC Delayed to December». IGN. Consultado em 31 de dezembro de 2016 
  67. Nagata, Tyler (30 de outubro de 2008). «Grand Theft Auto IV: Is the PC version the best?». GamesRadar. Cópia arquivada desde o original em 28 de julho de 2011. Consultado em 31 de dezembro de 2016 
  68. Thang, Jimmy (22 de setembro de 2008). «GFW Celebrates Two-Year Anniversary». IGN. Consultado em 31 de dezembro de 2016 
  69. a b McWhertor, Michael (17 de fevereiro de 2009). «Grand Theft Auto IV: The Lost And Damned Review». Kotaku. Consultado em 1 de janeiro de 2017 
  70. a b Breckon, Nick (26 de maio de 2009). «Second GTA 4 Expansion Tells 'The Ballad of Gay Tony'». Shacknews. Consultado em 1 de janeiro de 2017 
  71. Snider, Mike (20 de novembro de 2008). «'Grand Theft Auto' yields road to the 'Lost and Damned'». USA Today. Consultado em 1 de janeiro de 2017 
  72. Bramwell, Tom (22 de janeiro de 2009). «Rockstar prices GTAIV: Lost and Damned». Eurogamer. Consultado em 1 de janeiro de 2017 
  73. Gibson, Ellie (23 de julho de 2009). «New GTAIV DLC gets release date». Eurogamer. Consultado em 1 de janeiro de 2017 
  74. Crecente, Brian (12 de fevereiro de 2008). «Rockstar Experimenting with Episodic Content». Kotaku. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  75. «Take-Two F2Q07 (Qtr End 4/30/07) Earnings Call Transcript». SeekingAlpha. 11 de junho de 2007. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  76. «First PC Screens of Grand Theft Auto: Episodes from Liberty City». Rockstar Games. 2 de abril de 2010. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  77. a b c d e f g Boyer, Crispin (27 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». 1UP.com. Cópia arquivada desde o original em 13 de abril de 2016. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  78. a b c d e f g Robinson, Andy (27 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV review». Computer and Video Games. Cópia arquivada desde o original em 14 de setembro de 2014. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  79. «Grand Theft Auto IV Review». Edge. 13 de maio de 2008. Cópia arquivada desde o original em 14 de setembro de 2014. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  80. a b c d e Bramwell, Tom (27 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». Eurogamer. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  81. a b c d e f g Reiner, Andrew (29 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV: Perfection». Game Informer. Cópia arquivada desde o original em 29 de abril de 2008. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  82. a b c d e f Walter, George (27 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV – The Fluff-free review». GamesRadar. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  83. a b «Grand Theft Auto IV PlayStation 3». Metacritic. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  84. a b «Grand Theft Auto IV Xbox 360». Metacritic. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  85. «Best Video Games of All Time». Metacritic. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  86. a b c d e f g h i Hicks, Jon (28 de abril de 2008). «Review: Grand Theft Auto IV». Official Xbox Magazine. Cópia arquivada desde o original em 13 de setembro de 2014. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  87. a b c Constantino, Jesse (6 de maio de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». Game Revolution. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  88. a b Gerstmann, Jeff (5 de maio de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». Giant Bomb. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  89. McComb, David (27 de abril de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». Empire. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  90. Pinson, Michael (3 de outubro de 2010). «Game Audio Review – Grand Theft Auto IV». The Pro Audio Files. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  91. Gudmundson, Carolyn (4 de setembro de 2010). «Game music of the day: Grand Theft Auto IV». GamesRadar. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  92. a b c d Chick, Tom (9 de dezembro de 2008). «GTA IV Review for PC». 1UP.com. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  93. a b c Robinson, Andy (4 de dezembro de 2008). «PC Review: Grand Theft Auto IV Review». Computer and Video Games. Cópia arquivada desde o original em 14 de setembro de 2014. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  94. a b c d e Gillen, Kieron (1 de dezembro de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». Eurogamer. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  95. a b c d Calvert, Justin (8 de dezembro de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». GameSpot. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  96. a b c Tuttle, Will (3 de dezembro de 2008). «Reviews: Grand Theft Auto IV». GameSpy. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  97. a b c d e Onyett, Charles (2 de dezembro de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». IGN. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  98. a b c d Orry, Tom (5 de dezembro de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». VideoGamer.com. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  99. a b «Grand Theft Auto IV PC». Metacritic. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  100. a b c d e Hopper, Steven (8 de dezembro de 2008). «Grand Theft Auto IV Review». GameZone. Cópia arquivada desde o original em 8 de março de 2009. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  101. Nichols, Shaun (9 de maio de 2008). «GTA IV smashes sales records». V7. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  102. Paul, Franklin (7 de maio de 2009). «Take-Two's Grand Theft Auto 4 sales top $500 million». Reuters. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  103. Richtel, Matt (29 de abril de 2008). «For Gamers, the Craving Won't Quit». The New York Times. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  104. Magrino, Tom (1 de maio de 2008). «Q&A: GTAIV - Big or huge?». Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  105. «Take-Two Interactive Software, Inc. Reports Strong Second Quarter Fiscal 2008 Financial Results». Take-Two Interactive. 5 de junho de 2008. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  106. «Confirmed: Grand Theft Auto IV Breaks Guinness World Records With Biggest Entertainment Release Of All-Time». Guinness World Records. 13 de maio de 2008. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  107. Cullen, Johnny (10 de março de 2011). «Take-Two: GTA IV hits 20m, BioShock series at 8m». VG24/7. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  108. Futter, Mike (30 de julho de 2013). «Grand Theft Auto IV Has Sold 25 Million Units To-Date». Game Informer. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  109. Goldfarb, Andrew (20 de setembro de 2013). «GTA 5 Sales Hit $1 Billion in Three Days». IGN. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  110. a b Ingham, Tim (30 de abril de 2008). «GTA IV smashes day one sales record». Market for Home Computing and Video Games. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  111. Ingham, Tim (6 de maio de 2008). «UK CHARTS: All-conquering GTA IV hits No.1». Market for Home Computing and Video Games. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  112. Androvich, Mark (6 de maio de 2008). «GTA IV: 926,000 copies sold in five days». GamesIndustry.biz. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  113. Sinclair, Brendan (5 de junho de 2008). «NPD: US April game revs spike on GTAIV». GameSpot. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  114. Brightman, James (15 de janeiro de 2009). «NPD: Nintendo Drives '08 Industry Sales Past $21 Billion». Game Daily. Cópia arquivada desde o original em 31 de março de 2009. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  115. McWhertor, Michael (6 de novembro de 2008). «Grand Theft Auto IV #1 With A Bullet In Japan». Kotaku. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  116. Breckon, Nick (15 de dezembro de 2008). «Weekly PC Sales: A Slow Start for GTA 4». Shacknews. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  117. Faylor, Chris (22 de dezembro de 2008). «Weekly PC Sales: Grand Theft Auto 4 PC Disappears; Left 4 Dead, Call of Duty Gain Ground». Shacknews. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  118. «The Top 20 LIVE Games of 2009». Major Nelson. 11 de janeiro de 2010. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  119. «Top Games of 2011». Major Nelson. 6 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  120. «Top Games of 2012». Major Nelson. 22 de janeiro de 2013. Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  121. Marchiafava, Jeff (2 de janeiro de 2007). «Check Out 25 Years Of Game Informer's GOTY Awards». Game Informer. p. 3. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  122. a b «Spike TV Announces 2008 "Video Game Award" Winners». Spike. 16 de dezembro de 2008. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  123. «Game of the Year 2008». Giant Bomb. 30 de dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 16 de janeiro de 2011. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  124. a b Crecente, Brian (5 de janeiro de 2009). «Kotaku's 2008 Games of the Year Awards». Kotaku. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  125. «GameTrailers Game of the Year Awards 2008: Game of the Year». GameTrailers. 31 de dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 14 de outubro de 2012. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  126. Schiesel, Seth (19 de dezembro de 2008). «The Zombies Look Better Every Year». The New York Times. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  127. Metzger, Pete (31 de dezembro de 2008). «Making the perfect game». Los Angeles Times. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  128. Grossman, Lev (3 de novembro de 2008). «Top 10 Video Games: 1. Grand Theft Auto IV». Time. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  129. «IGN Xbox 360: Best Story 2008». IGN. dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 22 de dezembro de 2008. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  130. «IGN PS3: Best Story 2008». IGN. dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 21 de dezembro de 2008. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  131. «GameTrailers Game of the Year Awards 2008: Best Story». GameTrailers. 31 de dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 26 de maio de 2013. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  132. «GameSpy Game of the Year 2008: Special Awards – Best Story». GameSpy. dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 13 de janeiro de 2009. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  133. «IGN Overall: Best Action Game 2008». IGN. dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 20 de janeiro de 2009. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  134. «GameTrailers Game of the Year Awards 2008: Best Action Adventure Game». GameTrailers. 31 de dezembro de 2008. Cópia arquivada desde o original em 26 de maio de 2013. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  135. «Past Winners and Nominees: Games Nominations 2009». British Academy of Film and Television Arts. Cópia arquivada desde o original em 3 de janeiro de 2012. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  136. «9th Annual Game Developers Choice Awards». Game Developers Choice Awards. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  137. «Thompson Rallies Against GTA IV». Edge. 3 de janeiro de 2007. Cópia arquivada desde o original em 16 de maio de 2015. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  138. Millard, Elizabeth (2 de abril de 2007). «New York Balks at Next Grand Theft Auto». NewsFactor. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  139. Sinclair, Brendan (30 de abril de 2008). «Mothers against GTAIV's drunk driving». GameSpot. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  140. «MADD's Statement Regarding Grand Theft Auto IV». Mothers Against Drunk Driving. 29 de abril de 2008. Cópia arquivada desde o original em 13 de maio de 2008. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  141. Hill, Jason (4 de abril de 2008). «GTA IV edited for Australia». The Sydney Morning Herald. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  142. «Uncut version of Grand Theft Auto IV now available in NZ». Newshub. 22 de maio de 2008. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  143. Plunkett, Luke (2 de dezembro de 2008). «For Some Reason, Australia Is Getting An Uncut GTA IV On PC». Kotaku. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  144. Reynolds, Matthew (20 de fevereiro de 2009). «'GTA IV' updated with uncensored patch». Digital Spy. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  145. Sherwood, James (30 de abril de 2008). «Grand Theft Auto 4 queue man stabbed in head». The Register. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  146. Mannion, Paul (1 de maio de 2008). «Chester boys attacked by Grand Theft Auto snatchers». Chester Chronicle. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  147. Ingham, Tim (30 de abril de 2008). «Croydon stabbing 'had nothing to do with GTA'». Market for Home Computing and Video Games. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  148. Thomson, Iain (30 de abril de 2008). «Grand Theft Auto stabbing disputed». V3. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  149. Fahey, Mike (26 de junho de 2008). «Teen Crime Spree Inspired By Grand Theft Auto». Kotaku. Consultado em 11 de janeiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]